Clique e assine por apenas 8,90/mês

Correio técnico: como é feito o desmonte do Longa Duração?

Procedimento envolve uma série de etapas para manter a padronização entre todos os testes

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 10 Maio 2019, 19h59 - Publicado em 28 mar 2019, 14h24
Longa Duração - desmonte do Jeep Renegade
Após rodar os 60.000 km e posar para a foto da reportagem final do teste de Longa Duração, o carro volta a ser remontado Xico Bunny/Quatro Rodas

Depois do desmonte dos carros do teste de Longa Duração, o que é feito das peças? Flávio Augusto, Goiânia (GO)

O carro é remontado seguindo todos os parâmetros da fabricante e depois vendido.

“Trocamos todas as peças exigidas na revisão dos 60.000 km e também aquelas que devem ser substituídas por conta do desmonte, como juntas, algumas borrachas e até parafusos específicos que são de uso único”, observa Péricles Malheiros, editor de QUATRO RODAS responsável por todos os carros do Longa Duração.

As peças gastas e fluidos são descartados de forma adequada para atender a legislação ambiental. Todo esse processo ocorre no mesmo local onde os veículos são desmontados, na Fukuda Motorcenter, na zona norte de São Paulo.

Continua após a publicidade

Além dos componentes que devem ser trocados por conta do desgaste, alguns parafusos e outras peças de uso único também são substituídas antes do carro ser montado novamente.

E colocar tudo de volta no lugar é mais rápido do que parece: a remontagem demora, em média, três dias após o recebimento de todas as peças.

Paciência e pés descalços

Sim, colocamos as peças lado a lado, uma por uma, antes da foto Marco de Bari/Quatro Rodas

O registro mais icônico do Longa Duração, que é o dos carros desmontados, demora até oito horas para ser realizado.

O processo é feito em um estúdio de fotografia e envolve uma equipe de aproximadamente dez pessoas, entre fotógrafo, assistentes, colaboradores da QUATRO RODAS e da Fukuda Motorcenter.

Continua após a publicidade

As peças são catalogadas e dispostas de forma lógica – não faz sentido o motor dianteiro ficar próximo ao porta-malas, por exemplo.

Por conta do piso e paredes do estúdio, que são meticulosamente limpos, todas as peças são lavadas antes das imagens, e as pessoas que tiverem que transitar entre os componentes devem fazer isso descalças, para não sujar o chão.

A carroceria, maior peça do desmonte, é transportada de guincho e fica sobre carrinhos durante o transporte. Em um caminhão à parte vão os outros componentes.

Sem doação

O Effa M100 foi o único carro do Longa Duração a ser destruído após o desmonte Christian Castanho/Quatro Rodas

Após o fim do teste, o carro é vendido levando em conta seu preço de mercado. Ao contrário do que alguns leitores chegaram a perguntar à QUATRO RODAS, os automóveis não são “doados” ou destruídos.

Continua após a publicidade

A única exceção foi o Effa M100, único carro da história do Longa Duração que não chegou ao final dos 60.000 km. Inseguro e com uma péssima rede de concessionários, o veículo foi inutilizado e “baixado” do registro do Detran após o desmonte.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Publicidade