Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Mercedes C 63 AMG Black Series: o cupê V8 de mais de 500 cv

O modelo é limitado a 800 unidade e apenas 12 vieram para o Brasil. O superesportivo faz de 0 a 100 km/h em apenas 4,5 segundos e pode chegar a 300 km/h

Por Ulisses Cavalcante Atualizado em 28 dez 2020, 19h43 - Publicado em 31 ago 2012, 16h14
C 63 AMG Coupé Black Series modelo 2012
Para-choque mais largo abriga uma asa de fibra de carbono e entradas de ar nas laterais inferiores para ajudar na refregeração dos freios Marco de Bari/Quatro Rodas

 

O carro branco acima tem sangue azul e coração guerreiro. O Mercedes-Benz C 63 AMG Coupé Black Series traz um V8 6.2 de 517 cv, deferência que o coloca no topo da cadeia alimentar de quatro rodas.

Ele pertence a um clã de 800 membros ao redor do mundo, só 12 deles destinados a viver no Brasil. Não será fácil vê-los nas ruas – ele é mais raro que um C 63 AMG “comum”.

A estratégia de exclusividade se opõe à razão da existência da linhagem do Classe C, porta de entrada para o mundo das estrelas de três pontas. Assim como seu desempenho meteórico está em sintonia com o que há de mais elevado na marca. Uma apreciável subversão de valores, em todos os sentidos.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 6,90

O C 63 é um dos carros de série mais envolventes da marca. Com entre-eixos curto, chassi acertado para performance e muito torque em baixa rotação, tem a receita perfeita para trocar feições marrentas por sorrisos difíceis de desfazer.

C 63 AMG Coupé Black Series modelo 2012 da Mercedes-Benz
Eletrônica em off: motor de 517 cv mostra o que é despejar potência Marco de Bari/Quatro Rodas

Ao entregar 517 cv, o motor montado artesanalmente eleva os já furiosos 487 cv do AMG convencional. Só para comparar, o C 180 Turbo sai de fábrica com 156 cv.

Para avaliar a novidade, além dos ensaios-padrão que realizamos com os carros testados, rodamos com o Black Series no autódromo de Interlagos. Os números apresentam um resultado digno de superesportivo.

Ao volante, as impressões são ainda mais positivas do que faz supor a ficha técnica. A começar da estabilidade nas curvas. Não é difícil mantê-lo na mão, pois os controles de tração e estabilidade, no exercício da função, são incorruptíveis.

Para uma pegada mais agressiva, o jeito é dispensar os assistentes eletrônicos, liberalidade que eu não recomendaria ao motorista comum – nem aos pilotos que não estejam no autódromo.

A virtude está no gerenciamento intermediário do ESP. O modo “Sport Handling” mantém o controle de estabilidade em ação, porém ligeiramente afeito a derrapagens. Na prática, significa que é possível ver algumas escapadas de traseira e corrigir a trajetória “no braço”.

C 63 AMG Coupé Black Series modelo 2012 da Mercedes-Benz
Quatro saídas de escape e extratores nas laterais dão vazão ao calor Marco de Bari/Quatro Rodas

A transmissão Speedshift MCT, de sete marchas, é o destaque mecânico. Automatizada, troca o conversor de torque pela dupla embreagem. No modo manual, faz mudanças em 100 milissegundos (para piscar os olhos, levamos cerca de 150 milésimos de segundo).

Quatro graduações do programa alteram o comportamento do carro. O modo Comfort favorece suavidade e economia de combustível, enquanto o S+ é ideal quando se quer assustar o cunhado ou fazer tomadas de tempo em track days.

O Black Series conta com componentes exclusivos na carroceria, como o para-choque dianteiro e as caixas de roda maiores. Visto de frente, notam-se entradas de ar alargadas para aumentar a refrigeração do motor e dos discos de freio de cerâmica.

As bitolas dos eixos cresceram 4 cm na dianteira e 7,9 cm na traseira, o que exigiu o alargamento dos para-lamas para abrigar os pneus maiores.

O para-choque traseiro tem uma fenda lateral que denuncia a série especial, bem como um extrator de carbono. Outro detalhe está nas quatro saídas de escape em formato de paralelogramo, com a inscrição AMG em baixo-relevo – os demais usam uma peça redonda.

Outro recurso voltado para pistas é o Race Start, um controle de largada feito para acelerar o máximo que der no menor espaço possível. Os bancos concha são feitos para garantir suporte ao corpo nas pistas, então usam espuma de alta densidade, em detrimento do conforto.

Interior do C 63 AMG Coupé Black Series modelo 2012 da Mercedes-Benz
Assim como o banco o volante é forrado com dois tipos de couro, além de ter base e topo achatados, igual a carros de corrida Marco de Bari/Quatro Rodas

Costurados com fio vermelho, utilizam couro napa, mesmo material das laterais do volante. Têm aquecedor e regulagem elétrica de encosto, mas o ajuste longitudinal é manual.

A Black Series estreou em 2006, com o roadster SLK, seguido pelo SL 65 em 2009. Este C 63 custa quase 80 000 dólares a mais que a AMG “normal”. O acréscimo justifica mais a exclusividade que a diferença de performance.

Motor do C 63 AMG Coupé Black Series modelo 2012 da Mercedes-Benz
Cada moto AMG é montado por apenas um funcionário Marco de Bari/Quatro Rodas

O AMG “convencional” fez 4,3 segundos no 0 a 100 km/h. De qualquer forma, é metade do valor de um Porsche 911 ou de um Lamborghini Gallardo. A comparação soa esquisita, assim como é incomum ver pedigree de corrida em um Classe C. Mas pode acreditar que este tem.

DIREÇÃO, FREIO
E SUSPENSÃO

A suspensão contém todas as oscilações da carroceria, enquanto os freios permitem abusos sem jogar a carroceria para os lados.

★★★★★

MOTOR E CÂMBIO

Esta dupla representa
o ápice da tecnologia de propulsão a combustão. Justifica a fama da engenharia alemã.

Continua após a publicidade

★★★★★

CARROCERIA

Visual invocado torna
o Black Series exclusivo e emana esportividade. A versão cupê parece ter sido feita para
os adereços da AMG.

★★★★☆

VIDA A BORDO

Melhor para quem vai
na frente que atrás, local que só deve ser usado esporadicamente. Tem
o requinte e o luxo de um Mercedes, acrescidos de bancos esportivos
e couro napa.

★★★★☆

SEGURANÇA

Impecável neste item, tem controle de tração e estabilidade graduado para diferentes níveis de habilidade de pilotos.

★★★★★

SEU BOLSO

As 12 unidades que vieram ao Brasil já têm dono, de acordo com a Mercedes. O valor quase proibitivo limita o C 63 a uma fatia de clientes pouco sensíveis a preço. Os números de desempenho são quase idênticos aos do C 63 convencional, o que não explica tanta diferença no preço final.

OS RIVAIS Audi RS 5 Coupe

633_black_tx2.jpg

Tem motor 4.2 V8 e transmissão S-Tronic. Desenvolve 43,9 mkgf evaide0a100km/hem4,6 segundos. Custa 441 100 reais.

Porsche 911 Carrera

633_black_tx3.jpg

Tem “apenas” 400 cv, motor 3.8 e transmissão manual de 6 marchas. Partindo de 639 000 reais, pode chegar a 1 milhão.

VEREDICTO

O C 63 Black Series entrega exclusividade e desempenho, nessa ordem. Apenas pelo segundo, o AMG de linha anda junto por 77900 dólares a menos. Por metade do preço, o Audi RS 3 garante a mesma adrenalina. Com a diferença, dá para uma volta ao mundo.

Teste

Aceleração
0 a 100 km/h: 4,5 s
0 a 1.000 m: 22,6 s
Velocidade máxima: 300 km/h*

Retomadas
D 40 a 80 km/h: 2,1 s
D 60 a 100 km/h: 2,2 s
D 80 a 120 km/h: 2,6 s

Frenagens
60/80/120 km/h a 0: 58,2/26/15,5 m

Consumo
Urbano: 6,9 km/l
Rodoviário: 8,9 km/l

Ficha técnica

Motor: gasolina, dianteiro, longitudinal, V8, 32V, turbo, 6.208 cm3; 517 cv a 6.800 rpm, 63,2 kgfm a 5.200 rpm
Câmbio: automático seq., 7 marchas, tração traseira
Direção: hidráulica / 2,3 voltas
Suspensão: Multilink (dianteira e traseira)
Freios: disco ventilado (dianteiro) / disco ventilado (traseiro)
Pneus: 255/35 R19
Peso: 1.730 kg
Dimensões: comprimento, 476 cm; largura, 200 cm; altura, 139 cm; entre-eixos, 277 cm; tanque, 80 l; porta-malas, 475 l

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

 

Capa Quatro Rodas 740

 

Continua após a publicidade

Publicidade