Clique e assine por apenas 8,90/mês

Dinossauro de 32 anos: Peugeot 405 começa a ser feito no Azerbaijão

Sedã francês ganhou nova fábrica com capacidade para montar 10.000 carros por ano

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 10 abr 2019, 17h23 - Publicado em 9 abr 2019, 20h22
Uma fábrica novinha em folha para um carro que deixou de ser vendido no Brasil em 1997 Reprodução/Internet

O Peugeot 405 não é vendido no Brasil e na Europa desde 1997, mas é o mais novo carro nacional do Azerbaijão.

Por lá, será vendido como Peugeot Khazar 406. Há algumas diferenças em relação ao 405 vendidos no Brasil, como novos faróis, grade, o logotipo dos anos 2000, as lanternas bicolores parecidas com as do 605 e o painel sensivelmente modernizado, com plásticos que imitam madeira e rádio com leitor de CDs e MP3.

O Peugeot 405 nunca teve interior tão moderno – leia-se dos anos 2000 Reprodução/Internet

Outros luxos são os bancos dianteiros com ajustes elétricos, dois airbags dianteiros e câmbio automático de quatro marchas. Há duas opções de motores: o 1.8 XU7 de 101 cv e o 1.6 diesel TU5 de 105 cv.

O sedã, lançado em 1987, ganhou até mesmo uma fábrica novinha em folha na cidade de Neftçala, às margens do mar Cáspio e a cem quilômetros de Baku. Ela tem capacidade é para montar 10.000 carros por ano, a princípio só para abastecer o mercado local.

Continua após a publicidade
As novas lanternas traseiras lembram o 605, descontinuado há 20 anos Reprodução/Internet

Quem está por trás do negócio é a AzerMash OJSC, joint venture (75/25) com a Iran Khodro (algo como “Automóveis Iranianos”), também conhecida como Ikco.

A Ikco produz o Peugeot 405 ininterruptamente desde 1991. O Khazar 406 nada mais é do que uma das atualizações do 405 batizada de Peugeot Pars. No passado, a Ikco exportou o Pars para o Azerbaijão. Agora, enviará kits de carros desmontados para serem montados em Neftçala.

O Ikco Dena também está sendo montado no Azerbaijão Reprodução/Internet

Ainda existe os Ikco Samand, Soren e o moderno Dena (que também será feito no Azerbaijão), todos baseados na plataforma do 405 de 32 anos atrás. Até uma versão com tração traseira chegou a ser criada. Hoje apenas a picape Arisun (sim, um 405 picape) tem tração traseira.

Como os Peugeot foram parar no Irã?

Fundada em 1962 como Iran National, a Ikco era uma empresa privada criada para desenvolver o mercado automotivo na região da antiga Pérsia.

Continua após a publicidade
O Paykan é o carro mais icônico do Irã Wikipedia/Internet

Mesmo independente, o Irã era uma zona de influência dividida entre a Rússia e o Reino Unido desde 1907. Os britânicos sempre permaneceram atentos ao país, mesmo comercialmente. Tanto que a Iran National fechou acordo com a britânica Hillman (então parte do grupo Rootes) para fabricar o Hunter a partir de 1967.

Ele seria rebatizado de Paykan, e ficaria em produção até 2005. Sua versão picape, porém, foi produzida até 2015.

A Peugeot só entra na história após uma sucessão de compras. Primeiro, em 1967, a Chrysler compra a Rootes, a francesa Simca e a espanhola Barreiros, formando a Chrysler Europa. A PSA (dona de Peugeot e Citroën) compra a Chrysler Europe em 1979, mesmo ano em que acontece a Revolução Iraniana.

O Peugeot 405 original ainda é feito no Irã ikco/Divulgação
Ikco/Divulgação

Mesmo com a Iran National nacionalizada e transformada na Iran Khodro, a Peugeot se aproxima da empresa para fornecer motores. Logo os motores do 504 estariam no Paykan.

Continua após a publicidade

No final da década de 80 os líderes da Ikco recorreram à Peugeot para ter um substituto para o Paykan. Foi assim que em 1991 o 405 começou a ser montado no Irã em duas versões: uma com o motor 1.8 original do modelo e outra com a mesma mecânica do Paykan, para convencer clientes mais conservadores.

Arisun, a picape do 405 que só existe do Irã Ikco/Divulgação

A relação entre a Ikco e a Peugeot só seria rompida em 2012, quando a empresa francesa, pressionada pela General Motors (agora sua parceira) passou a respeitar embargo contra o Irã.

Na falta de componentes franceses, a fabricante iraniana precisou recorrer à China para continuar produzindo seus carros. Quando a relação foi restabelecida, a Ikco passou a produzir os Peugeot, 2008, 206 e 207 nas versões hatch e sedã, além de sua própria versão deles o Runna.

Hoje a Ikco ainda vende carros da Renault(Logan e de sua picape), Suzuki (Grand Vitara) e da Chinesa Haima.

Publicidade