Jeremy Clarkson: Mercedes-AMG GT C Roadster dá frio na barriga!

Rápido, empolgante e de visual agressivo, o Mercedes-AMG GT C Roadster tem várias coisas legais - menos o recurso que faz alguém no banco de trás vomitar

O GT C Roadster é um superesportivo feito para ser carro de passeio

O GT C Roadster é um superesportivo feito para ser carro de passeio (Divulgação/Mercedes-Benz)

Como sou extremamente classe média, a escola dos meus filhos organizou viagens de intercâmbio com alunos de uma escola de Tóquio.

Isso quis dizer que meus filhos passaram umas semanas comendo peixe que ainda estava vivo e depois tiveram de hospedar pequenos japoneses que não tinham ideia do que fazer com uma colher.

Eu peguei uma dessas crianças no aeroporto e rapidamente ficou evidente que a menina não falava inglês. Ela ficou vagando no saguão após 11 horas de vôo, sofrendo um jet lag terrível, e foi recepcionada por um homem alto e gordo como nunca viu.

E ele se comunicou no que para ela deve ter soado como grunhidos de um animal de fazenda. Algo realmente bem desorientador.

Coloquei sua bagagem no porta-malas e ela sentou atrás segurando o que seria uma máquina tradutora maravilhosa. A ideia era que a menina falasse para ela e então a máquina repetisse para mim em inglês.

O GT C surpreende de capota aberta: seu interior se mantém silencioso

O GT C surpreende de capota aberta: seu interior se mantém silencioso (Divulgação/Mercedes-Benz)

Logo após entrarmos na rodovia, eu podia ver pelo retrovisor que minha hóspede microscópica estava tentando ligar a máquina. No meio do caminho, começou a ficar desesperada, pois estava tendo dificuldades.

Bem mais tarde, ouvi o bipe revelador de que ela tinha tido sucesso e logo ela falou algo em japonês para a caixinha eletrônica maravilhosa. Ela então a colocou perto do meu ouvido enquanto a máquina falava, com uma voz eletrônica: “Enjoo de carro”.

Nas duas semanas em que ficou conosco, ela passava mal depois de comer atum enlatado, purê de batatas, sorvete e qualquer comida que estivesse morta.

Mas aposto que se você perguntasse a ela hoje qual foi sua pior experiência, diria que foi aquele dia na rodovia, no carro, enquanto ela lançava o conteúdo do seu estômago nos matinhos ao lado da estrada.

O enjoo de movimento é algo terrível. Você quer morrer. Uma vez eu vi um cara deitado no chão do banheiro de um ferryboat que fazia a travessia do Canal da Mancha.

A viagem foi a mais turbulenta que já vi. Todos ficaram tão enjoados que o banheiro virou um lago de vômito. Que ficava sendo jogado sobre pobres coitados como eu.

E tudo isso me leva ao Mercedes-AMG GT. Quando o vi pela primeira vez, achei que fosse uma versão mais reduzida e realista do insano SLS AMG, com sua trilha sonora louca e suas portas asa de gaivota.

Por isso, supus que ele também seria um modelo único, de imagem. Mas não. A Mercedes o transformou em uma linha completa, que agora é tão complexa que você pode escolher a potência do motor e a cor do banco.

Bom, como eu já tinha pilotado o superduro e barulhento GT R cupê, sobre o qual tenho minhas dúvidas, pensei que, já que é verão aqui, eu deveria experimentar o ligeiramente menos potente, mas ainda bem vitaminado, GT C Roadster.

Assim como o “Sim, Eu Sou Um Carro de Corrida” GT R, ele tem direção nas quatro rodas. Se você estiver buscando o recorde em Nürburgring (que, por sinal, o GT R detém para carros de produção com tração traseira), isso é sensacional.

Quando se dirige um carro com as quatro rodas direcionáveis, você sempre fica espantado com a prontidão com que ele muda de direção. Mas eu não estava em Nürburgring.

Estava em Oxfordshire, dirigindo de forma não muito rápida, quando minha passageira pediu que parasse: ela estava com enjoo de carro. E a última vez em que isso ocorreu foi quando eu a estava levando num Porsche 911. Que também tem direção nas quatro rodas.

Para que direção nas 4 rodas num carro de passeio?

Para que direção nas 4 rodas num carro de passeio? (Divulgação/Mercedes-Benz)

O problema é que quando você gira o volante, mesmo que só um pouquinho, o carro vira num segundo. É muito instantâneo e, quando você é o passageiro, não dá tempo de se segurar ou mandar um sinal para que seu estômago aguente firme.

O motorista pode adorar essa sensação, mas acho que pode ser o fim do relacionamento com quem estiver no banco do passageiro.

Uma pena, pois há muitas coisas legais nesse carro. Ele tem o visual de um produto AMG tradicional: grande, agressivo e pesado.

Mas, de fato, ele é mais leve do que você poderia imaginar, graças a um chassi feito de hélio e uma tampa de porta-malas fabricada com feitiçaria. E também um pouco de magnésio.

O que significa que o grande V8 turbocomprimido, que responde tão rapidamente quanto a direção, tem muito menos para empurrar do que você poderia pensar. O que significa que o carro é rápido. Passando dos 315 km/h.

Ele também tem uma fabulosa arremetida, que levanta a frente e agacha a traseira quando você crava o pé no acelerador.

Eu gostaria de dizer que essa velocidade é surpreendente, mas você sabe desde o momento em que liga o motor, e os escapamentos acordam todo mundo em um raio de 20km, que será uma loucura.

O surpreendente é que você pode aproveitar boa parte da velocidade com a capota aberta. Uma vez que o interior se mantém silencioso e sereno.

Já o banco do motorista é um lugar agradável para se sentar. Claro, a alavanca de câmbio é montada mais perto do porta-malas do que da sua mão e, sim, há um monte de botões para confundi-lo.

Uma vez eu desliguei o que achava que era o recurso start-stop e então passei o dia inteiro em terceira, pois na verdade eu tinha colocado a caixa automática de sete marchas no modo manual.

Minha única reclamação real é a aspereza da suspensão. Ela é firme. Firme demais. O que é desnecessário, pois esse não é um carro de track day.

É um carro de passeio bonito e chamativo. Ou um devorador de rodovias. Ele deveria ter uma suspensão mais macia. E poderia dispensar essa direção nas quatro rodas.

A Mercedes não deveria tentar fazer superesportivos. Isso é para a Porsche. O que ela deveria fazer, em vez disso, seria levar esse veículo de volta para a prancheta e transformá-lo, que já está quase lá, de novo em um AMG Mercedes. Isso seria absolutamente genial.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s