Novo Subaru XV: uma revolução interna

Visualmente idêntico ao anterior, nova geração do SV traz mudanças radicais na plataforma

Visual é parecido, mas a plataforma é nova, bem mais rígida e segura Visual é parecido, mas a plataforma é nova, bem mais rígida e segura

Visual é parecido, mas a plataforma é nova, bem mais rígida e segura (/)

Não vai ser fácil distinguir a nova geração do Subaru XV (apresentada em Genebra) da anterior. As proporções e linhas gerais permanecem as mesmas, assim como o perfil de crossover urbano.

Uma olha mais atenta, porém, revela que quase tudo é novo: faróis e lanternas, para-choques, os vincos nas laterias, os recortes nos vidros… até as rodas, apesar de parecidas, são diferentes.

O que realmente muda no novo SV, porém, está debaixo da carroceria. A plataforma agora é a modular Subaru Global Platform, que fez sua estreia no novo Impreza, lançado no ano passado.

Lanternas agora são horizontais, invadindo a tampa do porta-malas Lanternas agora são horizontais, invadindo a tampa do porta-malas

Lanternas agora são horizontais, invadindo a tampa do porta-malas (/)

Aqui, a evolução é radical: a rigidez estrutural aumentou 70% em relação ao modelo antigo, reduzindo vibrações e melhorando o comportamento dinâmico. A suspensão também é nova, capaz de reduzir a rolagem da carroceria em 50%, proporcionando maior estabilidade tanto em retas quanto em curvas.

O centro de gravidade foi baixado em 5mm, sem que a generosa altura em relação ao solo fosse diminuida – o vão livre permanece em 22 cm, ótimo para enfrentar terrenos acidentados.

O motor 2.0 do tipo boxer (com cilindros opostos) tem injeção direta, mas não foi dessa vez que ganhou turbo. Seus números de potência (156 cv) e torque (20 mkgf) são modestos, mas a Subaru afirma que as repostas e a economia de combustível melhoraram sensivelmente, graças a 80% de peças novas.

Altura em relação ao solo foi mantida, mas centro de gravidade baixou Altura em relação ao solo foi mantida, mas centro de gravidade baixou

Altura em relação ao solo foi mantida, mas centro de gravidade baixou (/)

O câmbio do tipo CVT pode simular uma transmissão de sete marchas, e a tração permanece sendo destaque: a famosa Subaru Symetrical All-Wheel Drive, agora equipada com vetoração ativa de torque (para sua distribuição entre diferentes rodas) e o X-Mode, um modo de condução para superfícies bem escorregadias que otimiza a integração entre o motor, a tração e os freios.

A nova tela de 8 polegadas no centro do painel complementa a tela menor, no topo A nova tela de 8 polegadas no centro do painel complementa a tela menor, no topo

A nova tela de 8 polegadas no centro do painel complementa a tela menor, no topo (/)

O interior traz mudanças simples, mas consistentes: uma tela touchscreen de 8 polegadas no centro do painel e mais refinamento no acabamento tradicionalmente espartano dos Subaru, com direito a acabamento com costuras laranjas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Jamelao Silva da Silva

    essa central multimídia com as saídas de ar, me lembram a cabeça do megazord.

  2. PAULO HERIQUE PEREIRA MONTEIRO

    Um, pra tirar o 10 nesse carro que muito me apetece, faltou o 1.4 turbo… A Suzuki saiu na frente!