Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Novo Ford GT gera até 100 GB de dados por hora

Superesportivo coleta mais dados do que o caça mais poderoso dos Estados Unidos

Por Henrique Rodriguez 3 ago 2017, 15h23
Ar entra pela frente e sai pelo capô para criar vácuo sob o carro e grudá-lo no asfalto
Há mais de 50 sensores espalhados pelo Ford GT Ford/Divulgação

O Ford GT é um dos supercarros mais esperados dos últimos anos e já sabemos que é um carro que proporciona sensações muito intensas. Agora, ele também se mostra significativamente mais avançado do que parece.

Há mais de 50 sensores ao redor da carroceria de fibra de carbono. É o suficiente para os módulos de controle do Ford GT gerarem até 100 GB de dados a cada hora. Basicamente 25.000 de músicas em MP3.

Carroceria é toda de carbono e as peças da estrutura são de alumínio aeroespacial
Carroceria é toda de carbono, assim como o cockpit. Mas há peças estruturais de alumínio aeroespacial Ford/Quatro Rodas

Em meio a estas informações estão dados de temperatura e umidade do ar, aderência do asfalto, posição da asa móvel traseira e outras mais banais, como posição do volante e dos pedais.

Estas informações são direcionadas a 25 sistemas de computação de bordo, que por sua vez são controlados por 10 milhões de linhas de código. A capacidade do GT é de analisar 300 MB de dados a cada segundo.

Cabine do Ford GT
Tudo no Ford GT é mapeado por sensores e enviado para os 25 módulos computacionais Divulgação/Ford

Nem o poderoso e complexo Lockheed Martin F-35 Lightning II trabalha com tantas linhas de programação. Não é um problema: o GT também usa alumínio aeroespacial na estrutura.

Continua após a publicidade

Publicidade