Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

GLB: novo SUV da Mercedes tem plataforma de compacto, mas leva 7 pessoas

Mercedes-Benz GLB é do tipo compacto por fora e gigante por dentro. Leva sete a bordo e chega ao Brasil já em 2020

Por Joaquim Oliveira, de Málaga (Espanha) Atualizado em 26 dez 2019, 11h07 - Publicado em 24 dez 2019, 15h24
As linhas angulosas remetem ao estilo quadradão do Classe G Divulgação/Mercedes-Benz

A Mercedes-Benz acredita que para o GLB estão reservados vôos bem altos num momento em que tudo o que é SUV vende como pipoca quentinha no cinema. Dentro da própria marca, a força dos SUVs é clara: o GLC, por exemplo, ultrapassou o Classe C e hoje é o Mercedes-Benz mais vendido do mundo.

Mesmo fazendo parte da família dos menores Mercedes, com um comprimento de 4,63 metros, o GLB tem capacidade de levar até sete ocupantes, o que o deixa em posição de enfrentar rivais de marcas generalistas. O GLB será produzido em Aguas Calientes, no México, e também em Pequim, na China. Estados Unidos (abastecido pelo México) e China serão os principais mercados do GLB.

Faróis retangulares com DRL de led ajudam a compor o visual robusto da dianteira Divulgação/Mercedes-Benz

O acesso ao interior é facilitado pelas portas de abertura ampla e soleiras baixas. O interior é muito parecido com os Classe A (e família), com os conhecidos elementos e funcionalidades do sistema multimídia MBUX.

Elementos como a qualidade da metade superior do painel e painéis das portas, as saídas de ventilação de alumínio e as duas telas digitais configuráveis das versões mais completas ajudam a elevar a qualidade percebida. No entanto, a metade inferior entra em contraste com plásticos de aspecto e toque mais pobres.

Layout da traseira lembra o do Volkswagen Touareg Divulgação/Mercedes-Benz

Destaque ainda para alguns menus de informação específicos para uso off-road e para o sistema de visão 360 graus em torno do carro, que se revela útil também nesse tipo de ambiente.

Num primeiro momento, a Mercedes-Benz pensou em fazer uma versão de entre-eixos alongado para o monovolume Classe B, seguindo o que a BMW fez com os Série 2 Tourer e Gran Tourer, mas depois optou por essa filosofia de SUV, apostando forte num amplo espaço e grande versatilidade do habitáculo.

Test-drive de apresentação do GLB incluiu até a travessia de trechos alagados Divulgação/Mercedes-Benz

É verdade que a base é a mesma plataforma MFA2 de todos os outros compactos de tração dianteira (começando pelo Classe A, este com 10 cm a menos de entre-eixos), mas o incremento das dimensões permite que esse GLB possa até ser colocado como rival de modelos que partem de plataformas de segmentos superiores, como o Land Rover Discovery Sport ou o VW Tiguan Allspace.

Cabine do GLB tem clara familiaridade com os carros da Classe A. Pudera, eles compartilham versões distintas da mesma plataforma Divulgação/Mercedes-Benz

Ao mesmo tempo, o GLB consegue oferecer mais espaço do que outros SUV compactos premium, como BMW X1, Audi Q3 e Volvo XC40. E mesmo no confronto com o GLC, que é 2,2 cm mais comprido, o GLB tem mais espaço traseiro para pernas e para a cabeça.

Lanternas traseiras, bipartidas e estreitas, são mais delicadas do que o conjunto ótico dianteiro Divulgação/Mercedes-Benz

A montadora alemã diz que a estatura limite para quem senta na terceira fileira é 1,68 m. Mas não espere vida mansa, pois ainda que se avance a fileira central pelo trilho de 13 cm, o espaço para pernas para a turma do fundão é restrito.

O encosto da segunda fileira é tripartido (40/20/40) e pode ser rebatido para criar uma zona de carga quase totalmente plana. Cada parte dispõe ainda de ajuste de inclinação.

Continua após a publicidade

Modularidade interna digna de uma boa minivan familiar Divulgação/Mercedes-Benz

E há ainda uma particularidade: a terceira fileira tem Isofix, para fixação de assentos infantis. A capacidade do bagageiro é ampla, de 570 litros (ampliáveis até 1.805 litros ou esmagados até 130 litros com os bancos traseiros armados – para isso, basta um único movimento.

Diferente do que ocorre na grande maioria dos carros com 7 lugares, no GLB os bancos traseiros também têm Isofix, para fixação de assentos infantis Divulgação/Mercedes-Benz

A primeira experiência ao volante do GLB foi no sul de Espanha, com a versão 250, com motor de quatro cilindros turbo (como todas as versões) e tração nas quatro rodas (4Matic) e câmbio automatizado de dupla embreagem de 8 marchas bastante suave e progressivo nas acelerações.

Desde os primeiros quilômetros, o GLB 250 de 224 cv mostrou resposta contundente desde baixos regimes graças à disponibilidade do torque máximo de 35,7 mkgf a apenas 1.800 rpm. De qualquer forma não chega a ser tão evoluído quanto o automático com conversor de torque usado no GLC.

Segunda fileira de bancos é tripartida e corre individualmente e longitudinalmente cerca de 13 cm sobre trilhos Divulgação/Mercedes-Benz

Tendo em conta que o GLB tem uma carroceria bem alta poderia existir uma tendência para a estabilidade ficar em risco em curvas rápidas, mas o que se observa é que o trabalho feito no chassi deu o resultado desejado, sendo co comportamento bastante neutro e equilibrado, com pouca tendência de alargar a trajetória.

No modo Sport, o som do motor é amplificado pelos alto-falantes e a resposta do conjunto motor/câmbio se torna mais agressiva (sobe marcha em rotações mais altas, antecipa as reduções e deixa o acelerador com pronta-resposta.

A esse propósito, Jochen Eck, o engenheiro-chefe com um profundo conhecimento desta plataforma, explica: “No GLB foram criadas duas posições pré-determinadas para Comfort e Sport que afetam a firmeza das suspensões (de amortecimento variável, com válvulas ajustáveis dentro dos amortecedores).

Há ainda os modos Eco (sem intervenção no amortecimento), Offroad e Individual (que permite configurar os vários parâmetros à vontade do motorista), tendo deixado de existir o modo Auto, que só servia para confundir o utilizador”.

Central multimídia MBUX prioriza as ativações via comandos de voz Divulgação/Mercedes-Benz

A distribuição de força entre os dois eixos varia conforme o modo de condução: 80%/20% (dianteira/traseira) no Eco no Confort, 70%/30% no Sport e até 50%/50% no modo Offroad, quando a embreagem multidiscos da tração integral assume a função de diferencial central com bloqueio.

Claro que o trecho off-road foi previamente testado pela Mercedes para que o GLB superasse todos os obstáculos, mas também é verdade que o lançamento subiu e desceu ladeiras radicais com cascalho e ainda se deu ao luxo de parar no meio da subida e retomar a escalada sem hesitações. Também fez cruzamentos de eixos com levantamento de rodas, passou incólume por ângulos de até 35 graus e cursos de água. Nada o abalou.

Em suma, o GLB chega como um SUV com bom espaço interior, modularidade, qualidade geral de construção e materiais convincentes, motor e câmbio competentes, bagageiro amplo e comportamento eficaz no asfalto e fora dele. E a boa notícia: concessionárias da marca no Brasil dão como certa a chegada na virada do primeiro para o segundo semestre de 2020.

GLB 250: motor quatro-cilindros turbo com injeção direta Divulgação/Mercedes-Benz

Ficha Técnica

  • Preço: ainda sem estimativa
  • Motor: diant., transv., gasolina, quatro cilindros, 1.991 cm3; 16V, turbo, injeção direta, 224 cv a 5.500 rpm, 35,7 mkgf a 1.800 rpm
  • Câmbio: automatizado, dupla embreagem, 8 marchas, tração 4×4
  • Suspensão: McPherson (dianteira) e Multilink (traseira)
  • Freios: discos ventilados (dianteira) e discos sólidos (traseira)
  • Direção: elétrica, 11,7 m (diâm. giro)
  • Rodas e pneus: 215/65 R17
  • Dimensões: compr., 463,4 cm; largura, 183,4 cm; altura, 166,3 cm; entre-eixos, 282,9 cm; peso, 1.670 kg; porta-malas, 130/570/1.805 l (7/5/2 lugares em uso); tanque, 60 l
Continua após a publicidade

Publicidade