Dez imitações brasileiras de modelos importados

Em tempos de proibição dos importados, a solução era criar sua própria versão de modelos famosos

HOFSTETTER

Hofstetter

Criado por Mário Hofstetter, o fora de série nacional surpreendeu pelo visual futurista em 1984: frente em cunha, linhas retas e porta que abre para cima. O Lamborghini Countach (1971) já tinha feito isso e, antes, o Bertone Carabo (1968). Só 18 foram produzidos: custava três vezes um Gol GT.

VERONA SR

Verona SR

Rodas raiadas, faróis redondos e para-choque com grade bipartida tentavam deixar o Ford Verona com o jeitão de BMW M3. Além da estética, a autorizada Souza Ramos mexia no motor 1.8, para ganhar 12 cv (105 cv).

MONZA 190 E

Monza 190 E

A paulista Agromotor realizava o sonho do dono de Monza que não podia ter o Mercedes 190 E. Por 10% do valor do sedã alemão, a adaptação incluía mudança em grade, faróis, para-lamas e até coluna lateral traseira.

MP LAFER

MP Lafer

Mais que inspiração, o MP era uma cópia fiel do MG. Ao contrário do britânico, o MP tinha pneu sobressalente na frente (sob o capô) e motor de Fusca atrás – mas o design original do porta-estepe na traseira foi mantido.

FIAT DARDO

Fiat Dardo

Clone do italiano Fiat X 1/9, o Dardo F-1.3 tinha chassi tubular de aço e motor do nosso Fiat do 147 Rallye, só que montado no centro do veículo – o que fez dele o primeiro nacional a adotar esse tipo de configuração.

FNM ONÇA

FNM ONÇA

O projetista Rino Malzoni foi buscar no clássico Ford Mustang a ideia para o seu FNM Onça, feito sobre o JK 2000. Apesar do enorme sucesso no Salão do Automóvel de 1966, só cinco unidades foram montadas.

PAG DACON 928

Pag Dacon 928

Importadora Porsche dos anos 60 e 70, a Dacon fez uma réplica em menor escala do 928. Só que, em vez do motor V8 do esportivo alemão, vinha com um motor 1.8 do VW Gol GT, aumentado para 2.1 e 99 cv.

AURORA 122C

Aurora 122C

Era a versão tupiniquim da Ferrari F40. Com monobloco próprio e carroceria de fibra, ganhava motor central GM 2.2 turbinado que gerava 214 cv. Tudo por Cr$ 125 milhões, mais do que o dobro de um Gol GTI zero.

CINTRA 959

Cintra 959

Em 1988, André Cintra recorreu ao Fusca para recriar um Porsche 959. A estrutura original recebia peças de fibra de vidro, mas as lanternas eram genuínas Porsche. Foram feitos apenas três carros, todos 1.8 turbo.

PASSAT “QUATTRO” SULAM

Passat Quattro

Nos anos 80, a Sulam transformava seu singelo Passat num Audi. Lá, eles substituíam as colunas, painel traseiro, para-lamas e para-choques, tudo de fibra. A conversão custava o equivalente ao preço de um Gol LS.

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Leandro Maciel

    Este Moncedez foi meu por mais de 10 anos, na foto sou eu e minha esposa do lado… Deu um trabalhão pra reformar na época, mas acabei ficando sem grana um tempo depois e tive que vender. Pra ser sincero me arrependo de ter vendido, pois adorava este carro.
    E pra quem critica, era tudo legalizado é bem feito, funcionamento perfeito porém com menor potência mas conforto de sobra. Pra mim, o Monza foi um dos melhores carros feitos no Brasil.

  2. Cléverson Dias

    Que matéria porca. Com exceção do monza, os outros carros não tem informação de quais carros eram, quais as modificações.
    por favor, antes de começar uma matéria, pesquise e elabora um texto rico em detalhes.

  3. Poxa QR!!! Colocar o adjetivo “imitação” dá um toque pejorativo a algumas transformações bem legais que tínhamos na época. Manera aí… 😉