Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Chevrolet Chevette: primeiro “carrinho” da GM parecia um pequeno esportivo

O primeiro carro pequeno da GM era despojado, mas tinha o essencial: dava muito prazer ao dirigir

Por Sérgio Berezovsky Atualizado em 3 jun 2021, 19h45 - Publicado em 4 jun 2021, 08h00
Chevette 73
Acervo/Quatro Rodas

Foi com uma provocação que a General Motors apresentou, em maio de 1973, seu primeiro automóvel pequeno produzido no Brasil. “A GM não faria mais um carrinho” era o mote da campanha de lançamento do Chevette. Ele era a quarta geração do Opel Kadett, que começou a ser fabricado na Alemanha em meados da década de 30.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

A montadora apostava nas linhas atualizadas, que embalavam um motor moderno, com comando de válvulas no cabeçote, e uma suspensão firme, que garantia boa estabilidade. Mas como era despojado o bichinho! Nem chave no tanque de gasolina ele tinha. E isso em plena crise do petróleo, um tempo em que não eram raros os casos de roubos de combustível.

  • Em compensação, é possível imaginar a boa surpresa de quem assumia pela primeira vez o volante do Chevette. A posição de dirigir encantava quem estava acostumado ao padrão dos carros nacionais da época. Ainda hoje, o carrinho – ops! – passa a sensação de um pequeno esportivo, com os comandos bem à mão e a direção levemente inclinada para a esquerda, com a alavanca de câmbio bem próxima.

    Chevette, da Chevrolet, automóvel testado pela Revista Quatro Rodas.
    Acervo/Quatro Rodas

    Para os passageiros que viajam atrás, entrar é fácil, já que o assento levanta, facilitando o acesso. Mas que ninguém os inveje: além de dividirem o exíguo espaço com o túnel sobre o eixo cardã, são embalados pelo som do combustível que chacoalha no tanque, instalado atrás do encosto.

    No teste feito por QUATRO RODAS (maio de 1973), sua aceleração impressionou bem, graças à primeira marcha e ao diferencial, curtos, que faziam o carro “pular” na frente de outros carros com motores maiores. Fez de 0 a 100 em 19 segundos.

    Painel do Chevette, da Chevrolet, automóvel testado pela Revista Quatro Rodas.
    Acervo/Quatro Rodas

    Também as manobras foram elogiadas: a direção, rápida, com 3,5 voltas de batente a batente, permitia virar o carro em menos de 11 metros. As restrições ficaram para a velocidade máxima de 140 km/h na melhor passagem e para o painel de instrumentos, considerado confuso pelo jornalista Expedito Marazzi.

    Continua após a publicidade
  • Ainda hoje, o Chevette transmite um certo “espírito esportivo”. Mas isso não significa nenhum compromisso do pequeno motor de 1.4 de 68 cv de responder aos chamados do pé direito. As curvas são feitas com precisão, e a tração traseira deixa saudades. Ah, se ele tivesse um motor mais forte…

    Motor do Chevette, da Chevrolet, automóvel testado pela Revista Quatro Rodas.
    Acervo/Quatro Rodas

    O médico ortopedista Sérgio Minervini é o proprietário do Chevette 1976 apresentado nesta reportagem. Eles são companheiros desde 1978. Frequentaram juntos o curso de medicina no interior de São Paulo e, ao contrário do doutor Sérgio, na ativa desde a formatura, o Chevette se aposentou em 1989, aos 16.000 km. De lá para cá, não rodou mais do que 700 km. Sérgio é tão meticuloso que, ao receber o veículo, retirou cuidadosamente os selos dos vidros e os guarda até hoje. Os adesivos que aparecem nas fotos são reproduções dos originais.

    Produzido ao longo de 20 anos, o Chevette três volumes de duas portas deu origem a uma versão quatro portas, ao modelo hatch, à perua Marajó e à picape Chevy 500. Nesse tempo, foram várias versões de motor, do 1.0 ao 1.6.

    No seu lançamento, um Chevette custava 21.290 cruzeiros (R$ 116.632), bem mais que um Fuscão, com motor 1500, que saía por 17.800 cruzeiros (R$ 97.513), e um pouco menos que os 22.668 cruzeiros (R$ 124.181) necessários para tirar um Ford Corcel cupê standard da concessionária. Em valores de hoje, daria para comprar um Chevrolet Tracker LTZ automático.

    Teste – Chevrolet Chevette 1.4 – Junho de 1975
    Aceleração 0 a 100 km/h – 20,4 s
    Velocidade máxima – 131 km/h
    Frenagem 80 km/h a 0 – 28,1 m
    Consumo – 10,3 km/l (médio)

    Preço
    Maio de 1973 – Cr$ 21.290
    Atualizado – R$ 116.632 (IGP-DI/FGV)

    Ficha técnica
    Motor: Dianteiro, 4 cilindros em linha Cilindrada: 1 398 cm3
    Câmbio: Manual, 4 marchas Potência: 68 cv a 5 800 rpm Torque: 9,8 mkgf a 3 200 rpm
    Suspensão: dianteira: independente traseira: eixo rígido
    Dimensões: comprimento, 412 cm; largura, 157 cm; altura, 132 cm; entre-eixos, 239; peso, 836 kg

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

    Capa Quatro Rodas 745 maio 2021
    Arte/Quatro Rodas
    Continua após a publicidade
    Publicidade