Guia de Usados: Volkswagen Golf (geração 4,5)

Bom de volante, o carro da geração 4 ½ conseguiu segurar as pontas com honras por seis longos anos

Geração 4 1/2 ganhou faróis, grade e para-choques modificados

Geração 4 1/2 ganhou faróis, lanternas, grade e para-choques modificados (Marco de Bari)

O brasileiro sempre esperou um tempão para curtir o VW Golf: lançado em 1974, ele demorou 20 anos para chegar ao país. A produção nacional começou só em 1999 e ficou oito anos sem alterações significativas, fazendo com que o hatch perdesse vendas com o tempo.

Retocado, o modelo 2008 ganhou uma sobrevida, a chamada geração 4 ½, que manteve a alta rigidez torcional, a suspensão acertada, o câmbio de engates suaves, a direção precisa e o acabamento acima da média. O Golf envelheceu como um bom vinho, pecando só no estilo datado e no pouco espaço atrás.

Dirigibilidade permaneceu como referência, mesmo sem atualizações

Dirigibilidade permaneceu como referência, mesmo sem atualizações (Marco de Bari)

Todos trazem ar-condicionado, computador de bordo, sensor de ré, retrovisor direito com rebatimento automático e rastreador via satélite, alternativa para reduzir o exorbitante valor do seguro. Quem não abre mão de ABS e airbags deve prestar atenção, pois viraram item de série só na linha 2012.

Interior simples, mas funcional e com bom acabamento

Interior simples, mas funcional e com bom acabamento (Marco de Bari)

A versão mais popular é a Sportline 1.6 flex (101/103 cv), com roda aro 16 e pneu 205/55, faróis de neblina, bancos de couro e aerofólio. Além de ABS e airbag, os opcionais mais desejados são teto solar, retrovisor interno fotocrômico, sensor de chuva e ar-condicionado digital. Está longe de ser um foguete – com álcool, fez 13,3 segundos no 0 a 100 km/h – , mas é suficiente para a maioria dos motoristas.

Piloto automático vinha a partir da versão Comfortline, oferecida com o confiável motor 2.0 de 116 cv. Cheio de torque, podia ter o câmbio automático de quatro marchas, logo substituí­do pelo sequencial Tiptronic de seis, principal responsável por seu bom desempenho.

Lendário, o GTI (1.8 turbo de 193 cv) durou só dois anos (2008-09). Manual ou Tiptronic, tinha acelerações rápidas (de 0 a 100 km/h em 8,0 segundos) e itens como rodas de aro 17 e pneus 225/45, controles de tração e estabilidade e airbags laterais.

Versão GTI durou apenas dois anos, entre 2008 e 2009

Versão GTI durou apenas dois anos, entre 2008 e 2009 (Marco de Bari)

Com seu fim, a esportividade ficou restrita ao GT 2.0 (116/120 cv), bem mais pacato e com pouca diferença de preço para o Comfortline com o mesmo motor (veja tabela de preços mais abaixo).

Na linha 2009, o motor 1.6 virou VHT, mantendo a potência, mas com sensível ganho de torque. Mas o Golf 4 ½ não foi capaz de conter o avanço do rival Hyundai i30, mesmo apelando para várias séries especiais – em 2011 o coreano já vendia duas vezes mais.

O modelo só voltaria a ter força no mercado brasileiro no final de 2013, com o lançamento da 7ª geração – praticamente três à frente do que era vendido por aqui até então. Mas sua conhecida liquidez e baixa depreciação ainda o tornam uma opção agradável entre os cada vez mais raros fãs de hatches médios.

Fuja da roubada

Nos Tiptronic, veja se o câmbio opera normalmente. Nele há um circuito impresso sensível a líquidos (chuva através do teto solar ou bebidas derramadas), cujo reparo não sai por menos de 2.000 reais.

Bancos de couro poderiam ter revestimento em dois tons

Bancos de couro poderiam ter revestimento em dois tons (Marco de Bari)

Espaço atrás não é dos maiores, mas está na média do segmento

Espaço atrás não é dos maiores, mas está na média do segmento (Marco de Bari)

A voz do dono

“Estabilidade impecável e dirigibilidade digna de automóveis que custam três vezes mais. A qualidade de construção é perceptível tanto no acabamento quanto no isolamento de vibrações do motor e da suspensão. Mesmo após anos de uso, o interior continua silencioso, sem grilos. Só falta fôlego: o motor 1.6 é apenas suficiente e não empolga.” – Leandro Miki, 31 anos, investigador de polícia, Bertioga (SP).

O que eu adoro:

“Um belo acabamento: couro, alumínio e plásticos de ótima qualidade. A posição do motorista e a leveza de comandos permitem dirigir por horas a fio sem cansar.” – Gustavo Pulita, 33 anos, gerente financeiro, Curitiba (PR).

O que eu odeio:

“A estabilidade cobra seu preço, pois a frente baixa raspa com facilidade. Falta espaço no banco traseiro, o seguro é astronômico e o estilo cansou há muito tempo.” – Julian Peglow, 22 anos, consultor de vendas, Pelotas (RS).

 

Onde o bicho pega

Motor 1.8 turbo do GTI rendia 193 cavalos com etanol

Motor 1.8 turbo do GTI rendia 193 cavalos com etanol (Marco de Bari)

Turbo – Nos GTI, verifique se há presença de fumaça branca na marcha lenta ou nos intervalos entre as trocas de marcha. O problema pode indicar desgaste excessivo dos mancais, por falhas de lubrificação. O kit de reparo custa em torno de 400 reais, mas em alguns casos é preciso substituir a turbina, o que não sai por menos de 4.000 reais.

Suspensão dianteira – Boa parte do prazer de dirigir um Golf se perde quando pivôs, batentes e buchas de bandeja estão danificados ou com folgas, situação identificável pelos ruídos apresentados em condução normal. Uma revisão da suspensão mais o alinhamento custam em torno de 1.000 reais.

Climatizador – Fique atento ao nível da água do radiador: em alguns casos o vazamento ocorre dentro do carro, através do radiador que fornece ar quente para o climatizador do ar-condicionado. O conserto exige a remoção do painel e custa no mínimo 2.000 reais.

Teto solar elétrico – Verifique a vedação das borrachas: forro de teto em mau estado e cheiro de mofo são indícios de umidade no seu interior. Ele devem funcionar sem ruídos ou estalos, pois um motor elétrico novo custa em torno de 500 reais, sem a mão de obra.

 

Nós dissemos – Outubro de 2007

“No interior, os tradicionais bom acabamento, qualidade de construção e espaço interno menos generoso. Com 2,51 metros de entre-eixos – 10 cm a menos que um Focus -, os joelhos de quem vai atrás não têm muita folga. Mas para quem vai na frente, atrás do volante, sobra prazer. Ao lado do Focus, o Golf divide o título de campeão em dirigibilidade. E não me refiro apenas ao segmento dos hatches médios. Mas isso está longe de ser uma novidade, assim como o alto valor do seu seguro, cerca de 30% maior que o dos rivais.”

 

Preço médio dos usados (FIPE)

2008 2009 2010 2011 2012 2013
Golf Sportline 1.6 MT R$ 28.654 R$ 30.654 R$ 33.158 R$ 34.899 R$ 39.642 R$ 42.857
Golf Comfortline 2.0 AT R$ 30.523 R$ 31.745 R$ 34.070 R$ 37.121 R$ 39.784 R$ 45.228
Golf GT 2.0 AT R$ 32.031 R$ 36.211 R$ 37.941 R$ 41.588 R$ 48.397
Golf GTI 1.8 Turbo MT R$ 36.229 R$ 41.950
Golf GTI 1.8 Turbo AT R$ 38.660 R$ 47.524
Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Leonardo do Vale

    O tanto de gente que odeia esse carro não tá no gibi

  2. André Pedro

    Eu até vi alguns quando fui trocar de carro, mas é visível a evolução dá concorrência, que custa o mesmo preço, perante ele.

  3. Quem tem golf adora o carro, isso é fato. Muita gente critica ele, essa geração então um verdadeiro highlander.rs trocentas gerações defasadas. Pega aquela sapao mesmo, anda de boa na estrada faz 14km/l mesmo o 2.0… carro gostoso de dirigir, só é velho…
    Mas fala que tem um usado em boas condições para vender me arrisco a dizer que é como dizer que tem um Corolla, um civic da vida que tem até mais fama que merece.

  4. Jorge Francisco

    Foi o pior carro que tive, é ruim em tudo, e desajustado, anormal e o motor do 1.6 e muito fraco para o peso do carro isso faz com que ele seja inseguro, com alto consumo.

  5. Jorge Francisco

    Golf nunca mais nenhum deles. Acho que Volkswagem para mim acabou.

  6. Fernando Sobolwsky

    Feioso, muito ultrapassado no visual e 1.6 manco demais.

  7. Fernando Sobolwsky

    Focus 2.5 g, parece carro futurista diante deste.

  8. Daniel Louzada da Fonseca

    Depois que tive esse Golf 4.5 que tive noção do que é prazer em dirigir…Já tive Civic, Corolla. Focus, mas, igual o Golf eu nunca vi…Hoje tenho um Jetta 1.4 turbo, mas, o Golf deixou saudades…