Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sempre é necessário trocar os amortecedores do carro aos pares?

Trocar em par e por amortecedores de mesma marca é a única garantia de manter o bom comportamento do carro

Por Da Redação
6 jan 2024, 19h51
Quando se tem apenas um amortecedor danificado, deve-se trocar apenas o par afetado ou todo o jogo?

Thiago Oliveira, São José dos Campos (SP)

O ideal é optar pela troca do conjunto todo, mesmo que os demais amortecedores ainda estejam em condições de uso. Assim, o usuário terá a certeza de que todos os amortecedores estão trabalhando nas mesmas condições e dentro dos mesmos prazos de troca.

Também é importante optar pela mesma marca e linha de amortecedores, uma vez que eles são desenvolvidos sempre considerando o uso em conjunto nas suspensões dianteira e traseira. Amortecedores de marcas diferentes podem apresentar características distintas de funcionamento, mesmo que sejam destinados ao mesmo modelo de veículo.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

E quando se fala em trocar o par de amortecedores, é trocar por eixo: ambos os amortecedores dianteiros e ambos os amortecedores traseiros.

amortecedor
(aCERVO/Quatro Rodas)

“Se o consumidor optar por realizar a troca apenas do par afetado, deve-se levar em consideração a diferença da vida útil que existe entre os dois pares de amortecedores e lembrar-se de realizar as revisões com maior frequência para evitar situações de risco”, alerta o supervisor de treinamento da Monroe, Juliano Caretta.

Nesse caso, realizar as revisões dos amortecedores de acordo com o prazo estipulado no manual do veículo, mas considerando as diferenças de uso entre eles. Na dúvida, considere o período dos amortecedores mais antigos para as revisões.

Como saber se está na hora de trocar os amortecedores?

Amortecedores
Para evitar empurroterapia, consulte especialista de confiança (EDSON RUIZ/Quatro Rodas)

O desgaste dos componentes internos dos amortecedores– válvulas, haste, selo retentor e óleo hidráulico – se dá conforme o uso do carro (tipo de piso, carga etc.). E é justamente o modo de utilização do veículo que vai implicar diretamente na duração do amortecedor. Dessa forma, não existe uma data de validade definitiva para o componente.

O jeito de dirigir, por onde o automóvel trafega, entre outros fatores é que vão determinar quando o amortecedor deixará de desempenhar suas funções plenamente. Quanto mais cuidadoso ao dirigir, menor o desgaste do amortecedor e maior o aumento da durabilidade de todos os elementos da suspensão.

Continua após a publicidade
Suspensão dianteira
Amortecedores trabalham em conjunto com seus pares (Divulgação/Quatro Rodas)

 

O ideal é checar os amortecedores da suspensão a cada 10.000 km ou em intervalos de 5.000 km, quando o carro já tiver mais de cinco anos de uso. As peças dão sinais de desgaste, embora por vezes não sejam perceptíveis.

Continua após a publicidade

“Muitas vezes um dos amortecedores apresenta falhas e os outros três da suspensão compensam essa falha e o motorista não consegue perceber”, atenta Álvaro, da SAE Brasil.

Teste de amortecedores

Sinais de que amortecedores estão ruins

  • Carroceria com oscilação em excesso ao passar por lombadas, quebra-molas, valetas e buracos
  • Rodas que perdem o contato com o chão depois de o carro passar por irregularidades ou buracos
  • Carroceria que aderna além do normal em curvas ou mesmo em retas
  • Batidas secas de fim de curso em buracos “normais”
  • Perda de estabilidade em curvas
  • Desgaste irregular dos pneus
  • Aumento da distância de frenagem
  • Diminuição do vão livre do solo
  • Poeira grudada no braço da suspensão, o que pode sugerir vazamentos

Os especialistas alertam que é importante verificar, além dos amortecedores, possíveis folgas e desgastes em toda a suspensão em revisões regulares ou dentro dos prazos já citados. A substituição de itens como coxins, batentes e coifas pode até ser necessária. Contudo, vários componentes como buchas de suspensão e de subchassi e terminais de bandeja são importantes na revisão, mas normalmente são projetados para durar 60.000 km.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.