Especial PcD: quase metade dos brasileiros tem direito à isenção

Mudanças na legislação aumentaram abrangência e fizeram vendas triplicarem nos últimos quatro anos

 

Cada vez mais pessoas estão procurando veículos voltados a PcD

Cada vez mais pessoas estão procurando veículos voltados a PcD (Arte/Quatro Rodas)

A sigla PcD aparece cada vez  mais nos anúncios de carro. Esse tipo de venda mais que triplicou nos últimos quatro anos. O maior conhecimento do consumidor foi um dos motivos, porém a maior abrangência do benefício também foi determinante.

Só em 2018 foram 264.000 veículos, segundo dados da Abridef, entidade do setor – 13,5% de todos os carros vendidos no país. E no primeiro quadrimestre de 2019 os emplacamentos cresceram 30% sobre o mesmo período do ano passado.

Parte do crescimento foi motivada depois que os contemplados pelos abatimentos não se restringiam a cadeirantes.

A partir de 2013, a venda PcD foi estendida a outras pessoas com mobilidade reduzida e até familiares de dependentes com síndrome de down, autismo, deficiências e sequelas graves.

“Isso abriu para que praticamente um em cada dois brasileiros tenha direito à compra com isenção. E vem fazendo as vendas aumentarem conforme a população vai tomando conhecimento do seu direito”, diz Rodrigo Rosso, presidente da Abridef.

As marcas logo perceberam um filão para expandir as vendas. “A lista de enfermidades que dão direito à isenção é vasta e muitos que desconheciam seus direitos passaram a exercê-los”, diz Alonso Junior, gerente de vendas diretas da Nissan.

Hoje, além de criarem versões de modelos mais caros para se enquadrar na faixa de isenção total, quase todas as fabricantes têm programas de vendas diretas para PcD.

Não só com vendedores treinados como com assistência e orientação ao consumidor.

“As concessionárias têm cartilhas com todas as etapas de compra e geralmente um despachante parceiro ou próprio para ajudar o consumidor”, explica Leonardo Paiva, gerente de vendas da Toyota.

As próprias tendências de mercado ajudaram a ampliar esse leque. A popularização de câmbios automáticos e automatizados fez com que hatches e sedãs de entrada entrassem na onda.

“O segmento PcD cresce em ritmo duas vezes maior que o do mercado, pelo fato de as pessoas terem mais ciência de seus direitos, pela maior oferta de modelos e pela democratização de tecnologias que facilitam a vida dos beneficiários”, explica o diretor de vendas diretas da GM, Marcelo Tezoto.

A expectativa é de crescimento constante para os próximos anos – para 2019, as projeções apontam para evolução de 30% a 40%. Até porque as marcas também trabalham em descontos para carros acima dos R$ 70.000.

Foi o que a Toyota fez com o Corolla, que há tempos extrapolou esse limite de preço.

Para vendas PcD da versão XEi, além da isenção do IPI, a única a que tem direito por estar acima de R$ 70.000, a Toyota ainda dá desconto exclusivo de 12%, só para atrair o interesse desse público.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s