Clique e assine por apenas 5,90/mês

Top ten: as piores gerações dos melhores modelos

Eles deveriam zelar pelo bom nome, mas envergonharam a linhagem

Por Da Redação - 24 out 2017, 18h56

Ford Thunderbird

Este Ford Thunderbird foi o da 11º geração Divulgação/Ford

Rival do Chevrolet Corvette, o Thunderbird estreou em 1954 e tornou-se um sucesso. Após sair de linha, em 1997, retornou com visual retrô (foto) cinco anos depois, em sua 11ª geração.

Os puristas não caíram de amores: só viam nele um Jaguar S-Type ou um Lincoln LS, nos quais era baseado.

VW Fusca

Faltou simplicidade ao New Beetle Divulgação/Volkswagen

Apesar da sobrevida (no Brasil até 1996 e México até 2003), o Fusca deu lugar na Europa ao New Beetle (foto), em 1997. Mas não fez jus à tradição: faltava-lhe o preço baixo e a simplicidade mecânica do original.

Pontiac GTO

O Pontiac GTO durou apenas dois anos Pontiac/Divulgação

Do icônico muscle car, a quarta geração (foto), de 2004, só tinha o nome – sigla de Grand Tempest Option. Por baixo, era só um Holden Monaro, ou seja, um Omega cupê australiano. Por isso, durou só dois anos.

Porsche 911

A geração 996 teve mudanças apenas três anos depois Divulgação/Porsche

Era aclamado pelo estilo único até que, em 1997, veio a geração 996 (foto). O desgosto foi geral, pois ficou parecendo o Boxster, seu irmão mais barato. Para ter cara própria, ganhou novos faróis só três anos depois.

Continua após a publicidade

Mercury Cougar

O Mercury Cougar tinha tração dianteira e motores V6 Mercury/Divulgação

Tração traseira e V8 estão no DNA dos muscle car. Mas o Cougar perdeu a mão em 1998, na sua oitava linhagem (foto). Com a base de Ford Mondeo, trazia tração dianteira e motores V6 e quatro cilindros.

Chevrolet Camaro

A quarta geração do Camaro estava distante da tradição construída pelo nome Divulgação/Chevrolet

Sem seguir identidade visual dos anteriores, a quarta geração (foto), lançada em 1993, não emplacou. A carroceria estreita e alta não ajudava na estabilidade, e o desenho sem carisma e pouco agressivo manchou a série.

Chevrolet Impala

O Impala segue vivo, mas não é mais o mesmo Divulgação/Chevrolet

Foi a partir da oitava variação (foto), de 1999, que ele foi perdendo o estilo clássico da carroceria de duas portas sem coluna, a tração traseira e os motores V8. Está vivo até hoje, mas sem o glamour do passado.

Toyota Corolla

Esse Corolla não agradava e ganhou até apelido de Ralador de queijo Divulgação/Toyota

Entre as várias versões da oitava geração pelo mundo, havia uma de faróis redondos e grade perfurada que despertou o ódio geral. Importado para o Brasil em 1997 (foto), ganhou o apelido de Ralador de Queijo.

Ford Taurus

Era um Taurus que não parecia um Taurus Divulgação/Ford

Em 1996, as linhas ovais estavam por toda parte da carroceria da terceira linhagem (foto), que chocou seu público, acostumado à familiaridade e harmonia que o mercado via no Taurus desde o original, de 1986.

Ford Mustang

Um Mustang sem motor V8 é uma decepção Divulgação/Ford

Todo pony car tem um V8 e carroceria musculosa. Mas na crise do petróleo o Mustang II (foto), de 1974, não seguiu cartilha: linhas atípicas, base do Ford Pinto e motores V6 ou 2.3 de quatro cilindros.

Continua após a publicidade
Publicidade