Grandes Brasileiros: Fiat Elba

Menor perua nacional quando lançada em 1986, a Fiat Elba tinha o maior porta-malas da categoria

Fiat Elba A fórmula do Uno “esticado” caiu bem na Elba

A fórmula do Uno “esticado” caiu bem na Elba  (/)

Em meados dos anos 80, o Fiat 147 e seus derivados Oggi, Panorama, City e Fiorino começaram a dar lugar aos descendentes do Uno, lançado em 1984. O sedã Prêmio veio em 1985 e a perua Elba, no ano seguinte. Em 1988 viria a Fiorino nas versões picape e furgão.

A Elba ressaltou o foco da Fiat em aproveitamento de espaço, qualidade já demonstrada nos Uno e Prêmio. Ainda que mantivesse a timidez da antecessora Panorama no que diz respeito ao desempenho, a Elba conseguiu a proeza de ter o maior espaço para bagagem de uma perua nacional, com 847 litros entre o assoalho e o teto.

Um feito respeitável, uma vez que era dela também a marca das menores dimensões externas. E bastava rebater o assento traseiro para que nada menos que 1.749 litros de carga pudessem ser transportados.

Fiat Elba Uma aula de aproveitamento de espaço

Uma aula de aproveitamento de espaço  (/)

O espírito cargueiro contava com a tampa do porta-malas que elevava a parte central do pára-choque traseiro, criando um vão livre de 89 centímetros para o entra-e-sai da bagagem. A traseira se distinguia de Uno e Prêmio por um desenho mais esguio, com lanternas verticais finas e janela mais baixa.

Fiat Elba Espaço para incríveis 847 litros – ou 1.749, com encosto rebaixado

Espaço para incríveis 847 litros – ou 1.749, com encosto rebaixado  (/)

Havia duas versões de acabamento, S 1.3 e CS 1.5, ambas a álcool ou a gasolina. Além do motor, a versão superior dispunha de computador de bordo, vidros com acionamento elétrico, faróis halógenos, apoio de cabeça, lavador elétrico do pára-brisa com temporizador e rodas de liga leve, entre outros itens.

Duna lá

Quando a QUATRO RODAS testou a Elba pela primeira vez, em abril de 1986, usou a versão CS 1.5 a álcool de 71,4 cv. A perua Fiat atingiu 157,895 km/h de velocidade máxima e foi de 0 a 100 km/h em 14,83 segundos. A versão S 1.3 de 59,7 cv, testada em julho de 1986, alcançou 146,341 km/h e acelerou de 0 a 100 km/h em 17,38 segundos.

Fiat Elba Na relação consumo / desempenho, o 1.3 (foto) perde para o 1.5

Na relação consumo / desempenho, o 1.3 (foto) perde para o 1.5  (/)

Nem a economia compensou. Se na estrada a Elba 1.5 carregada rendeu 12 km/l, a versão 1.3 quase empatou, com 12,09 km/l. Na cidade, a média da 1.3 foi ainda pior, com 7,07 km/l contra 8,02 km/l.

O veterinário paulista Fabrício Oliveira Siqueira, dono da Elba S 1986 aqui apresentada, é testemunha: “Já cheguei a fazer 15 km/l”. A perua era de seu avô, que, depois de deixá-la dez anos parada, deu o carro ao veterinário. Foi com ela que Siqueira passou a fazer as entregas de sua clínica. Segundo ele, nesses 21 anos tudo foi mantido conforme o original.

Além do espaço de sobra do interior, chama atenção a leveza da direção mecânica e a maciez dos bancos. Os retrovisores pequenos dificultam manobras e mudanças de pista, e o engate do câmbio de cinco velocidades, como era comum nos Fiat da época, pede prática para não irritar o motorista.

Fiat Elba Instrumentos de fácil leitura. Na CS, até computador de bordo

Instrumentos de fácil leitura. Na CS, até computador de bordo  (/)

Se a VW Parati começou a ser exportada como perua Fox em 1987, a Elba teve seu passaporte carimbado para a Europa como Duna Weekend. Do modelo de exportação se adaptou o painel na nossa versão CSL 1989, quando o motor 1.5 passou a render 82 cv e o acabamento interno melhorou. A Elba CS saiu de linha e a S continuava praticamente igual.

Para 1990, veio a mudança mais significativa da história da Elba. Ganhou duas portas a mais e motor 1.6 de 88 cv. Já com a frente nova, com faróis mais estreitos, no comparativo de QUATRO RODAS em junho de 1991 com a Parati 1.8 e a Chevrolet Ipanema 1.8, a Elba foi a menos veloz, mas foi a mais econômica e freou melhor.

Em 1992 viria a injeção eletrônica da Elba Weekend 1.5 i.e. de 67,3 cv e, em 1994, foi a vez de a Elba CSL 1.6 abandonar a carburação e ganhar 1 cv. Em 1997 a Elba cedeu o posto à Palio Weekend, que também fez do espaço interno seu trunfo e logo deve completar surpreendentes 20 anos no mercado.

Teste – julho de 1986 (Elba S 1.3)
Aceleração de 0 a 100 km/h 17,38 s
Velocidade máxima 146,3 km/h
Frenagem de 80 km/h a 0 30 metros
Consumo urbano 7,07 km/l
Consumo rodoviário 13 km/l
Preço (julho de 1986) Cz$ 72.911
Preço (atualizado IGP-DI / FGV) R$ 66.398
Ficha Técnica – Fiat Elba S 1.3 1986
Motor dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.297 cm³
Diâmetro x curso 76 x 71,5 mm
Potência 59,7 cv a 5 200 rpm
Torque 10 mkgf a 2 600 rpm
Câmbio manual de 5 velocidades
Carroceria perua, 3 portas, 5 lugares
DImensões comprimento, 404 cm; largura, 155 cm; altura, 145 cm; entreeixos, 236 cm
Peso estimado 882 kg
Suspensão Dianteira: braços forjados e barra estabilizadora; Traseira: independente, com braços triangulares e molas semi-elípticas
Freios disco na frente, tambor na traseira
Direção mecânica, pinhão e cremalheira
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s