Muito antes do carro autônomo

Sistemas mais inteligentes estão dando ao motorista a segurança de um carro comandado por computador

geral geral

geral (/)

Apesar de cada vez mais frequentes nos noticiários, os carros autônomos ainda são vistos com

desconfiança por motoristas e autoridades de trânsito. Na Califórnia, por exemplo, onde já existe legislação específica, os veículos autoguiados precisam ter os comandos tradicionais – como volante e pedais – e só podem circular com uma pessoa habilitada a bordo capaz de assumir o controle, se eventualmente for necessário.

Entretanto, até a chegada de fato dos carros autônomos às nossas ruas, os automóveis convencionais terão tecnologias que permitirão a eles executar diversos comandos de forma independente, sem a intervenção do motorista. O principal campo de desenvolvimento nessa área é o da segurança. Equipados com sistemas eletrônicos capazes de monitorar o ambiente que cerca o veículo e de reagir automaticamente diante do risco de um acidente, os carros comuns poderão evitar uma colisão

com a eficiência dos autônomos.

Segundo a americana TRW, que pesquisa o assunto, a evolução se baseia no aumento da sensibilidade dos sensores e da capacidade de processamento das centrais eletrônicas, o que permitirá a integração dos diferentes dispositivos de monitoramento e controle do carro.

TRABALHO EM EQUIPE

Até 2020, os sistemas eletrônicos estarão interligados para ajudar os motoristas

GENTILEZA NO TRÂNSITO

O detector de pontos cegos avisará o piloto automático sobre a aproximação lateral de outro veículo.

Assim, o freio poderá ser acionado para liberar o espaço a fim de permitir a manobra.

FOCO ANTECIPADO

Avisado pelo sensor de mudança de faixa que o carro está se desviando da trajetória, o sistema de freio poderá atuar para evitar obstáculo que se aproxime à frente.

MEDIDA DE PREVENÇÃO

Uma vez que identifique cansaço do motorista, o sensor de fadiga alerta à central eletrônica que aumentará a vigilância sobre o tráfego e antecipará as respostas às situações de perigo.

REAÇÃO EM CADEIA

Sabendo que o carro não conseguirá frear a tempo de evitar uma colisão, o sistema de correção de rota, acoplado ao volante, provocará o desvio do objeto de forma autônoma.

VISÃO GERAL

Os radares passarão a medir as distâncias relativas dos diferentes objetos à frente para que as respostas dos outros sistemas do carro sejam mais precisas e adequadas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s