Clique e assine por apenas 8,90/mês

Top Ten: nomes e emblemas que já foram motivo de orgulho

16V, turbo, 2.0, injeção eletrônica, automático... eles já significaram sofisticação e performance, mas hoje ninguém dá muita bola

Por Da Redação - Atualizado em 29 jun 2018, 11h46 - Publicado em 15 dez 2016, 13h46

AUTOMÁTICO DE 4 MARCHAS

Chevrolet Opala Diplomata
Chevrolet Opala Diplomata Acervo/Quatro Rodas

O Automatic-4 que o Opala adotou em 1988 trazia boas referências – era usado pela BMW e pela Jaguar. O padrão dos automáticos de então eram três marchas. Hoje quem tem esconde, como o Toyota Etios e o Renault Duster.

INJEÇÃO ELETRÔNICA

VW Gol GTi
VW Gol GTi Acervo/Quatro Rodas

No início ela era restrita a carros mais caros, como o pioneiro Gol GTi (1989) e o Santana 2000 i Executivo e o Monza 2.0i 500 EF (1990). Quando o “i” ficou comum, o jeito foi destacar o tipo de injeção, como a multiponto MPFI dos Chevrolet.

ÁLCOOL

Ford Corcel II
Ford Corcel II Acervo/Quatro Rodas

O primeiro carro a álcool de série no Brasil foi o Fiat 147, de 1979. Mas, das plaquetas que identificavam a novidade, marcou época a do Ford Corcel II, com as gotinhas azuis em degradê. Para orientar o frentista, o bocal do tanque tinha o adesivo “álcool hidratado”.

TURBO

Fiat Tempra Turbo
Fiat Tempra Turbo Acervo

Era a pura tradução de esportividade. Chegou aos nacionais de passeio com o Uno em 1994 – a Ford F-1000 a diesel tinha desde 1991. Depois a Fiat usaria o emblema na grade do Tempra. Atualmente as marcas usam denominações como TFSI, EcoBoost e THP – e muitos nem sabem que ali há um turbo escondido.

Continua após a publicidade

IGNIÇÃO ELETRÔNICA

Fiat Uno Mille Electronic
Fiat Uno Mille Electronic Acervo/Quatro Rodas

Em 1992, o Mille estava no auge e a injeção eletrônica era o que havia de mais sofisticado. Muita gente teve Mille Electronic, de 1993, sem saber que ele usava carburador – o “Electronic” era da ignição eletrônica, que aposentou o platinado.

6 MARCHAS

Fiat Siena com seis marchas
Fiat Siena com seis marchas Acervo/Quatro Rodas

“Seu motor nem parece 1.0”, disse QUATRO RODAS sobre o Siena 6 Marchas, primeiro nacional com esse câmbio, em 1998. Ele melhorou nas subidas e ultrapassagens, mas não vingou no mercado. Nos carros atuais, só a alavanca revela que lá existem seis marchas.

16 VÁLVULAS

Fiat Tempra HLX 16V
Fiat Tempra HLX 16V Acervo/Quatro Rodas

A sigla ressaltava o desempenho do Tempra mais luxuoso, que em 1993 foi o primeiro nacional com quatro válvulas por cilindro. Hoje nem mesmo os 1.0 utilizam o termo. Alguns, como o Firefly da Fiat, inclusive optaram por voltar às duas válvulas por cilindro. Outros, com três cilindros, somam 12 válvulas – algo que já não soa com tanta força.

FLEX

VW Gol 1.6 Total Flex
VW Gol 1.6 Total Flex Acervo/Quatro Rodas

Para marcar a revolução que surgiu em 2003, os pioneiros festejaram com nomes pomposos: Total Flex (VW), Flexpower e Econo.Flex (Chevrolet) e Hi-Flex (Renault). Os que vieram depois encolheram para apenas Flex. Hoje alguns, como o Uno, nem avisam mais.

Continua após a publicidade

TRAÇÃO 4X4

Ford Pampa 4x4
Ford Pampa 4×4 Acervo/Quatro Rodas

O sistema já foi raro, complexo e caro. Por isso merecia destaque, como na Ford Pampa 4×4, de 1984. Isso foi quase uma década antes da F-1000 oferecer o recurso. Agora são utilizados termos como 4Motion e 4WD –  e você que se vire para saber o que é.

LITRAGEM

Honda Civic EXR 2.0
Honda Civic EXR 2.0 Acervo/Quatro Rodas

Durante muito tempo, o volume de um motor era (pelo menos para os leigos) o item mais relevante para ser exibido ao público. A popularização do turbo e da injeção direta acabou com esse status – hoje temos motores 1.0 mais fortes que os 2.0 de poucos anos atrás.

Publicidade