Triste realidade: não existe mais carro zero abaixo de R$ 35.000 no Brasil

Fiat Mobi e Renault Kwid estão empatados como os veículos mais baratos do país, mas oferecem pouco recheio e apenas uma cor sem custo adicional

 (Arte/Quatro Rodas)

Após a morte do Caoa Chery QQ, quem deseja comprar um veículo zero-quilômetro no Brasil não poderá sair de casa sem ter ao menos R$ 35.000 na conta (ou em crédito aprovado para financiamento).

Esse é o valor – quer dizer, R$ 34.990, mas o desconto de R$ 10 é tão simbólico quanto considerar que R$ 1,99 significa pagar R$ 1, e não R$ 2 –  das versões de entrada de Renault Kwid e Fiat Mobi, os atuais dois automóveis mais baratos disponíveis em nosso mercado.

O que será que eles oferecem em troca?

Em semelhança, ambos possuem motores 1.0 e câmbio manual. O Fiat é um pouco mais forte que o Renault: o Mobi tem um quatro–cilindros de 75/73 cv e 9,9/9,5 mkgf, contra o três-cilindros de 70/66 cv e 9,8/9,4 mkgf do Kwid.

A má notícia é que os dois subcompactos oferecem apenas uma cor no catálogo cada sem custo adicional. A do Mobi é preta e inclui pintura de pára-choques, retrovisores e maçanetas no mesmo tom da carroceria.

 (Divulgação/Fiat)

Além disso, a tampa traseira do porta-malas é em vidro estrutural preto, as rodas são de aço estampado de 13 polegadas e os faróis têm máscara negra.

Para a segurança, o veículo passou a vir equipado com os recém-obrigatórios três apoios de cabeça traseiros com regulagem de altura, cintos de segurança – traseiros e dianteiros – de três pontos e sistema Isofix para cadeirinhas infantis.

Airbag duplo e freios ABS também são mandatórios por lei, mas há sinalização de frenagem de emergência e chave desmodrômica.

O banco traseiro pode ser rebatido e o console central tem compartimento para copos. Sob o pára-sol, espelhos ficam disponíveis para motorista e passageiro.

 (Fernando Pires/Quatro Rodas)

O sistema Follow me home mantém a luz interna ligada por alguns segundos mesmo depois do veículo ser desligado – para condutor e passageiros se organizarem antes de desembarcar.

As maçanetas internas e o painel são pretos e o quadro de instrumento tem iluminação em LED com um display digital de 3,5 polegadas.

Enquanto isso, o Kwid pode ser comprado sem custo extra na cor branca, e também possui os pára-choques na cor da carroceria. Entretanto, os retrovisores e as maçanetas são pretos. As rodas usam aço com calotas aro 14″.

O veículo da Renault possui quatro airbags (dois frontais e dois laterais) e desembaçador de vidro traseiro, além dos itens de segurança obrigatórios já mencionados.

Por dentro, o porta-objetos das portas dianteiras comporta uma garrada de 1 litro, os difusores de ar são ajustáveis, os apoios de cabeça dianteiros são fixos e os traseiros, removíveis.

O subcompacto ainda tem espelho sob o pára-sol do passageiro, abertura interna de porta-malas, tomadas 12V e indicador de condução.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s