Grandes Brasileiros: Miura MTS

Bonito e elegante, ele não deixava a desejar aos mais belos esportivos do mundo, mas sua mecânica...

Miura MTS O design bebeu nas mesmas fontes de Lotus e Maserati

O design bebeu nas mesmas fontes de Lotus e Maserati  (/)

Quando a Volks chegou ao país, ninguém imaginaria que ela criaria um importante segmento do nosso mercado: o dos fora-de-série. Versáteis, eles tinham chassi e mecânica de Fusca e deram origem a dezenas de modelos, com destaque para o Miura.

Sua história começa em 1966, quando Aldo Besson e Itelmar Gobbi fundaram a gaúcha Aldo Auto Capas, de acessórios automotivos. Logo os sócios vislumbraram a possibilidade de criar seu próprio carro, um cupê esportivo de formas retas e contemporâneas.

O desenho ficou a cargo de Nilo Laschuk, a partir dos esboços de Itelmar Gobbi: seguia a escola italiana, com dianteira em cunha e capô e para-brisa bem inclinados. Era um estilo original, pois lembrava muito o Lotus Esprit (1972), de Giorgetto Giugiaro, e o Maserati Khamsin (1973), de Marcello Gandini. Coube a Mariano Brubacher adequar a carroceria de fibra de vidro ao chassi VW. Só precisou reposicionar as alavancas de câmbio e freio de mão, por causa da posição recuada dos bancos.

Em 1977, as duas primeiras unidades foram apresentadas, em Porto Alegre. Em junho, a QUATRO RODAS testava o Miura, que chamou atenção pelo acabamento e requinte, com destaque para a coluna de direção com ajuste elétrico. Também era possível regular a distância dos pedais, como no Lamborghini Miura – que originou o nome do fora-de-série, baseado num touro campeão.

Miura MTS No lugar do boxer a ar do Fusca, ele itinha o motor do Passat na traseira

No lugar do boxer a ar do Fusca, ele itinha o motor do Passat na traseira  (/)

Outro destaque era o completo painel em três módulos quadrados, que trazia até termômetro e manômetro de óleo. Com boa ventilação e baixo nível de ruído, o cupê só tinha três opcionais: toca-fitas, vidro elétrico e ar-condicionado.

A engenhosidade também estava presente na carroceria: os pequenos faróis retangulares do Fiat 147 ficavam ocultos sob tampas escamoteáveis acionadas a vácuo. Outra preocupação aerodinâmica era o limpador de para-brisa pantográfico: herdado do VW SP2, ficava oculto sob o capô.

Miura MTS Herdados do Fiat 147, os faróis eram escamoteáveis

Herdados do Fiat 147, os faróis eram escamoteáveis  (/)

A sofisticação tinha seu preço: o básico custava mais que o Alfa Romeo 2300 e pouco menos que o Dodge Charger. Mas seu desempenho estava muito aquém do que sugeria seu design esportivo: 0 a 100 km/h em 25 segundos e máxima de 135 km/h.

A estabilidade também era ruim: o tanque de combustível traseiro prejudicava a distribuição de peso, provocando sobresterço e travamento das rodas dianteiras em frenagens fortes. Bom mesmo era curti-lo sem pressa: o acerto da suspensão era voltado ao conforto.

Seu foco era a exclusividade. Em dois anos, a produção saltou de seis unidades mensais para 25. A espera era de oito meses e, em 1980, começaram as exportações: a produção chegou a 360 unidades, quase um por dia.

Miura MTS Volante trazia o requinte do ajuste elétrico de altura

Volante trazia o requinte do ajuste elétrico de altura  (/)

Para manter seu apelo, em 1981 ele trocou o motor a ar pelo refrigerado a água do Passat TS. Chamado MTS, agora trazia um radiador dianteiro, auxiliado por duas ventoinhas elétricas: havia melhora na distribuição de peso, que subiu de 840 para 890 kg. O desenho do painel também mudou, mas o problema ainda estava na ineficiente suspensão de Fusca, projeto dos anos 30.

Cientes de que haviam chegado ao limite técnico do carro, Besson e Gobbi partiram para um novo projeto em 1981, o Targa, com motor e tração dianteiros. Ao todo, 1.078 Miura foram produzidos até 1985, entre os quais cerca de 300 MTS: o exemplar das fotos é um modelo 1980, que pertence ao Miura Clube do Rio de Janeiro.

Besson e Gobbi continuaram a fabricar seus cupês artesanais até a produção ser encerrada em 1992, pouco tempo após a abertura do mercado aos importados, novos ícones de luxo e exclusividade.

Teste QUATRO RODAS – março de 1979
Aceleração de 0 a 100 km/h 25,0 s
Velocidade máxima 134 km/h
Retomada de 40 a 100 km/h 31,8 s
Frenagem de 80 km/h a 0 30,9 m
Consumo rodoviário 12,5 km/l
Preço (fevereiro de 1979) Cr$ 238.752
Preço (atualizado IGP-DI / FGV) R$ 146.704
Ficha Técnica: Miura MTS 1980
Motor longitudinal, 4 cilindros em linha, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas no cabeçote, alimentação por carburador de corpo duplo
Cilindrada 1.588 cm³
Potência 96 cv a 6.100 rpm
Torque 13,2 mkgf a 3.600 rpm
Câmbio manual de 4 marchas, tração traseira
Dimensões comprimento, 430 cm; largura, 157 cm; altura, 114 cm; entre-eixos, 240 cm
Peso 890 kg
Pneus 185/70 R13, radiais
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s