Clique e assine por apenas 8,90/mês

O dia em que participamos de um rali com uma picape Jeep Willys 1965

Nesta competição de carros antigos, descobrimos que ser regular é bem mais difícil do que ser rápido, principalmente pilotando um clássico

Por Felipe Bitu - 18 abr 2019, 07h00
QUATRO RODAS dirigiu o Jeep Willys 1695 Leonardo Azevedo/Quatro Rodas

Com a trégua da chuva, o seis-cilindros de 2,6 litros urrava a 4.400 rpm, rotação de potência máxima. Na planilha, uma placa azul servia de referência para o próximo posto de controle. Uma luz vermelha se acende no painel.

A fumaça saindo pelo capô anunciava que as nossas chances de vitória tinham acabado.

O mau tempo castigava a equipe QUATRO RODAS desde o Teatro Municipal de São Paulo, ponto inicial da Copa Paulista de Rallye Histórico.

Organizado pela restauradora Rusty Barn em fevereiro, o rali de regularidade percorreu no total 450 km até Caçapava (SP), sede do Museu do Automóvel, fundado em 1963 pelo famoso colecionador Roberto Lee.

Continua após a publicidade
Após 450 km ao volante, nosso repórter cumpriu sua missão Leonardo Azevedo/Quatro Rodas

No rali de regularidade, pouco importa a velocidade. O navegador orienta o piloto a manter uma média horária baseada no trajeto e nos pontos de controle indicados na planilha.

Para melhor controle, é permitido o uso de cronômetros e de um aplicativo específico para sistema Android.

Nossa Willys Pick-Up Jeep integrou o pelotão de 35 antigos inscritos. O evento também foi aberto a carros de menos de 30 anos com potencial para se tornar um clássico.

Para cruzar o Vale do Paraíba, o pré-requisito era estar em perfeita condição mecânica. Ou quase, já que a bateria da nossa picape insistia em arriar a cada partida.

Continua após a publicidade
A planilha indica o caminho e as distâncias exatas para o piloto se manter dentro do tempo Leonardo Azevedo/Quatro Rodas

Entre os mais antigos, estavam Ford Thunderbird 1956, Buick LeSabre 1959 e Chevrolet Corvette 1959. Nos destaques da década seguinte, havia os Ford Mustang e europeus como Renault 8 1965 e Alfa Giulia GT 1967.

Os nacionais Envemo Super 90 1981 e Alfa Romeo 2300 ti 1983 contrastavam com Porsche 911 Carrera 1975 e Mercedes 190 E 2.3-16 1988, raridades que podem passar dos R$ 400.000.

Após a largada, atravessamos o centro de São Paulo em direção ao interior, sempre nos limites da via.

Parecíamos um peixe fora d’água na Rodovia Ayrton Senna, onde o câmbio de três marchas limitou a velocidade de cruzeiro a 80 km/h, apesar de o limite da estrada ser de 120 km/h.

Continua após a publicidade
A largada no Teatro Municipal e a chegada ao Museu Roberto Lee: a história motorizada Leonardo Azevedo/Quatro Rodas

Os 70 anos do projeto original ficaram evidentes assim que ultrapassamos os 100 km/h. Sobrecarregada, a correia de acionamento do dínamo e da bomba d’água rompeu-se.

O reparo no acostamento custou 20 preciosos minutos, que não poderiam mais ser compensados, já que o próximo trecho entre Mogi das Cruzes e Salesópolis seria em pista simples limitada a 70 km/h.

Mas só o fato de terminar a prova já seria uma vitória. Por isso decidimos curtir o passeio.

A Willys brilha abaixo dos 80 km/h. Quase sem folga, a direção não é assistida, exigindo pouco esforço e muitas voltas. O câmbio tem engates precisos e a falta de sincronização na primeira não chega a ser um problema.

Continua após a publicidade
Veteranos experientes: BMW E21, 911 Targa e Alfa 2300 Leonardo Azevedo/Quatro Rodas

Os freios a tambor exigem atenção em frenagens sucessivas e os eixos rígidos demandam cautela no asfalto irregular. Os 18,6 mkgf a 2.000 rpm e 90 cv a 4.400 rpm são mais que suficientes para impulsionar seus 1.530 kg.

O ronco do seis-cilindros empolga e assim contornamos velozmente as curvas até São José dos Campos. Nem a baixa aderência dos pneus lameiros diagonais 6.50 16 estragou o prazer de dirigir aquele enorme utilitário.

Renault 8, réplica de AC Cobra Leonardo Azevedo/Quatro Rodas

Paramos para o almoço mais à frente e retornamos para a segunda etapa, pela Rodovia dos Tamoios.

A alegria de conduzir a Willys por uma via de pista simples voltou assim que pegamos a estrada de Jambeiro a Caçapava. Com problemas mecânicos, o LeSabre 1959 foi o único a não terminar a prova.

Continua após a publicidade

Isso nos poupou de ficar na última colocação da categoria, mas ainda assim fomos ovacionados pelo público em Caçapava: nada melhor para enaltecer o lema de que “carro parado não conta história”.

Como correr

Quem quiser participar das próximas quatro etapas da Copa Paulista de Rallye Histórico (11/04 a 9/11) deve ter um carro antigo ou neocolecionável e pagar a inscrição de R$ 450 no site http://www.cprh.com.br.

Publicidade