Clique e assine por apenas 8,90/mês

Renault corre risco até de falir por causa do coronavírus

Ministro das finanças da França declarou recentemente que marca pode desaparecer se não receber qualquer tipo de auxílio; Nissan deve demitir 20.000

Por Daniel Telles - Atualizado em 22 Maio 2020, 17h15 - Publicado em 22 Maio 2020, 17h14
Fábrica da Renault em São José dos Pinhais (PR): marca corre o risco de quebrar Divulgação/Renault

Fundada em 1º de outubro de 1898, a Renault pode estar vivendo os últimos momentos de sua história devido à crise financeira instalada com o surto do novo coronavírus.

Pelo menos é o que apontou o ministro das finanças da França, Bruno Le Maire, em entrevista recente à rádio Europe 1. “Sim, a Renault pode desaparecer”, alertou o político.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Segundo Le Maire, o governo francês está considerando fornecer uma ajuda financeira de 5 bilhões de euros (R$ 30,25 bilhões) à fabricante, para que a fábrica da cidade de Flins-sur-Seine não seja fechada e se preserve o maior número de empregos possível.

Elétrico Renault Zoe é produzido na fábrica de Flins, França, que pode fechar Divulgação/Renault

A fábrica de Flins, nos arredores de Paris, emprega atualmente 2.640 funcionários e é responsável por produzir entre outro modelos, o Renault Zoe, carro elétrico da marca que é vendido inclusive no Brasil.

Por aqui, a Renault mantém uma fábrica na cidade de São José dos Pinhais (PR) e no total emprega 7.300 funcionários diretos. Além de França e Brasil, a Renault ainda tem fábricas e centros de distribuição em outros 14 países.

Nissan pode demitir 20.000 funcionários ao redor do mundo

Nissan Kicks passou a ser produzido em Resende (RJ) em 2017 e está prestes a ganhar facelift Nissan/Divulgação

Marca parceira da Renault, a Nissan se vê em crise desde a prisão de seu chefe, o brasileiro Carlos Ghosn, em novembro de 2018, acusado de má conduta financeira.

Agora, com a pandemia de Covid-19, um jornal japonês anunciou que a marca estaria planejando cortar 20.000 empregos, a maioria na Europa e em países emergentes, como o Brasil.

Continua após a publicidade

Atualmente no país a Nissan mantém uma fábrica em Resende (RJ) com mais de 2.500 funcionários e utiliza também a planta da Renault no Paraná para produzir alguns de seus carros.

Ao redor do mundo, a Nissan emprega 140.000 funcionários diretos.

Segundo a agência de notícias Reuters, a ideia da marca é reduzir em até 1 milhão o número de unidades vendidas e se colocar em uma posição menor no mercado.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

 

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade