Grandes Brasileiros: VW Fusca 1500

Com mais torque, estabilidade e algum requinte, o Fuscão ganhou público, música e até filme

Fusca-1500-modelo-1973-da-Volkswagen--2

Desde 1962, o Fusca liderava o mercado, com seu modesto motor 1200 refrigerado a ar. De 1967 em diante, ele já era mais potente, usando o motor 1300. Ao mesmo tempo, com as opções mais fortes rodando em Kombi, Karmann Ghia e “Zé do Caixão”, era natural que o Fusca ganhasse mais fôlego.

Enfim o Sedan 1500 foi lançado, em agosto de 1970. Basicamente, era uma junção de peças da prateleira da própria VW. O motor vinha da Kombi. As rodas de quatro furos e calotas achatadas eram as do “Zé”, TL e Variant, assim como a medida da bitola, mais larga. Para frear, disco na frente era opcional. Além da bitola, colaborava para diminuir a tendência a sair de traseira a barra compensadora.

LEIA MAIS:

>> Grandes Brasileiros: VW Kombi luxo

>> Grandes Brasileiros: VW Voyage Sport

>> Grandes Brasileiros: Ford Del Rey

Em seu primeiro teste pela QUATRO RODAS, publicado na edição 123, de outubro de 1970, era alvo de elogios seu comportamento mais neutro. Porém, em parte devido à suspensão dianteira mais alta e reforçada, a tendência passava a ser de sair de frente, dificultando o contorno de curvas mais rápidas. 

Volkswagen Fusca 1500

O maior torque também fazia uma sonora diferença. Para a cidade, mostrava-se mais animado que o 1300, ainda que, na realidade, o desempenho geral não fosse assim tão além.

Esteticamente, também se aproximava do equivalente alemão, que aposentava o motor 1500 naquele mesmo ano. Era a vez do pára-choque de lâmina única e novas lanternas, logo chamadas de “canoa”. Internamente, contava com bancos semelhantes aos da Variant, mais anatômicos e de menor espessura.

Fusca-1500-modelo-1973-da-Volkswagen

Ainda que tivesse batismo oficial, o que pegou foi o apelido: Fuscão, assim chamado já pelo pessoal do chão de fábrica e nome que a publicidade adotaria mais tarde. Mais bem-acabado e potente, a diferença de preço era mínima: 13.186 cruzeiros, ante os 12.671 cruzeiros do 1300, em 1970.

Isso valeu o boato de que o fim do Fusca menos dotado estaria próximo. Fazia sentido. Respaldados pelo melhor custo-benefício, 4.444 carros foram produzidos já no mês de estréia. Em 1971, foram vendidos 3,7 VW 1500 para cada 1300.

Para mantê-lo competitivo, a linha 1973 estreava novo desenho de pára-lama dianteiro, mais tampa traseira com 28 aberturas – 18 a mais. Também surgia uma versão básica, com a mesma estética do 1300, mas que vendeu pouco. As mudanças não evitaram que o Fuscão sentisse os efeitos de uma concorrência mais moderna, que estreava Chevette e Dodge 1800, além de, dentro da própria casa, haver a Brasilia.

Painel-do-Fusca-1500-modelo-1973-da-Volkswagen---4

Ainda assim, em 1974, com leves alterações, seguia à frente dos rivais mais avançados, mas perdia em vendas para o 1300. A crise do petróleo não explica esse declínio, pois a Brasilia manteve vendas estáveis, apesar do preço maior que o do 1600S (Superfuscão) lançado naquele ano.

Como reflexo disso, em 1975 o Fuscão entrava em seu último ano de vida. Um 1600 básico foi lançado como opção ao 1500. Consumo e desempenho melhoravam com o motor de dois carburadores. Com freios a disco de série e rodas aro 14 de seis furos, ele substituiu o Fuscão e o 1600S.

Rádio-no-painel-do-Fusca-1500-modelo-1973-da-Volkswagen

Mesmo fora de linha e sem qualquer status de colecionável, o VW 1500 faria história pela voz de Almir Rogério. Em 1981, a música Fuscão Preto era uma das responsáveis por mais de 1,5 milhão de discos vendidos. A rara cor de Fuscão também renderia um filme no ano seguinte e, em 1994, a canção, já cult, seria traduzida para o inglês macarrônico de Falcão e renomeada Black People Car.

Porta-malas-do-Fusca-1500-modelo-1973-da-Volkswagen

Depois de 419.433 unidades produzidas, o Fuscão volta a ser valorizado e os raros carros em perfeito estado passam a ter vaga garantida em exposições. É o caso do modelo 1973 verde hippie mostrado acima, há seis meses em posse do taxista aposentado Francisco Pereira da Silva e que tem hoje apenas 50.000 quilômetros originais.

Teste QUATRO RODAS – janeiro de 1973
0 A 100 km/h 26,1 s
Velocidade máxima 128,57 km/h
Frenagem 80 km/h a 0 29,1 m
Consumo 7,1 (cidade) 9,8 km/l (estrada)
Preço (dezembro de 1972) CR$ 16.927
Preço (atualizado R$ 62.708
Ficha técnica
Motor tras., 4 cilindros contrapostos, 1.493 cm3, refrigerado a ar, carburador de corpo único  Solex H 30 PIC, 83 x 69 mm, 6,8:1, 52 cv a 4.600 rpm, 10,3 mkgf a 2.600 rpm
Câmbio manual, 4 marchas, tração traseira
Suspensão independente com barras de torção transversais em feixe(diant.) / independente, semi-eixos oscilantes, barras de torção(tras.)
Freios tambor nas 4 rodas
Direção setor e rosca sem-fim
Rodas e pneus aço estampado, aro de 15 polegadas e tala de 4,5, pneus 5,6×15
Dimensões comprimento, 402 cm; altura, 150 cm; largura, 154 cm; entre-eixos, 240 cm; peso, 820 kg; altura livre do solo, 15,2 cm

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Victor Viana

    Me diverti muito no meu, 73…que alias esta disponível para venda.

  2. Fuscaso vc é feito de aço