A feira que revelou ao Brasil a TV a cores, o VW SP2 e o Mercedes C-111

Curiosidades do Miau: icônicos esportivos apareceram pela primeira vez em nossa terra numa feira voltada... à indústria alemã

Mercedes-Benz C111 deixando visitantes boquiabertos no Ibirapuera

Mercedes-Benz C111 deixando visitantes boquiabertos no Ibirapuera (Mercedes-Benz/MIAU/Divulgação)

O que o lendário carro-laboratório Mercedes-Benz C-111 e o protótipo do VW SP-2 têm em comum?

Além de serem veículos-conceito, ambos dividiram as atenções dos brasileiros na exposição A Alemanha e Sua Indústria, mais conhecida como Feira da Indústria Alemã.

Parece evento realizado em terras germânicas, mas na verdade ele ocorreu na área do Pavilhão da Bienal do Parque Ibirapuera – o Salão do Automóvel já havia se mudado para o Anhembi em 1970 –, entre 24 de março e 4 de abril de 1971.

A exposição foi impressionante: em 45 mil metros quadrados divididos em cinco pavilhões, 573 empresas alemãs de vários segmentos industriais mostraram seus últimos desenvolvimentos tecnológicos.

Para receber a feira, o pavilhão foi todo reformado, com a instalação de 65 quilômetros de fios e tubulações para que o público pudesse ver 400 máquinas funcionando – o consumo diário de energia equivalia ao de uma cidade de 30 mil habitantes.

Só para contextualizar bem o que era aquela época, um grande sucesso da feira foi a exibição do sistema PAL de TV a cores: a televisão brasileira então só transmitia em preto e branco.

Feira da Indústria Alemã: um evento grandioso no Brasil para impressionar… alemães

Feira da Indústria Alemã: um evento grandioso no Brasil para impressionar… alemães (Mercedes-Benz/MIAU/Divulgação)

O impacto da mostra foi tamanho que começou fora do Ibirapuera, no Aeroporto de Viracopos: pela primeira vez vinha ao país o que era então o maior avião de passageiros do mundo, um Boeing 747 (na época apelidado de “Jumbo”) operado pela Lufthansa.

Veio de Frankfurt trazendo 300 convidados para a feira, entre empresários e autoridades alemãs.

Cinco mil pessoas foram ver a chegada do avião, e a segurança teve que ser reforçada para evitar que a pista fosse invadida pelos mais entusiasmados após o pouso.

Ainda um conceito, Volkswagen SP2 foi agilizado às pressas para estar no evento

Ainda um conceito, Volkswagen SP2 foi agilizado às pressas para estar no evento (Volkswagen/MIAU/Divulgação)

Na Bienal as empresas automotivas se destacavam: além da Mercedes e da Volkswagen participaram a Porsche, que trouxe um 914, um 911 e um 911 Targa, e a BMW, com um 2800 CS.

O estande da Volkswagen era um dos maiores e mais imponentes da mostra não à toa: o presidente mundial da empresa na época, Kurt Lotz, era também presidente do comitê organizador da feira.

Objetivo da VW era agradar o presidente mundial, Kurt Lotz

Objetivo da VW era agradar o presidente mundial, Kurt Lotz (Volkswagen/MIAU/Divulgação)

A fabricante, portanto, não podia fazer feio. O problema é que não havia nada muito espetacular à mão: apenas o TL e a Variant com frente nova e o inédito TL quatro portas.

Para o nosso mercado na época seria mais do que o suficiente, mas não para impressionar o presidente mundial da empresa.

SP2 logo ganhou um apelido: “Volks esporte”

SP2 logo ganhou um apelido: “Volks esporte” (Volkswagen/MIAU/Divulgação)

Decidiu-se então exibir pela primeira vez o protótipo de um carro esportivo que ninguém no mundo fora dos portões da VW do Brasil já tinha visto, totalmente concebido e desenhado no país. Foi um assombro.

Naquele momento o carro não tinha nem nome nem previsão de lançamento. Foi apresentado como “Modelo de Estudo”, mas ganhou rapidamente apelido de “Volks esporte”. Era o SP2, que chegaria efetivamente ao mercado mais de um ano depois.

Modelo caiu logo nas graças do público. Afinal, como resistir a esta traseira?

Modelo caiu logo nas graças do público. Afinal, como resistir a esta traseira? (Volkswagen/MIAU/Divulgação)

Só que a Mercedes não queria ficar atrás – afinal era uma mostra para explicitar toda a modernidade tecnológica da então Alemanha Ocidental.

No estande já haveriam os modelos 300 SEL, 600, 280 SE, 280 SL e 250 CE com injeção eletrônica, além de um Unimog.

A discrepância de ter um C-111 exposto ao lado de caminhões e ônibus feitos pela Mercedes no Brasil

A discrepância de ter um C-111 exposto ao lado de caminhões e ônibus feitos pela Mercedes no Brasil (Mercedes-Benz/MIAU/Divulgação)

Mas, para não correr riscos, a matriz mandou embarcar para o Brasil nada menos do que o C-111 II, o carro mais absurdamente impressionante da época: “Totalmente projetado por computador”, gostavam de repetir, assombrados, os jornais.

As imagens aqui mostradas do C-111 no Ibirapuera são em sua maioria absolutamente inéditas, oriundas do acervo da Mercedes-Benz do Brasil, que gentilmente permitiu acesso com exclusividade ao Miau (Museu da Imprensa Automotiva).

O carro havia sido mostrado anteriormente apenas no Salão do Automóvel de Genebra de 1970.

C-111 ficou exposto com bastante destaque no estande

C-111 ficou exposto com bastante destaque no estande (Mercedes-Benz/MIAU/Divulgação)

Era uma espécie de laboratório futurístico da Mercedes-Benz: além do design arrojado, muito à frente de seu tempo, tinha portas estilo asa-de-gaivota e carroceria em fibra de vidro.

O motor era um Wankel com quatro rotores instalado em posição central, 7,2 litros com injeção direta de combustível e 380 cv. Fazia de 0 a 100 km/h em 4,8 segundos e alcançava os 300 km/h.

C-111 era um esportivo de linhas quase pornográficas

C-111 era um esportivo de linhas quase pornográficas (Mercedes-Benz/MIAU/Divulgação)

O câmbio era manual de cinco marchas com duplo disco de embreagem – em terceira o C-111 já beirava os 200 km/h.

A ideia era produzi-lo em série, mas os altos consumo e nível de emissões, ajudados pela crise do petróleo, barraram os planos. Mais tarde a Mercedes-Benz ainda trocou o motor por um diesel 3.0 cinco cilindros com turbo e intercooler, de 193 cv.

Para mostrar do que o carro era capaz houve uma prova no circuito circular de Nardò, na Itália, onde o C-111 II D percorreu absurdos 16 mil quilômetros em 64 horas, com média de 252 km/h.

C-111 foi a sensação do evento

C-111 foi a sensação do evento (Mercedes-Benz/MIAU/Divulgação)

No Ibirapuera o carro permaneceu imóvel, mas as filas que se formaram para vê-lo de perto comprovaram que ele foi o maior destaque da feira alemã, deixando os fanáticos por carros da época simplesmente alucinados.

Para tristeza geral, ele foi embarcado de volta à Alemanha logo ao fim da mostra, para nunca mais voltar.

Para os brasileiros o jeito de matar as saudades foram os brinquedos da época: a Glasslite tinha um C-111 bate-e-volta que foi bastante popular até meados dos anos 80.

Se você gostou dessa e curte outras histórias envolvendo carros, visite o Miau (Museu da Imprensa Automotiva): seu grande acervo conta essas e outras curiosidades por meio de revistas, fotos, livros e materiais de imprensa especializada.

O museu fica na Rua Marcelina, 108, na zona oeste de São Paulo. O site é o www.miaumuseu.com.br e o telefone o (11) 98815-7467.

Marcos Rozen

É jornalista especializado em automóveis e fundador do Museu da Imprensa Automotiva.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s