Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Freestyle

Energizantes dão novo gás aos esportes radicais sobre duas rodas e elevam os pilotos à categoria de superstars

Por Edu Zampieri Atualizado em 9 nov 2016, 11h56 - Publicado em 16 mar 2012, 11h15
Freestyle

Travis Pastrana, Robbie Maddison, Ricky Carmichael, Nicky Hayden, Casey Stoner, Dani Pedrosa, Cyril Despres, Jeremy McGrath e tantos outros dispensam apresentações. Não são pilotos de motos, e sim os melhores. Campeões ou artistas da pilotagem, que quando sobem ao pódio na frente de milhares de pesssoas ou em transmissões ao vivo para milhões de espectadores e tomam um gole da latinha de sua bebida patrocinadora, convencem, de uma forma ou de outra, que aquela bebida o ajudou a chegar ali, no lugar mais alto. Todos eles têm em comum o fato de ser patrocinados por duas das principais marcas de bebidas energéticas do planeta: a austríaca Red Bull e a norte-americana Monster Energy.

Essa disputa pelo mercado de energéticos tem possibilitado saltos cada vez mais espetaculares, como as seguidas quebras de recorde mundial que Maddison já fez em cima de uma moto, as inusitadas proezas de Pastrana e, é claro, os inúmeros eventos que cada uma dessas marcas patrocinam.

Robert William Maddison é um australiano de 30 anos que, assim como Travis Pastrana, começou a carreira sonhando que seria apenas mais um piloto de motocross. No entanto, com o passar dos anos, os dois perceberam que poderiam ganhar muito mais dinheiro realizando improváveis proezas em cima de uma motocicleta e com o mesmo patrocinador, a Red Bull. Maddison especializou-se em saltos de grande distância e altura, já Pastrana passou a fazer qualquer tipo de maluquice sobre rodas, seja moto, carro, patinete, ônibus e por aí afora. Pastrana, hoje, é dono da Nitrus Circus, que começou como um filme em que registrava todas as suas façanhas e agora já virou turnê mundial, em que seu “circo” faz apresentações com diversos atletas, saltando rampas e explodindo motos e ônibus com o simples intuito de desafiar a gravidade. Travis correu de Nascar e recebeu convite para correr de Fórmula Indy. É o principal garoto propaganda da Red Bull no mundo das motos.

Voando sem asas

Maddison quebrou pela primeira vez o recorde mundial de salto em distância com moto em 2005, quando saltou 74 metros. Além de participar do Red Bull X-Fighter (campeonato mundial de motocross freestyle), uma vez por ano realiza uma proeza espetacular, quase inacreditável, um verdadeiro show que consegue reunir milhares de pessoas. Em 2007 ele saltou, ao vivo, pela ESPN Internacional, as fontes do Hotel Caesars Palace em Las Vegas e quebrou seu recorde, transpassando 98,34 metros. Em março de 2008, na Austrália, ele saltou 106,98 metros numa noite de eventos.

Continua após a publicidade

Para celebrar o réveillon de 2008 para 2009, ele encarou uma rampa que o lançou a 24 metros de altura sobre a replica do arco do triunfo no Hotel Paris, em Las Vegas, e depois saltou de volta para aterrissar no chão e abraçar sua esposa. O evento já faz parte do calendário de acontecimentos da marca e é batizado de Red Bull New Years Eve.

Ele já realizou um backflip na ponte Tower Bridge, aberta, em Londres, já cruzou pelo ar – sempre de moto, é claro – o Corinth Canal, na Grécia, e também já saltou o grid de Fórmula 1 na etapa australiana. Basta digitar o nome Robbie Maddison no YouTube para ver dezenas de façanhas do piloto, que ganha a vida com o salário que recebe da Red Bull. Detalhe, ele utiliza motos 250 cc dois-tempos; já utilizou KTM, mas está quase sempre de Yamaha YZ 250. O maior rival de Maddison no Campeonato Mundial de Motocross Freestyle é Nate Adams, que é o atual campeão. Patrocinado por quem? Pela concorrente, Monster Energy, é claro.

Travis Pastrana conta com patrocínio da Suzuki e, portanto, gosta de utilizar as amarelinhas RM, sempre dois-tempos. Já ganhou 17 medalhas no X-Games. Começou ganhando atenção da mídia em 1999, quando saiu da pista de freestyle e voou para fora dela, além da arquibancada, caindo no mar. Depois disso, já saltou sem paraquedas de moto sobre o Grand Canyon de um avião, foi o primeiro a realizar um duplo backflip e já tem na manga um triplo backflip para realizar em breve, em um evento oficial. Tudo financiado pela Red Bull.

A Monster Energy promove, entre uma infinidade de eventos, vídeos para o YouTube. Um de seus principais patrocinados era ninguém menos que o italiano de MotoGP Marco Simoncelli, que perdeu a vida recentemente. Ricky Carmichael é seu principal pupilo no moto cross, no entanto, a Monster briga com a Red Bull como principal patrocinadora em etapas do Mundial de Motocross. A Monster não tem equipe de Fórmula 1, mas é a principal patrocinadora da equipe Yamaha Tech 3 no Mundial de Moto- GP. Antonio Cairolli, James Stewart e Stefan Everts (patrocinados pela Red Bull), quando em frente às câmeras, disputam espaço com John Hopkins, Robby Gordon,Valentino Rossi, Ryan Villopoto, Colin Edwards e Jeremy McGrath, patrocinados pela Monster. Simplesmente os melhores contam com patrocínio de uma dessas marcas. Sem contar atletas de outras categorias. O Neymar, do Santos, tem patrocínio da Red Bull.

A ideia é simples. Está aparecendo? Vai ser patrocinado! O “M” verde em fonte parecida com um monstro ou as cores azul, vermelha e amarela estão em alta. Quando você visualizar um capacete pintado com esses símbolos, não précis beber o energético. Mas respeite, esse cara provavelmente vai vencer.

Continua após a publicidade

Publicidade