Grandes Comparativos: as peruas da década de 80

Hoje elas estão um pouco fora de moda, mas há 31 anos eram os automóveis ideais para as viagens da família

Um leque de opções da mais espaçosa à mais econômica

Um leque de opções da mais espaçosa à mais econômica (Milton Shirata)

Se hoje a ascensão da classe média permite que a família viaje de avião nas férias, 31 anos atrás era diferente. Os longos passeios eram feitos de automóvel e as peruas tinham o status de acomodar pai, mãe, crianças e toda a bagagem com conforto. Com o tempo, elas foram perdendo terreno para os utilitários esportivos, mas ainda sobrevivem bravamente no mercado brasileiro.

Em dezembro de 1985, portanto nas férias de fim de ano, QUATRO RODAS comparou versões de seis peruas à venda: VW Quantum CG e Parati GLS, Fiat Panorama, Ford Scala Ghia, Chevrolet Caravan Diplomata e Marajó SL.

De cara, a reportagem já fazia uma recomendação: para acertar na escolha, era importante levar em conta o tipo de uso mais frequente. Seria mais estrada ou cidade? Com ou sem carga? A luta pelo espaço era importante, mas vários outros fatores também deveriam ser avaliados.

Com seu possante motor de 4.100 cm³, a Caravan obteve o melhor desempenho entre as concorrentes. Chegou a 174,3 km/h e acelerou até 100 km/h em 12,2 segundos, marcas convincentes para uma perua de 1.224 kg.

Caravan Diplomata: com seis cilindros, conciliou conforto com o melhor desempenho

Caravan Diplomata: com seis cilindros, conciliou conforto com o melhor desempenho (Eduardo Maricondi)

Em seguida veio a Parati, que, com motor 1.6, bateu a Quantum 1.8. Marajó, Panorama e Scala completaram a lista. A velocidade máxima da station wagon da Ford foi superior à da Panorama, mas ela ganhou a nota mais baixa porque sua aceleração ficou quase 2 segundos mais lenta.

Motor antigo

No consumo, o motorzão da Caravan perdeu feio. A liderança foi dividida entre Panorama e Parati devido às boas médias alcançadas na estrada: respectivamente 13,45 e 13,41 km/l. Mas Marajó, Quantum e Scala não desapontaram.

Quantum CG: no estilo e conforto, a vitória da mais jovem

Quantum CG: no estilo e conforto, a vitória da mais jovem (Milton Shirata)

Apesar da maior potência, o motor 4.1 do modelo da General Motors não foi eleito o melhor. “É antigo e não oferece boa relação cilindrada/potência”, explicava o texto. A vitória coube à linha Volkswagen, tanto o 1.6 da Parati como o 1.8 da Quantum.

Os motores da Volks eram muito bem casados com o câmbio de cinco marchas, escalonados e de engates precisos. Nesse aspecto, Quantum e Parati de novo nadaram de braçada, até em situações de uso esportivo. Panorama e Scala vieram a seguir, com engates um pouco ásperos. O câmbio da Marajó foi considerado duro e o da Caravan só tinha quatro marchas – uma quinta reduziria bastante o consumo.

Marajó SL: em consumo e desempenho, uma opção intermediária

Marajó SL: em consumo e desempenho, uma opção intermediária (Hiroto Yoshioka)

O assunto mais importante quando se viaja com a família é a segurança. Por isso, a eficiência do sistema de freios está em primeiro lugar. Aqui, equilíbrio total na disputa. Todas as peruas mantiveram a trajetória – mesmo em freadas de emergência – e os espaços até chegarem à imobilidade foram considerados normais.

A situação também foi de equilíbrio no item direção. Embora mais pesadas, Caravan, Quantum e Scala se beneficiaram pela presença do sistema hidráulico (de série só na perua da GM). Nenhuma também disparou na frente em estabilidade, porque as seis transmitiram confiança. Quando estavam carregadas, as trajetórias em curva se alongaram e as respostas ficaram um pouco mais lentas, mas nada que comprometesse o resultado final. De todas, a Parati mostrou o conjunto mais homogêneo.

Parati GLS: primeiro lugar em estabilidade e posição de dirigir

Parati GLS: primeiro lugar em estabilidade e posição de dirigir (Milton Shirata)

O desenho mais jovem da Quantum prevaleceu na análise de estilo. De fato, ela tinha um design equilibrado e, segundo a reportagem, “realçado pela presença das quatro portas. Poderia ser melhorado com um pequeno rebaixamento de todo o carro”. Na Parati, o principal pecado estava na traseira, um pouco desconectada da dianteira. A Quantum foi a mais confortável, graças aos bancos espaçosos e envolventes.

Painel completo

A posição de dirigir era melhor na Parati, que tinha banco regulável em altura. Marajó, Panorama e Scala obtiveram as menores notas porque os bancos não seguravam o corpo com firmeza nas curvas. Além disso, o volante do modelo da Fiat ficava numa posição mais horizontal.

Panorama CL: única com motor 1.3 foi a mais econômica, mas só na estrada

Panorama CL: única com motor 1.3 foi a mais econômica, mas só na estrada (Milton Shirata)

Se a Scala não oferecia a melhor posição de dirigir, em instrumentos era imbatível. Tinha um painel completo e de fácil leitura, oferecendo as informações necessárias para o motorista manter o controle do carro. As demais apresentaram equilíbrio, pesando a favor da Caravan e da Quantum um conta-giros de bom diâmetro.

E qual tinha o melhor porta-malas para as viagens de férias? Caravan, Quantum e Scala, as peruas mais caras, saíam de fábrica com bagageiro sobre o teto e com uma tampa divisória no compartimento para proteger a bagagem. Com ela, o espaço era o mesmo dos carros dos quais elas derivavam.

Scala Ghia: além do melhor painel, ótimo espaço no porta-malas

Scala Ghia: além do melhor painel, ótimo espaço no porta-malas (Milton Shirata)

Sem a tampa, porém, a situação era outra. Nessa condição, a vitória era da Quantum, que podia levar 796 litros, contra os 774 da Caravan e os 768 da Scala. Quem viajava com a Marajó deveria deixar algumas malas em casa, porque ela acomodava apenas 469 litros.

Quantum CD x Caravan Diplomata x Scala Ghia x Parati GLS x Panorama CL

Nós dissemos – dezembro de 1985

“Não causou surpresa a Caravan Diplomata ter sido a mais silenciosa, embora seguida muito de perto pela Quantum CG. Também por se tratar da versão mais luxuosa, a Parati GLS ficou num bom terceiro lugar. Pela mesma razão, no entanto, a Scala Ghia decepcionou. Seu nível de ruído foi semelhante ao das Belina anteriormente testadas. A Panorama foi comprometida pelo ruído de seu câmbio quando em ponto morto.”

Abertura da matéria publicada em dezembro de 1985

Abertura da matéria publicada em dezembro de 1985 (Milton Shirata)

Teste QUATRO RODAS – dezembro de 1985

Parati GLS Quantum CG Panorama CL Scala Ghia Caravan Diplomata Marajó SL
Aceleração de 0 a 100 km/h 13,1 s 14,2 18,5 20,5 12,2 15,8
Velocidade máxima 162 km/h 160 km/h 139,2 km/h 141 km/h 174,3 km/h 149,3 km/h
Frenagem de 80 km/h a 0 34,2 m 31,7 m 33 m 31,8 m 33,4 m 32,9 m
Consumo médio 10,45 km/l 9,64 km/l 10,36 km/l 9,35 km/l 5,01 km/l 10,09 km/l
Preço (dezembro de 1985) Cr$ 65.287.000 Cr$ 91.302.000 Cr$ 45.521.000 Cr$ 90.282.000 Cr$ 115.333.000 Cr$ 44.060.000
Preço (atualizado IGP-DI / FGV) R$ 97.445 R$ 136.274 R$ 67.943 R$ 134.752 R$ 172.142 R$ 65.762

 

Ficha Técnica

Parati GLS Quantum CG Panorama CL Scala Ghia Caravan Diplomata Marajó SL
Motor dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.596 cm³, 79,5 x 80 mm, carburador, 85 cv a 5.600 rpm, 12,6 mkgf a 3.000 rpm dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.781 cm³, 81 x 86,4 mm, carburador, 94 cv a 5.000 rpm, 15,2 mkgf a 3.400 rpm dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.297 cm³, 76 x 71,5 mm, carburador, 58,7 cv a 5.200 rpm, 10 mkgf a 2.600 rpm dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.555 cm³, 76,9 x 83,5 mm, carburador, 71,7 cv a 5.000 rpm, 11,9 mkgf a 2.400 rpm dianteiro, longitudinal, 6 cilindros em linha, 4.093 cm³, 98,4 x 89,7 mm, carburador, 134 cv a 4.000 rpm, 30,1 mkgf a 2.000 rpm dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.599 cm³, 82 x 75,7 mm, carburador, 72 cv a 5.600 rpm, 12,3 mkgf a 3.200 rpm
Câmbio manual de 5 marchas, tração dianteira manual de 5 marchas, tração dianteira manual de 5 marchas, tração dianteira manual de 5 marchas, tração dianteira manual de 4 marchas, tração traseira manual de 5 marchas, tração traseira
Dimensões comprimento, 409 cm; largura, 162 cm; altura, 138 cm e entre-eixos, 236 cm; peso, 940 kg comprimento, 457 cm; largura, 169 cm; altura, 145 cm; entre-eixos, 255 cm; peso, 1.130 kg comprimento, 392 cm; largura, 154 cm; altura, 141 cm; entre-eixos, 222 cm; peso, 849 kg comprimento, 452 cm; largura, 168 cm; altura, 134 cm; entre-eixos, 243 cm; peso, 1.078 kg comprimento, 481 cm; largura, 176 cm; altura, 147 cm; entre-eixos, 266 cm; peso, 1.224 kg comprimento, 419 cm; largura, 157 cm; altura, 138 cm; entre-eixos, 239 cm; peso, 936 kg
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Henrique Luís

    A parati era sonho de consumo de todo jovem. Dirigir a panorama 1.6, tinha u, ótimo desempenho.

  2. Franco Vieira

    As fotos reais (como dessa época) dão um show em cima dessas que tem se usado hoje em dia, cheias de efeito.

  3. EDUARDO MARTINS DOS REIS

    Sou assinante da QR desde 91. Disse tudo Franco Vieira! Fora isso, para quem tivesse bola de cristal, a Quantum e a Caravan seriam os carros para ficar a vida inteira.