Clique e assine por apenas 8,90/mês

Tomada de opiniões

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 26 dez 2016, 16h47 - Publicado em 13 jul 2015, 11h00

Por Péricles Malheiros

6.628 km

Ele não é luxuoso, seu design não é de tirar o fôlego. Nem sequer está à venda no Brasil. Ainda assim, o Leaf é o carro que mais desperta a curiosidade de nossos colegas de Editora Abril: todo dia alguém pede para dar uma voltinha. Daí surgiu a ideia de dar a oportunidade de dirigir o nosso elétrico para pessoas “normais”, longe das opiniões e costumes dos jornalistas automotivos. Em troca, eles deveriam compartilhar com a gente suas impressões. Todos fizeram uma única crítica, mas unânime: baixa autonomia, principalmente com o modo Eco desativado. Por outro lado, sobraram elogios ao desempenho, ao conforto e, o grande destaque, à gameficação da condução, por meio da qual o piloto é premiado com arvorezinhas que vão se formando no painel na medida em que ele consegue dirigir economicamente.

 

Nome: Alexandre Versignassi
Função: Redator-chefe da SUPERINTERESSANTE
“O torque instantâneo é incrível. Com 28,6 mkgf, o Leaf acelera como um esportivo. Ladeira acima, então, é uma covardia. Acredito no carro elétrico. Mas, assim como no celular, a baixa autonomia e a vida útil curta das baterias são pontos a se resolver.”

Continua após a publicidade

 

Nome: Sérgio Xavier
Função: Diretor de Redação da PLAYBOY
“O desempenho no modo normal é forte, mas o que mais empolga é gameficação. Apesar de lúdico, o sistema de premiação com arvorezinhas faz o piloto levar o jogo a sério. Eu tive que me forçar a utilizar o Leaf no modo normal.”

 

Nome: Raquel Ienaga
Função: Gerente de Publicidade
“Gostei de ser recebida com uma musiquinha de videogame cada vez que ligava o carro. A maciez da suspensão e da direção me conquistou, mas, como viajo muito, a autonomia reduzida não me permitiria ter um Leaf.”

 

Continua após a publicidade
Publicidade