Clique e assine por apenas 5,90/mês

Volkswagen perde para Renault-Nissan liderança de vendas em 2017

Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi é a maior vendedora de veículos leves do mundo

Por Mateus Silveira - Atualizado em 1 fev 2018, 10h52 - Publicado em 31 jan 2018, 19h38
Não haverá mais limite de importação de modelos estrangeiros
Comércio mundial de veículos tem novo líder APPA/Divulgação

O título de maior vendedor de veículos do mundo tem um novo dono: a aliança Renault-Nissan, com o reforço da Mitsubishi, ultrapassou o Grupo Volkswagen em 2017.

Para ficar à frente da alemã (que também é dona de Audi, Porsche, Seat, Skoda, Lamborghini e Bugatti), as três marcas contabilizaram apenas automóveis e comerciais leves, somando 10,61 milhões de veículos vendidos no ano passado.

O Grupo Volkswagen entregou 10,74 milhões de unidades no mesmo período. Porém, 200 mil são caminhões das marcas Scania e MAN – que também fazem parte do grupo.

Sem os pesados, os números caem para 10,54 milhões e, usando a mesma régua, a marca perde o primeiro lugar.

Dividindo os números de vendas em todo o mundo das três marcas da aliança, a nipônica Nissan atingiu um recorde de 5.816.278 unidades; a francesa Renault 3.761.634 veículos e a Mitsubishi, em seu primeiro ano completo na aliança, acumulou 1.030.454 carros.

Continua após a publicidade

Vice-líder em 2016, o Grupo Toyota Motor fechou 2017 em terceiro lugar. Contando com marcas como Lexus e Daihatsu no grupo, os japoneses registraram vendas de 10,3 milhões.

No entanto, a Toyota conta com o líder global e o SUV mais vendido.

No Brasil

Por aqui, o líder é outro. Além de ter o carro mais vendido do Brasil, a Chevrolet também é a líder nacional. Foram 394.099 unidades vendidas em 2017, segundo a Fenabrave. A marca ainda não divulgou seus dados globais.

O Grupo FCA também não revelou seus números mundiais. No Brasil, a FCA (somando Fiat e Jeep), teve 379.509 veículos registrados – e a vice-liderança do mercado.

Por aqui, a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi acumulou 267.697 unidades em 2017.

Continua após a publicidade
Publicidade