Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Toyota Hilux vai mal em teste de alce na Suécia

Antiga geração da picape já havia sido reprovada no mesmo teste em 2007

Por Guilherme Fontana Atualizado em 23 nov 2016, 21h54 - Publicado em 27 out 2016, 11h27
Toyota Hilux
Toyota Hilux quase capota e reprova no teste do alce na Suécia Teknikens Värld/Youtube

Em 2007, a Toyota passou por maus bocados após a Hilux realizar um desastroso teste do alce. Agora, nove anos depois, a história se repete: a atual geração da picape também foi reprovada em uma avaliação na Suécia por quase capotar durante as manobras. 

Realizado pela revista sueca Teknikens Värld, o teste reuniu as principais representantes do segmento das picapes médias no país: Isuzu D-Max (gêmea da Chevrolet S10), Ford Ranger, Nissan Frontier, Volkswagen Amarok, RAM 1500 e Mitsubishi L200 Triton, além, é claro, da Hilux. Chamada de “teste do alce” (por causa da profusão de animais nas estradas do país), a avaliação consiste na mudança brusca de trajetória em velocidades entre 64 e 68 km/h, com carga intermediária na caçamba. Veja o vídeo abaixo.

Continua após a publicidade

 

Enquanto todas as demais picapes realizaram as manobras sem sustos, deslizando a dianteira no limite, os pneus do lado direito da Hilux perderam contato com o solo e quase fizeram o utilitário capotar, resultando em reprovação. A primeira unidade, da versão topo de linha, estava equipada com rodas aro 18 calçadas por pneus 265/60. A segunda, de uma configuração mais simples, tinha rodas de 17 polegadas e pneus 265/65. Mesmo com rodas menores e diversos sistemas de assistência, a picape ficou de pernas para o ar. 

Para os suecos, há três causas para o fenômeno: excesso de aderência nos pneus do lado externo das curvas, centro de gravidade elevado e ineficiência do controle de eletrônico de estabilidade – uma das novidades da geração atual da picape.

Em nota, a Toyota da Suécia se diz surpresa com o desfecho dos testes realizados pela publicação. “A Hilux foi testada repetidas vezes de acordo com os parâmetros da ISO 3888 para testes de manobras evasivas durante o desenvolvimento do modelo, e passou em todos com sucesso”, apontou a fabricante, que prometeu analisar o ocorrido. 

Continua após a publicidade
Publicidade