Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Entenda como são feitos os testes de desempenho em pista da QUATRO RODAS

Nesses 60 anos, muita coisa evoluiu nos testes. O que não mudou foi o espírito investigativo, realizando medições com critério, método e rigor

Por Paulo Campo Grande Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
30 set 2020, 07h16
Piloto Leonardo Barbosa durante um teste na pista (Fernando Pires/Quatro Rodas)

Nesses 60 anos, muita coisa evoluiu nos testes. O que não mudou foi o espírito investigativo, realizando medições com critério, método e rigor

QUATRO RODAS testou mais de 4.000 carros ao longo da vida. A conta chega a 4.178, incluindo os realizados para a edição de aniversário. O primeiro teste foi em agosto de 1961, ou seja, um ano após o lançamento da revista.

O modelo foi a perua DKW-Vemag, produzida pela Vemag (Veículos e Máquinas Agrícolas S/A), no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Na ocasião, a empreitada mobilizou oito profissionais, que, durante 15 dias, percorreram 4.000 quilômetros em estradas e ruas da cidade do Rio de Janeiro, além dos testes dinâmicos, feitos em um trecho interditado da Via Dutra, “com a valiosa ajuda da Polícia Rodoviária”.

Continua após a publicidade

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Usando instrumentos como trenas, cronômetros, termômetros e barômetros, os especialistas produziram um relatório de 200 páginas, dissecando meticulosamente o veículo e iniciando ali uma prática que se tornou marca registrada da revista.

Os instrumentos e a metodologia das medições evoluíram com o passar dos anos. Mas o rigor nos ensaios e o espírito investigativo dos pioneiros continuam (Arte/Quatro Rodas)

Sessenta anos depois, já não precisamos de tantas coisas para fazer um teste completo. Muito tempo antes, aliás, todo o aparato do primeiro ensaio deixou de ser necessário.

Os equipamentos evoluíram, surgiram os campos de provas e nossa metodologia se consolidou. Atualmente, os testes são realizados em pista fechada e com instrumentos de última geração.

O que não mudou foi o espírito investigativo que os primeiros avaliadores tinham, realizando as medições com todo o cuidado, atenção e rigor.

Continua após a publicidade
O piloto de testes Eduardo Campilongo faz a aferição de ruído (Fernando Pires/Quatro Rodas)

QUATRO RODAS é a única revista do Brasil que tem seu próprio ciclo para a apuração do consumo, que simula as condições de uso nos regimes urbano e rodoviário, dentro da pista de testes. Um ciclo é o roteiro que o piloto deve cumprir durante o ensaio para garantir que o veículo seja submetido às diferentes condições de uso previstas, sem exceder ou ficar aquém dos parâmetros que foram estabelecidos para o ensaio.

Esse processo garante precisão, permitindo que um determinado veículo obtenha sempre os mesmos resultados independentemente da pessoa que realiza o teste, tornando possível a comparação desses números com os conseguidos por outros modelos que também sejam submetidos à mesma prova.

Continua após a publicidade

Além do consumo, nosso teste contempla números de aceleração (0 a 100 km/h e 0 a 1.000 m); retomadas de velocidade (40 a 80 km/h, em D ou 3a marcha; 60 a 100 km/h, em D ou 4a marcha; e 80 a 120 km/h em D ou 5a marcha); frenagem (60 a 0 km/h, 80 a 0 km/h, 120 a 0 km/h); nível de ruído interno (ponto morto, rotação máxima, 80 km/h e 120 km/h); e aferição (velocímetro e rotação do motor).

Todos os ensaios são realizados em sequência determinada (do mais leve ao mais severo). Todos os carros iniciam as provas com os pneus calibrados e o tanque cheio.

Continua após a publicidade

E todo o procedimento é feito sempre com o mesmo critério. Por que não fazer, por exemplo, medições com o sistema de ar-condicionado ligado, reproduzindo assim uma condição real de uso?

Pela impossibilidade de padronizar o ensaio, uma vez que o funcionamento do ar-condicionado – equipamento que “rouba” potência do motor – pode variar de acordo com a temperatura externa, que muda constantemente. Ao adotar um padrão igual para todos os carros, conseguimos reduzir ao máximo o número de variáveis e assim obter números confiáveis.

Continua após a publicidade

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital. 

Quatro Rodas

Quatro Rodas 737 60 anos ()
Clique e Assine
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.