Clique e assine por apenas 8,90/mês

Sete coisas que o Renault Kwid tem e outros carros mais caros não

Entre equipamentos de série e acessórios, Kwid consegue oferecer itens ausentes em modelos de categorias superiores

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 10 ago 2017, 16h48 - Publicado em 8 ago 2017, 12h05
Ele traz quatro airbags e pode ser equipado com central multimídia e câmera de ré. Mas não tem banco bipartido… Divulgação/Renault

Essa matéria passou por uma atualização às 16:37 do dia 10/08/2017 por conta de um correção em relação aos itens de série do Mercedes-Benz Classe C

Faz tempo que um lançamento não causa tanta repercussão quanto o Renault Kwid. O modelo foi um sucesso na pré-venda e pode demorar até quatro meses para ser entregue.

A receita é fácil de entender: preço mais baixo que a média (graças a algumas escolhas e truques do fabricante) combinado a equipamentos exclusivos. Alguns, inclusive, estão ausentes até em modelos mais caros. Conheça sete itens que o Renault mais barato do Brasil tem e outros modelos, não – e não estamos falando da roda de três furos.

Isofix

O sistema Isofix garante que a cadeirinha seja presa sem folgas no banco traseiro Divulgação/Renault

O importante sistema de fixação para cadeirinhas é de série em todas as versões do hatch e garante que o assento seja preso diretamente à estrutura monobloco do carro.

Continua após a publicidade

O Fiat Mobi, um dos principais rivais do Kwid, não oferece esse item nem como opcional – apesar de disponibilizar o equipamento nas versões vendidas na Argentina. Outros carros de segmento superior, como Renault Sandero e  Citroën Aircross, também não possuem esse tipo de fixação.

O equipamento deverá ganhar ainda mais importância a partir de 2018, quando os novos projetos deverão ter obrigatoriamente o equipamento – em 2020, o Isofix passa a ser obrigatório para todos os carros à venda.

 

Câmera de ré

A câmera de ré fica embutida no logotipo do Kwid. Nas versões com abertura elétrica do porta-malas não há miolo de fechadura Divulgação/Renault

O sistema embutido no centro do logotipo será oferecido como um opcional da versão Intense. Já é mais que o Mercedes-Benz C180 até a linha 2017, que não oferecia tal equipamento em nenhum pacote de acabamento.

Continua após a publicidade

Atualização: a Mercedes-Benz entrou em contato com QUATRO RODAS para corrigir que a linha 2018 do Classe C conta com câmera de ré em todas as versões.

Abertura interna do porta-malas

O Kwid sempre terá abertura interna do porta-malas; Nas versões mais caras o comando é elétrico Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Esse item frugal representa uma preciosa economia de tempo (especialmente na chuva) em carros sem fechadura e com abertura elétrica. É tão simples que fica difícil entender porque nem o Renault Sandero R.S. topo de linha oferta tal acessório.

 

Cinto de segurança com regulagem de altura

A regulagem de altura do cinto não existe em nenhuma versão do rival Up! Divulgação/Renault

Alguns modelos de luxo, como os BMW, possuem um mecanismo que autoajusta o cinto de segurança de acordo com a altura do passageiro e motorista. Não é o caso do Chevrolet Cruze, que não dispõe nem da solução alemã, nem de um mero mecanismo para regular a altura do cinto, como o presente no Kwid.

Continua após a publicidade

 

Airbags laterais

Os airbags laterais são embutidos dentro da estrutura dos bancos Divulgação/Renault

Um dos destaques do Renault é exclusivo no segmento (Mobi e Up! não oferecem nem como opcional) e ainda raro em modelos mais caros. Pior é o caso do Citroën C3, que chegou a dispor das bolsas infláveis extras antigamente, mas perdeu o item até nas versões com o novo câmbio automático.

 

Alerta do cinto de segurança para o passageiro

O alerta de cinto não afivelado é comum para o motorista, mas não para o passageiro Divulgação/Renault

Dois simples sensores – um no assento, outro na trava – avisam que o passageiro não afivelou o cinto de segurança. Todo Kwid terá esse item, que ainda não chegou nem mesmo na versão topo de linha do Duster.

Continua após a publicidade

 

Sistema multimídia

Tela sensível ao toque do MediaNAV exige que o dedo seja pressionado contra a película Divulgação/Renault

A central MediaNAV com sua tela resistiva está longe de ser a mais moderna do mercado. Mas será uma alternativa atraente no segmento e deverá ter preço competitivo. Um exemplo que a Ford poderia seguir, já que nenhuma versão do Ka e Ka+ oferece esse equipamento cada vez mais requisitado.

Publicidade