Clique e assine por apenas 5,90/mês

Jeremy Clarkson: Discovery Sport tem valentia que seus donos não precisam

O Land Rover Discovery Sport é o carro que eu compraria se precisasse de algo que não preciso

Por Jeremy Clarkson - 29 abr 2020, 07h00
Talvez a Audi e a BMW sejam melhores no multimídia, mas não em recursos off-road Acervo/Quatro Rodas

Segundo os sites de clickbait no Google, a pior estrada do mundo fica na Bolívia. Eu já dirigi por lá e posso dizer, ela é horrível. E ainda há o risco de, com um passo em falso, despencar lá de cima por centenas de metros e voltar ao início.

Outra estrada ruim conhecida é a Alaska Highway, onde eu também já dirigi. Além de muito acidentada, é difícil encher o tanque nos poucos postos que há por lá, porque você precisa segurar a mangueira com uma mão e afastar um enxame de mosquitos com a outra.

Mas a pior estrada do mundo não está na internet. É a RN5 em Madagascar. Só que ela não é de fato uma estrada hoje. Até foi quando os franceses a construíram, mas agora parece um leito de rio seco.

Existem pedras do tamanho de naves espaciais e também há lama profunda o suficiente para você se afogar.

E ela é tão estreita que os moradores locais empregam meninos para ficar correndo um quilômetro à frente do carro, avisando aos outros motoristas para encostar assim que veem um recuo na estrada.

E a maioria dos motoristas tem inveja dos meninos porque eles podem viajar a 6 ou 8 km/h. Eu estive lá recentemente e fiz uma média de 0,3 km/h.

Veja bem, eu não estava dirigindo uma picape robusta e alta. Eu dirigia algo que irá surpreendê-lo muito quando você descobrir que eu estava filmando um episódio do programa The Grand Tour. E o meu colega James May tinha sido ainda mais ambicioso: estava em um carro de corrida.

Tudo isso me leva à grande variedade de veículos off-road que rodam pela Grã-Bretanha. Sim, eles funcionam melhor do que um automóvel normal quando neva.

Mas, quando neva ou chove por lá ou se estiver ventando só um pouquinho, as organizações ligadas ao trânsito ordenam que todos fiquem em casa. Portanto, ninguém sai pelas estradas de qualquer maneira.

Outro dia eu vi um vídeo de um homem num Range Rover morrendo de medo de passar por um alagamento. A água nem chegava a cobrir as rodas, mas ele desistiu. E fiquei ali sentado, pensando: “Por que você não comprou um Ford Mustang? Ou um par de galochas?”

Eu estava fazendo uma gravação na semana passada, quando todos apareceram com vários veículos 4×4. E todos passaram o dia escorregando porque os carros usavam pneu de asfalto. Na grama molhada, é como tentar andar com sapato social em um lago congelado.

A conclusão, então, é que ninguém precisa de um carro com tração 4×4. Em parte porque as condições aqui raramente são ruins o suficiente para justificar esse recurso e em parte porque, quando são, não temos habilidade ou coragem ou pneus para lidar com isso.

O Discovery passou o Volvo XC90 como minha opção de 7 lugares Acervo/Quatro Rodas

E, por isso, temos o novo Land Rover Discovery Sport, que, dentro da incrivelmente complexa gama de produto atual da marca, é o equivalente moderno do antigo Freelander. E isso não é exatamente uma novidade.

Quando o Discovery Sport foi lançado, há vários anos, a Land Rover disse que motores muito melhores viriam em breve. E foi o que aconteceu: logo novos motores surgiram para punir quem havia acabado de comprar o modelo recém-lançado.

Aqueles que esperaram mereciam um tapinha nas costas porque a nova versão com motor a diesel era extremamente suave. É verdade que ele não esbanjava potência.

Junte isso a um câmbio que nunca se decidia que marcha queria e a um inspetor do departamento de emissões da União Europeia dentro do escapamento e você tem um carro que não é muito divertido de dirigir.

Continua após a publicidade

Além disso, nas estradas rurais com seus pneus de asfalto, ele era como Bambi recém-nascido tentando ficar de pé. Apesar de tudo isso, e de um salgado preço perto de 50.000 libras (R$ 278.000), é um carro muito, muito bom.

Por mais de uma década, argumentei que o Volvo XC90 é o único carro de sete lugares para levar as crianças à escola que valia a pena comprar. E ainda acho que é uma peça fantástica de design. Mas ficou grande demais.

É aí que entra o Discovery Sport. Ele também está disponível com sete lugares, mas não é tão grande assim.

A Land Rover foi muito inteligente com a embalagem, redesenhando a suspensão traseira e rearranjando as fileiras dos bancos, para que você possa realmente levar cinco adultos e duas crianças.

Também é um bom lugar para se sentar. Em parte, porque a combinação de motor e câmbio não incentiva práticas de condução malucas, mas principalmente porque esse deve ser um dos carros mais confortáveis ​​que eu já dirigi.

É muito melhor até do que um grande Range Rover, cuja suspensão pode bater em buracos às vezes. O Discovery Sport não. É como andar sobre um colchão.

Talvez a Audi e a BMW possam vender um carro desse tipo com um sistema multimídia um pouco melhor, mas não conseguem vender um carro com mais recursos off-road.

Os pneus sempre serão o elo mais fraco, mas em piso seco o Disco o levará mais longe na floresta do que um Q5 ou um X3.

Ele também tem um espelho retrovisor muito mais estranho. Isso ocorre porque na verdade é uma tela de TV que é alimentada por uma câmera montada no teto.

Na concessionária, esse é um truque do tipo “assine aqui” que vai conquistar você na hora, mas na estrada é estranho ter o asfalto saindo de você no canto do olho.

Melhor apertar um botão e usá-lo mesmo como um espelho interno. Especialmente porque isso permite que você veja qual criança está mordendo e fazendo bullying nos bancos traseiros.

Gostei do Discovery Sport. Gostei da sua aparência. Gostei do conforto extraordinário e da sua praticidade.

É claro que você não precisa disso e, se precisar, as autoridades vão instruir você a ficar debaixo da cama e choramingar até que o tempo melhore.

Mas, dito isso, esse é definitivamente o carro que eu compraria se precisasse de algo que não preciso. E eu não me importaria de pagar os olhos da cara por isso.

Clarksômetro Discovery Sport SE R-Dynamic
Motor: Diesel, 4 cilindros em linha, turbo, 1999 cm3; 340 cv a 4.000 rpm; 51, mkgf
a 1.500 rpm
Câmbio: Manual, 9 marchas, tração 4×4
Peso: 2.090 kg
Desempenho: 0 a 100 km/h em 7,9 s; veloc. máx., 219 km/h
Preço:  46.825 libras (R$ 260.000)
Nota do Jeremy: três estrelas

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade