Clique e assine por apenas 8,90/mês

Único McLaren Senna GTR do Brasil tem 825 cv, mas não pode rodar na rua

Superesportivo de 825 cv que homenageia o piloto brasileiro tem produção limitada e não pode rodar em vias públicas. Aqui, virará atração de museu

Por Renan Bandeira - Atualizado em 19 fev 2020, 15h25 - Publicado em 19 fev 2020, 07h00
Divulgação/McLaren

Existe um McLaren Senna GTR no Brasil! O exclusivo modelo da empresa britânica teve sua primeira aparição em solo brasileiro, nesta terça-feira (18), em São Paulo.

O GTR é uma versão mais agressiva (e mais exclusiva) que o Senna convencional e foi apresentado no Salão de Genebra (Suíça) em 2018.

O superesportivo da marca britânica é equipado com um motor V8 biturbo de 4 litros que gera 825 cv e 81,6 mkgf de torque, com câmbio de sete marchas e dupla embreagem. O veículo também possui controle de largada.

Os 25 cv de diferença para o McLaren Senna convencional foram adquiridos por conta da recalibragem do controle do motor e pela remoção de um segundo catalisador para reduzir a pressão reversa – que também aumenta o ronco do motor.

Continua após a publicidade

Desenvolvido para as pistas (tanto que não é homologado para rodar em vias públicas), o modelo é o mais rápido entre todos os McLaren de produção. O GTR vai de 0 a 100 km/h em 2,8 segundos e atinge a máxima de 340 km/h.

Divulgação/McLaren

Conforme já dito, o veículo não pode rodar em ruas e seu uso é restrito a circuitos fechados. Sua estrutura toda é de fibra de carbono, com gaiola integrada e chassi de alumínio, assim como a estrutura do cofre do motor.

Parecido com um Stock Car, o GTR é mais largo e mais baixo que o Senna das ruas. Além disso, suas bitolas dianteira e traseira foram aumentadas, assim como a largura dos para-lamas, que agora recebem rodas de 19 polegadas.

O downforce (nível de pressão aerodinâmica) é o mesmo do Senna convencional. No entanto, ele bate o pico de 1.000 kg ao chegar a 250 km/h, mais rápido que o Senna.

Continua após a publicidade

O superesportivo trocou as janelas de vidro pelas de policarbonato. A abertura das portas é por tiras de tecido e o sistema de áudio e as telas touchscreen foram abandonadas, ficando apenas o ar-condicionado.

Tudo para reduzir o peso a menos de 1.200 kg e otimizar o desempenho.

Divulgação/McLaren

Gostou? Está pronto para levar um desse para casa? Então, prepare-se para desembolsar pelo menos US$ 2,5 milhões (cerca de R$ 12 milhões), o preço estimado por sua aquisição. Ou não…

Mais que exclusivo, foram produzidas apenas 75 unidades do modelo para o mundo todo, e todas elas já foram vendidas.

Continua após a publicidade

A unidade que está no Brasil não faz parte destas 75. Na verdade é um XP (Experimental Prototype), ou seja, foi um dos quatro veículos usados para testes em pista. Por isso, seu preço foi ainda mais caro.

As unidades de teste geralmente são destinadas a uma espécie de acervo da McLaren, no Reino Unido. Porém, esta unidade em específico, foi negociada com a Fundação Lia Maria Aguiar, e é a única McLaren Senna GTR da América Latina.

Agora, o modelo irá figurar em meio aos outros clássicos que serão expostos no acervo do Museu-Escola da Fundação que será inaugurado em 2021, em Campos do Jordão.

Publicidade