Plymouth Road Runner: o papa-léguas

Homenagem ao clássico desenho animado, ele resgatou a essência do muscle car americano

Plymouth Road Runner

“Bip-bip”! Isso era tudo que o Papa-léguas dizia no desenho animado que levava seu nome. Era também o som da buzina do Plymouth Road Runner, nome original do personagem, que chegava a aparecer nos comerciais de TV do cupê.

Lançado para 1968 e baseado no Belvedere, ele oferecia o apelo original dos muscle cars (segmento criado em 1964 pelo Pontiac GTO), nível mais simples de itens de série e preço mais atraente.

A ideia teve ótima recepção, o que o levaria a faturar o cobiçado título de Carro do Ano da revista Motor Trend, em 1969.

O Road Runner 1968 era equipado com um V8 383 (6,3 litros) de 335 cv, suficientes para ir a 96 km/h em 7,1 segundos.

O chassi era reforçado e o câmbio manual tinha quatro marchas. O desenho era atual, com linhas mais retas, colunas traseiras largas e inclinadas, mas sem perder as colunas centrais. O desenho do Papa-léguas aparecia no porta-malas, nas portas e no painel. A carroceria hardtop chegou logo no meio do ano.

Além de vários opcionais estéticos, havia o V8 Hemi de 425 cv, que acelerava de 0 a 100 km/h em 5,3 segundos.

Plymouth Road Runner

Com a inclusão do conversível e o prêmio do Carro do Ano, o modelo 1969 levou alguns meses para oferecer também o V8 de 390 cv.

Em 1971 o desenho foi todo atualizado, ficando mais curvilíneo, e passou a existir só como cupê hardtop. O para-choque dianteiro contornava toda a frente e o traseiro incorporava as lanternas.

O V8 383 regredia para 300 cv, mas o V8 340 opcional (5,6 litros) de 240 cv surgia como o primeiro motor de bloco pequeno do modelo. Em meio a restrições às emissões, os muscle cars perdiam pique.

Plymouth Road Runner

O carro das fotos é um 1972. Nele sobra espaço no banco dianteiro inteiriço e mole, mais adequado a um sedã familiar, e não faltam câmbio automático e direção hidráulica.

Com um ronco encorpado, o V8 340 nem parece motor de bloco pequeno, apesar do seu carburador quádruplo. Seu principal atrativo são os 40 mkgf de torque, percebidos nas respostas rápidas. Em piso irregular, o cupê balança como num colchão. Em velocidades altas, essa maciez resulta em saídas de traseira.

Plymouth Road Runner

O modelo ganhou reestilização mais simples no ano seguinte e desenho todo novo em 1975. A partir de 1976 seu nome passou a identificar um pacote de equipamentos do recém-lançado compacto Volaré.

Seus V8 estavam longe da diversão da fase áurea dos muscle cars. Quando saiu de linha, em 1980, o Road Runner deixou a lembrança do Plymouth que resgatou o espírito dos muscle cars unindo baixo preço ao bom humor.

Ficha Técnica
Motor: V8 de 5,6/6,5/7,2 litros
Potência: 240/255/280 cv a 4 800 rpm
Câmbio: manual de 3 ou 4 marchas/automático de 3 marchas
Carroceria: cupê
Dimensões: comprimento, 516 cm; largura, 201 cm; altura, 134 cm; entre-eixos, 292 cm; peso, 1 573 kg
Desempenho: 0 a 96 km/h em 7,8 segundos (V8 5.6)
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s