Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Produtores de gasolina e etanol se unem contra carros elétricos nos EUA

Antes rivais, associações dos produtores de combustíveis fósseis e etanol se juntam para protestar contra novas regras impostas por Joe Biden e EPA

Por João Vitor Ferreira
19 jun 2024, 12h00

Em março, o Governo dos Estados Unidos e a EPA, a agência ambiental do país — equivalente ao Ibama brasileiro — divulgaram um novo plano de medidas que busca diminuir a emissão de gases poluentes de veículos leves (de passageiros) e médios (comerciais leves).

As novas regras propõem que entre 2027 e 2032 as montadoras reduzam as emissões de suas frotas em aproximadamente 50%. A EPA tem como meta uma média de toda a indústria de apenas 85 gramas de CO2 por milha para veículos leves, enquanto as frotas de veículos médios devem atingir a marca de 274 CO2 até o ano limite.

O anúncio do plano, porém, não agradou e está fazendo com que antigos inimigos se juntem para se opor ao governo de Joe Biden. É o caso do American Petroleum Institute (Instituto Americano do Petróleo) e do National Corn Growers Association (Associação Nacional dos Produtores de Milho), que representam os produtores dos combustíveis fósseis e de etanol, respectivamente.

Além das duas entidades citadas, revendedores de automóveis, comerciantes de combustíveis e proprietários de lojas de conveniência também se colocaram contra o EPA e o governo americano.

Continua após a publicidade

Ambos consideram que as propostas estão forçando, de maneira ilegal, as montadoras venderem mais veículos elétricos, de modo que elas só consigam atingir as novas metas se mudarem para uma linha totalmente elétrica. Desse modo, diminui a procura por seus produtos, como a gasolina, diesel e etanol.

Vale ressaltar que as regras impostas não impõem uma cota mínima de veículos elétricos para cada fabricante. Porém, o EPA estima que entre 30% e 56% da linha de veículos leves de uma montadora e entre 20% e 32% de sua linha de veículos médios precisarão ser elétricos para cumprir com seus regulamentos de emissões.

Eles também acusam a EPA de estar levando em consideração somente os gases emitidos pelos escapamentos dos carros, ignorando completamente a forma como a energia para os carros elétricos é gerada ou outros impactos ambientais causados ​​na produção desses modelos.

Continua após a publicidade

“O Congresso não autorizou a EPA a proibir efetivamente a venda de novos carros a gasolina e diesel e a reformar a economia dos EUA de uma forma tão importante”, disse Chet Thompson, presidente da Associação Americana de Fabricantes de Combustíveis e Petroquímicos, em declarações à Bloomberg.

Compartilhe essa matéria via:

Em sua defesa, os opositores alegam que as regras ignoram o potencial que os combustíveis renováveis ​​de baixo carbono e alta octanagem, como o etanol, têm de alcançar reduções significativas de CO2. O próximo movimento do grupo será entregar uma petição para a Corte de Apelações dos Estados Unidos para o Circuito do Distrito de Colúmbia, uma das 13 Cortes de apelações do país.

O certo é que esse assunto ainda está longe de ser resolvido e certamente se tornará debate durante as eleições presidenciais dos Estados Unidos, que acontecem no mês de novembro. Donald Trump, possível candidato do partido Republicano e adversário de Joe Biden à reeleição, já declarou que, se eleito, irá eliminar as novas regras.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.