Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Correio Técnico: é verdade que motores a diesel não usam velas?

Aspecto único desse tipo de propulsor elimina a necessidade de alguns componentes

Por Rodrigo Ribeiro Atualizado em 1 jul 2021, 15h05 - Publicado em 20 dez 2019, 07h00
Nos motores a diesel não há vela de ignição, mas sim, incandescente
Nos motores a diesel não há vela de ignição, mas sim, incandescente Olivier Cleynen/Wikipedia

É verdade que motores a diesel não têm velas de ignição nem sistema de distribuição? Exedo Guedes, itu (SP)

Sim, porque esse combustível entra em combustão pela própria compressão exercida pelo cilindro.

Mas motores diesel possuem outro tipo de vela, chamada de incandescente.

Ela serve para aquecer a câmara (ou pré-câmara, nos veículos que usam esse recurso) de combustão e pode chegar aos 800 ºC para facilitar a partida e funcionamento do motor quando ele estiver frio.

Outro item de que motores a diesel não precisam é a borboleta de aceleração. Em vez de restringir a entrada de ar, esses propulsores controlam a velocidade de giro alterando o fluxo de combustível enviado para a câmara de combustão.

Sem controle

Se um motor a diesel moderno disparar, não tem muito o que fazer sem estragar o carro
Se um motor a diesel moderno disparar, não tem muito o que fazer sem estragar o carro Divulgação/Ram
Continua após a publicidade

Essa característica, aliás, faz com que motores a diesel com manutenção inadequada podem simplesmente acelerar sem controle.

Isso acontece quando há entrada de óleo na câmara de combustão, normalmente ocasionada por falha nos anéis de vedação na turbina ou pistões.

Ao entrar no cilindro, o lubrificante se mistura com o ar comprimido e entra em ignição por compressão, como o diesel. O problema é que, quando não há borboleta, o motor entra em um ciclo que ele se autoalimenta, o que faz o conjunto “disparar”.

Modelos modernos possuem mecanismos de proteção na admissão e injeção de combustível para impedir isso, mas caso um motor diesel dispare, pouco há a ser feito. Uma alternativa é bloquear a admissão com algum anteparo rígido, para impedir a entrada de ar.

Outro método, mais drástico, é encostar a dianteira do carro em uma parede firme, engatar uma marcha e soltar gradualmente o freio. Esse processo, no entanto, pode ocasionar danos severos no motor, transmissão e, claro, carroceria.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)