Fórum Direções: Para GM, futuro é elétrico, conectado e autônomo

Hermann Mahnke, diretor de marketing da empresa, analisou os desafios do setor automotivo para os próximos anos

Presidente da GM defende que o futuro está na conectividade e no compartilhamento Executivo da GM defende que o futuro está na conectividade e no compartilhamento

Executivo da GM defende que o futuro está na conectividade e no compartilhamento (Bio Foto/Quatro Rodas)

O diretor de marketing da GM Mercosul, Hermann Mahnke, começou sua apresentação na quarta edição do Fórum Direções, promovido por QUATRO RODAS nesta terça (19) no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, com uma frase de Mary Barra, CEO da GM: “Os próximos cinco anos terão mais mudanças do que nos últimos 50.”

Mahnke falou sobre as chamadas “megatendências”. Ou seja, o rumo que o futuro deve seguir. Entre elas, há as megacidades – São Paulo incluída -, onde pelo menos 10 milhões de pessoas disputam espaços cada vez mais caros e restritos.

“As pessoas querem mais conforto, uma maior qualidade de vida, sem que questões como poluição ou dificuldade de mobilidade piorem. Neste cenário, podemos fazer parte do problema ou ajudarmos na solução”, disse o executivo.

“Há quem ache que a solução seja investir em mais ruas, pontes e infraestrutura viária. Só que isso envolve muitos desafios, como o investimento alto e limitação de espaço”, continuou Mahnke. “Os automóveis precisam ter harmonia neste novo conceito de mobilidade, que inclui meios de transporte coletivos e individuais, como bicicletas.”

Com a venda de carros – uma das raízes de qualquer fabricante – em cheque no futuro, a GM optou por investir em diferentes frentes, incluindo o compartilhamento de veículos.

 

Os novos consumidores de carros são adeptos do compartilhamento Os novos consumidores de carros são adeptos do carsharing e aluguel de carros por hora

Os novos consumidores de carros são adeptos do carsharing e aluguel de carros por hora (Bio Foto/Quatro Rodas)

“Em média, um automóvel particular fica 90% de seu tempo parado. Neste desperdício temos uma oportunidade para criarmos um novo momento em nossa indústria”, revelou Mahnke.

Para a GM, os novos consumidores buscam novas soluções de mobilidade, que passam pelo carsharing e aluguel de carros por hora. Esse é o foco do Maven, sistema de compartilhamento de carros criados pela GM nos EUA cujos veículos já rodaram mais de 290 milhões de km, tendo uma base de 70 mil usuários em 17 cidades.

“O usuário do Maven é um millenial – uma faixa etária que não é atraída pelo mercado tradicional de automóveis. Ele é extremamente conectado”, explicou Mahnke. O Brasil foi o segundo país a receber a plataforma, que, por aqui oferece veículos para funcionários da GM em suas fábricas no país.

Para Mahnke, atuar em um país emergente tem em alguns defeitos também algumas virtudes. “Apesar de adotarmos algumas tecnologias tardiamente, temos a vantagem de adotar sistemas e recursos mais maduros.

Por exemplo, muita gente que nunca usou ou usou muito pouco um PC agora acessa a internet diretamente de um smartphone.”

Hermann destacou os quatro pilares que a GM trabalha para construir o futuro da mobilidade: eletrificação, compartilhamento, veículos autônomos e conectividade. Este último pilar foi um dos primeiros desenvolvidos pela marca, por meio do seu serviço de concierge e monitoramento OnStar.

Apesar de ter menos de três anos no Brasil o sistema permitiu que 98,6% dos veículos furtados equipados com o OnStar fossem recuperados, segundo a GM. Além do rastreamento por roubo, o equipamento oferece outras comodidades.

A GM também avançou no desenvolvimento de veículos totalmente autônomos. A marca utiliza 50 unidades do Bolt, seu primeiro carro elétrico de entrada, para maturar os sistemas de controle automático. “Precisamos garantir que esse tipo de veículo seja 100% seguro quando iniciarmos sua comercialização no futuro.

Não podemos expor nossos clientes e pedestres a riscos envolvendo falhas mecânicas ou técnicas”, continuou o executivo. “O grande desafio da indústria agora é fazer uma escala para obter a industrialização do veículo autônomo.”

Hermann afirmou que, se depender da tecnologia, uma frota composta somente por carros autonônomos seria virtualmente imune a acidentes. “Atualmente mais de 90% dos acidentes são provocados por falha humana, e os carros autônomos vão evitar isso”, concluiu.

 (./Quatro Rodas)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s