Por que o velocímetro vai muito além da velocidade possível?

No fundo, é só marketing para atiçar a imaginação do consumidor

Velocímetro da Fiat Toro

Por que um velocímetro vai até 240 km/h, caso da Fiat Toro, se o automóvel muitas vezes não passa de 190 km/h? – Juliano Souza, Juiz de Fora (MG).

A razão é simples: questão de marketing, principalmente. E isso ocorre com todos os fabricantes de automóveis. A diferença é que alguns exageram mais, outros menos.

Essas empresas adotam velocímetros cuja escala vai muito além da velocidade máxima efetiva – mesmo considerando o erro do velocímetro (que geralmente exibe uma velocidade maior que a real), influência do vento ou declives da pista – como uma forma de passar a impressão de um desempenho maior do que de fato o veículo tem.

No caso da Toro, a própria Fiat explica que não há um padrão estabelecido de escala do velocímetro para os seus carros, podendo variar de um modelo para outro.

O do Punto T-Jet, por exemplo, indicava otimistas 270 km/h, enquanto a máxima divulgada pela própria fábrica era de 203 km/h. Outro caso clássico foi o do Renault Clio 1.0, que durante certo tempo teve um velocímetro com escala até os 250 km/h.

Mas o mais emblemático talvez seja o do Effa M100, famoso por não ter completado nosso teste de Longa Duração por deficiências no produto e na rede de pós-venda. Apesar de a fábrica divulgar uma máxima de 120 km/h (no teste da QUATRO RODAS em 2008, ele atingiu apenas 117 km/h), seu velocímetro ia até 200 km/h.

Haja coração!

Painel de instrumentos do Effa M100

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Joerbio Dácio Matos da Silva

    Ah lembro do Chevette 1.4 frente alta mal chegava nos 120, e marcava 180 no painel, nem os Chevette mais novos com o motor 1.6 e cinco marchas não chegava a tanto. Já há casos diferentes de por exemplo a Kombi flex 1.4 que no seu painel marca 150 km/h e fácil, fácil vc consegue chegar nos 145 km/h.

  2. Michel Regis Carvalho

    Gol Special 99 atingia mais q o marcador, dava VDO direto.

  3. Fabiano Martins de Souza

    Meu gol special 2002 já colou o ponteiro no 160 😎

  4. Marcelo Nunes

    Já tive Chevette que marcava 180 e cheguei a 160. Clio que marca 220 e cheguei a 185. Agora o monstro, Opala marcava 180 e cheguei a 220 (4cc)… Ano 1971 e chegava fácil aos 180.

  5. Leandro DE Souza

    Porque o INMETRO não regulariza isso?
    Tem que ser bem próximo a realidade, assim não enganam os consumidores

  6. Roque Barbosa

    Existe uma diferença enorme entre velocidade do mostrador e velocidade real… no Brasil carros e motos tem uma margem de erro entre 5 e 8 km/h para + e para – só que as montadoras são tão maldosas que se vc colocar um importado ao lado do nacional andando a mesma velocidade no mostrador,iremos ver q o importado está mais a frente pq segue padrões que ñ são exigidos no Brasil. Dica: usem um GPS para aferir a velocidade real.