Guia de Usados: Ford Focus (2ª geração)

Elogiado pela dirigibilidade, ele está disponível nas carrocerias hatch e sedã

Ford Focus

A segunda geração do Focus chegou ao Brasil em setembro de 2008, oito anos após a estreia da primeira. Além do visual alinhado com a Europa, o modelo foi apresentado nas configurações hatch e sedã em uma estratégia parecida com a que Chevrolet e Fiat fazem atualmente: o antigo Focus permaneceu em linha, com cara antiga e motor menor, como opção mais barata.

Na estreia, o modelo (apelidado de geração 2,5) oferecia duas versões de acabamento (GLX e Ghia), duas carrocerias (hatch e sedã), duas transmissões (automática de quatro marchas ou manual de cinco), mas apenas uma motorização.

O 2.0 16V com 145 cv a 6.000 rpm e 18,9 mkgf a 4.500 rpm era abastecido apenas a gasolina — a tecnologia bicombustível só chegou em janeiro de 2010 e no 1.6 (109/115 cv), que passou a equipar a nova geração. O 2.0 flex chegou dois meses depois, com 143/148 cv com gasolina/etanol.

Ford Focus

Nos testes de QUATRO RODAS, com motor 2.0 a gasolina e câmbio manual, o hatch levou 9,8 segundos para ir de 0 a 100 km/h, enquanto o sedã automático cumpriu a tarefa em 11,3 (edição 582, set/2008). Curiosamente, o sedã 2.0 flex automático levou o mesmo tempo (edição 602, jan/2010). O 1.6 flex (abastecido com gasolina) foi aos 100 km/h em 12,9 segundos e teve as ruins médias de consumo com 6,8/9,2 km/l em ciclo urbano/rodoviário (edição 600, jan/2010).

Ford Focus

Entre os equipamentos de série, o GLX oferecia ar-condicionado, airbag duplo, freios ABS, sistema de som com CD player, USB e seis alto-falantes e computador de bordo. O Ghia esticava a lista com bluetooth do rádio, ar-digital, piloto automático, volante multifuncional, partida do motor por botão, comandos por voz, bancos de couro, teto solar, faróis de neblina e sensores de estacionamento na traseira. As rodas tinha desenhos diferentes, mas 16 polegadas nos dois.

O Focus sedã tinha como trunfo, em relação às antigas gerações, o espaço. Com 4,48 m de comprimento e 2,64 m de entre-eixos, o modelo dispunha de bom espaço para os ocupantes e 526 litros de porta-malas. Em contrapartida, o hatch viu seu porta-malas passar de 350 para 330 litros.

O conforto e a maior segurança em curvas eram reforçados pelo uso da sofisticada suspensão traseira multilink, presente ainda no Focus atual. Ideal para quem valoriza a dirigibilidade, ele porém demanda certos cuidados com a manutenção e procedência – veja mais abaixo.

Ford Focus

O visual do modelo, mesmo com a nova filosofia Kinetic de design, herdou os traços da primeira geração. No caso do hatch, a traseira é marcada pelas lanternas verticais instaladas junto ao vidro, dando aspecto futurista ao Focus. No caso do sedã, a traseira conservadora também seguia o estilo do antecessor. Um detalhe curioso (mas pouco prático) é a forma de abertura do capô, no logo da grade. O modelo foi substituído pela terceira geração em 2013.

Preço médio dos usados (FIPE)
Modelo/Ano 2008 2009 2010 2011 2012
Focus Ghia 2.0 (hatch) R$ 23.371 R$ 30.276 R$ 31.994 R$ 34.148
Focus Titanium 2.0 Mec. (hatch) R$ 37.438 R$ 38.699 R$ 40.023
Focus Titanium 2.0 Aut. (hatch) R$ 38.878 R$ 40.104 R$ 41.394
Focus Ghia 2.0 Mec. (sedã) R$ 23.718 R$ 31.159 R$ 32.978 R$ 35.806
Focus Ghia 2.0 Aut. (sedã) R$ 24.194 R$ 31.583 R$ 34.392 R$ 35.901

Obs: a lista confusa e incompleta disponibilizada no site oficial da Fipe fez com que as versões de entrada (GLX) do Focus ficassem de fora da tabela acima. Também podem existir diferenças dos valores praticados entre as versões, uma vez que o site estabelece padrões iguais para motores a gasolina e flex. 

 

A VOZ DO DONO

“O melhor carro que tive até hoje. Extremamente confortável e prazeroso de dirigir — sua direção é super leve. O motor 2.0, com seus 143 cv, anda muito e consome pouco. Possui ótimo acabamento e um design muito bonito, além de ter mimos que são bastante úteis para facilitar o cotidiano do motorista, como faróis reguláveis, controles por voz e comandos satélite para música.” – Jederson Gonçalves Soares, 21 anos, Personal Trainer, São João Batista (SC)

“O carro é muito bonito, tem ótima dirigibilidade, além de bom nível de acabamento e equipamentos. Porém, me deu trabalho e gastos quando apresentou problema no câmbio automático. Foram alguns meses entre a identificação do problema e a resolução do mesmo.” – Alan Alves, 31 anos, São Paulo (SP)

Ford Focus

 

ONDE O BICHO PEGA

Câmbio automático – São muitos os relatos de problemas no câmbio automático de quatro marchas (4F27-E). O manual dos veículos aponta que o óleo da caixa de transmissão é para “toda a vida”, mas inclui a troca do fluido na revisão dos 120.000 km. Mesmo assim, muitos proprietários têm sérios problemas mecânicos muito antes de tal quilometragem. Além disso, mecânicos relatam dificuldades para a troca do óleo.

Eletrônica – O Focus de segunda geração sofre com uma eletrônica falha e sensível. Um exemplo de problema gerado é o desligamento súbito do veículo, que não deixa rastros e não é identificado no scanner. A falha pode ter origem nos terminais dos conectores, que apresentam folgas. Outras questões de eletrônica envolvem os picos de consumo quando a bateria do veículo já não está em sua plena forma. Os módulos podem enviar mensagens indicando avarias no motor ou na transmissão.

Perda de potência – Uma avaria na válvula que controla a amissão do ar pode apresentar falhas e se fechar em acelerações, ocasionando perda de potência do veículo. É um problema de difícil diagnóstico.

Coxim superior do motor – Por ser hidráulico, o coxim do lado do carona pode ter a borracha desgastada de forma precoce, levando a vazamentos de fluidos.

Ford Focus

 

NÓS DISSEMOS

Setembro de 2008: “O Focus é completo e tem preços competitivos. O consumidor pode escolher a carroceria, a transmissão e o acabamento. A escolha da carroceria e do câmbio é questão de preferência (embora o automático custe R$ 4.500). Mas o pacote de equipamentos influi muito na relação custo-benefício do carro.” (…) “O Focus tem fama de ter sido injustiçado pela fábrica, que teria privilegiado outros modelos em sua estratégia de marketing em detrimento dele. Logo o Focus, que sempre foi elogiado por sua diribilidade e que ao longo dos anos angariou um clube de fãs dedicados”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Fábio Radicchi Belotto

    A versão glx não tem usb não, só está auxiliar.

    Tenho um 10/11 desde zero e nunca tive qualquer problema. A questão do câmbio, o ruim é que são só 4 marchas.

  2. José Roberto Miranda

    Carro perfeito tenho um 2012 já com 100 km nenhum problema.

  3. Ricardo Ferreira

    Ahhh…o Focus. Já tive dois, um da 1a e outro da 2a geração. Ambos excelentes em sua época. Nenhum dos dois (2,5 anos com cada) me deu qualquer trabalho, manutenção apenas itens de desgaste natural, mas o melhor mesmo é a dirigibilidade, sendo o Focus II o melhor carro que já tive neste quesito, e olha que seus sucessores não são fracos não. Compra recomendada, desde que seja com câmbio manual e carroceria hatch.

  4. Fernando Sobolwsky

    O meu é hatch 1.6 GLX 2011, carro prazeroso e que nunca me deu qualquer problema em 5 anos.