Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Clássicos: Mercedes-Benz 190 SL, um conversível feito para brilhar

Esse pequeno conversível alemão desfilou nas mãos se Grace Kelly, Paul Newman e até Frank Sinatra

Por Felipe Bitu Atualizado em 26 dez 2020, 12h45 - Publicado em 26 dez 2020, 08h10
Mercedes 190 SL
Fernando Pires/Quatro Rodas

O austríaco Max Hoffman foi uma das personalidades mais influentes da indústria automobilística na década de 1950. Estabelecido em Nova York, o importador teve papel fundamental no desenvolvimento de conversíveis como BMW 507 roadster, Porsche 356 Speedster e Mercedes-Benz 190 SL (código W121 B II).

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Mercedes 190 SL
O elevado padrão de acabamento era referência na época. Volante de 43 cm compensava a falta da direção hidráulica Fernando Pires/Quatro Rodas

A primeira aparição do 190 SL ocorreu no Salão de Nova York de 1954, ainda como protótipo. O conversível desenhado por Walter Häcker e Hermann Ahrens estava ao lado do mítico cupê 300 SL, outro protótipo sugerido por Max Hoffman. Seu estilo era tão avançado que os cabriolets 220 e 300 S ficaram obsoletos da noite para o dia.

Baseado na plataforma dos sedãs W120, o modelo definitivo só foi apresentado no Salão de Genebra de 1955 com alterações em grade, para-choques, capô e para-lamas traseiros. Compartilhava muitos elementos de estilo com o irmão 300 SL, mas era consideravelmente menor, com 4,29 metros de comprimento e 2,4 metros entre os eixos.

  • Mercedes 190 SL
    O 190 SL tinha um câmbio manual de quatro velocidades Fernando Pires/Quatro Rodas

    O 190 SL começou a ser produzido no mesmo ano em Sindelfingen em quatro versões: conversível com teto de lona, cupê com teto de alumínio removível, cupê com as duas opções de teto e o raríssimo 190 SLR para competições. Todas eram significativamente mais caras que o Porsche 356 e vinham sempre pintadas de prata metálico. Outras cores eram oferecidas como opcional, incluindo a pintura em duas tonalidades.

    Mercedes 190 SL
    O painel trazia conta-giros, velocímetro, manômetro de pressão do óleo, termômetro e medidor de combustível Fernando Pires/Quatro Rodas

    O emprego de alumínio em capô, portas e tampa do porta-malas foi essencial para mantê-lo abaixo dos 1.200 kg. Era impulsionado pelo motor M121 de 1,9 litro, o primeiro quatro-cilindros do fabricante com comando de válvulas no cabeçote.

    Era alimentado por dois carburadores Solex 44 PHH para gerar 14,5 kgfm a 3.200 rpm e 105 cv a 5.700 rpm. Números modestos frente aos 215 cv do 300 SL, mas suficientes para acelerar de 0 a 100 km/h em 14 segundos, com máxima de 170 km/h.

    Estava longe de agradar o diretor de competições Alfred Neubauer, mas a tração traseira e a suspensão traseira por braços oscilantes não comprometiam seu equilíbrio dinâmico. A dirigibilidade era favorecida pelo enorme volante (sem assistência) e pelo câmbio manual de quatro marchas. As rodas de 13 polegadas traziam freios com tambores aletados e pneus diagonais na medida 6.40-13.

    Continua após a publicidade
    Mercedes 190 SL
    Portas convencionais com soleiras baixas facilitavam o acesso Fernando Pires/Quatro Rodas

    O padrão de construção era o mesmo do 300 SL, com a solidez típica da marca. Entre os opcionais havia rádio Becker, ar quente, faróis auxiliares, capota rígida e um assento traseiro transversal para um terceiro ocupante. O interior poderia ser revestido de couro ou MB-Tex, material sintético exclusivo da Mercedes-Benz.

    Mercedes 190 SL
    A grade clássica de esportivo foi reeditada no SLS AMG de 201o Fernand Pires/Quatro Rodas

    Sucesso entre o público feminino: havia pelo menos um 190 SL nas garagens de Ingrid Bergman, Grace Kelly, Gina Lollobrigida, e até da desafortunada Rosemarie Nitribitt. Marmanjos também se renderam: Paul Newman, Cary Grant, Frank Sinatra e Kirk Douglas.

    Mercedes 190 SL
    O motor M121 já trazia comando de válvulas no cabeçote Fernando Pires/Quatro Rodas

    No total, 25.881 unidades do 190 SL foram comercializadas até 1963, ano em que foi sucedido pelo 230 SL “Pagoda” com motor de seis cilindros (código W113). Cerca de 80% da produção foi exportada, com 10.368 unidades destinadas aos EUA, seu maior mercado consumidor. O conceito de um conversível pequeno de quatro cilindros só seria resgatado pela Mercedes com o lançamento do SLK, em 1996, com os mesmos 2,4 metros entre os eixos.

    Ficha Técnica:

    Mercedes-Benz 190 SL 1955

    Motor: 4 cilindros em linha de 1,9 litro; 14,5 kgfm
    a 3.200 rpm;
    105 cv a 5.700 rpm

    Câmbio: manual de 4 velocidades

    Carroceria: aberta, 2 portas, 2 lugares

    Dimensões: comprimento, 429 cm; largura, 174 cm; altura, 132 cm; entre-eixos, 240 cm; peso, 1.180 kg

    Desempenho: 0 a 100 km/h em 14 segundos; velocidade máxima de 170 km/h

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Continua após a publicidade
    Publicidade