Dinossauro de 32 anos: Peugeot 405 começa a ser feito no Azerbaijão

Sedã francês ganhou nova fábrica com capacidade para montar 10.000 carros por ano

Uma fábrica novinha em folha para um carro que deixou de ser vendido no Brasil em 1997

Uma fábrica novinha em folha para um carro que deixou de ser vendido no Brasil em 1997 (Reprodução/Internet)

O Peugeot 405 não é vendido no Brasil e na Europa desde 1997, mas é o mais novo carro nacional do Azerbaijão.

Por lá, será vendido como Peugeot Khazar 406. Há algumas diferenças em relação ao 405 vendidos no Brasil, como novos faróis, grade, o logotipo dos anos 2000, as lanternas bicolores parecidas com as do 605 e o painel sensivelmente modernizado, com plásticos que imitam madeira e rádio com leitor de CDs e MP3.

O Peugeot 405 nunca teve interior tão moderno – leia-se dos anos 2000

O Peugeot 405 nunca teve interior tão moderno – leia-se dos anos 2000 (Reprodução/Internet)

Outros luxos são os bancos dianteiros com ajustes elétricos, dois airbags dianteiros e câmbio automático de quatro marchas. Há duas opções de motores: o 1.8 XU7 de 101 cv e o 1.6 diesel TU5 de 105 cv.

O sedã, lançado em 1987, ganhou até mesmo uma fábrica novinha em folha na cidade de Neftçala, às margens do mar Cáspio e a cem quilômetros de Baku. Ela tem capacidade é para montar 10.000 carros por ano, a princípio só para abastecer o mercado local.

As novas lanternas traseiras lembram o 605, descontinuado há 20 anos

As novas lanternas traseiras lembram o 605, descontinuado há 20 anos (Reprodução/Internet)

Quem está por trás do negócio é a AzerMash OJSC, joint venture (75/25) com a Iran Khodro (algo como “Automóveis Iranianos”), também conhecida como Ikco.

A Ikco produz o Peugeot 405 ininterruptamente desde 1991. O Khazar 406 nada mais é do que uma das atualizações do 405 batizada de Peugeot Pars. No passado, a Ikco exportou o Pars para o Azerbaijão. Agora, enviará kits de carros desmontados para serem montados em Neftçala.

O Ikco Dena também está sendo montado no Azerbaijão

O Ikco Dena também está sendo montado no Azerbaijão (Reprodução/Internet)

Ainda existe os Ikco Samand, Soren e o moderno Dena (que também será feito no Azerbaijão), todos baseados na plataforma do 405 de 32 anos atrás. Até uma versão com tração traseira chegou a ser criada. Hoje apenas a picape Arisun (sim, um 405 picape) tem tração traseira.

Como os Peugeot foram parar no Irã?

Fundada em 1962 como Iran National, a Ikco era uma empresa privada criada para desenvolver o mercado automotivo na região da antiga Pérsia.

O Paykan é o carro mais icônico do Irã

O Paykan é o carro mais icônico do Irã (Wikipedia/Internet)

Mesmo independente, o Irã era uma zona de influência dividida entre a Rússia e o Reino Unido desde 1907. Os britânicos sempre permaneceram atentos ao país, mesmo comercialmente. Tanto que a Iran National fechou acordo com a britânica Hillman (então parte do grupo Rootes) para fabricar o Hunter a partir de 1967.

Ele seria rebatizado de Paykan, e ficaria em produção até 2005. Sua versão picape, porém, foi produzida até 2015.

A Peugeot só entra na história após uma sucessão de compras. Primeiro, em 1967, a Chrysler compra a Rootes, a francesa Simca e a espanhola Barreiros, formando a Chrysler Europa. A PSA (dona de Peugeot e Citroën) compra a Chrysler Europe em 1979, mesmo ano em que acontece a Revolução Iraniana.

O Peugeot 405 original ainda é feito no Irã

O Peugeot 405 original ainda é feito no Irã (ikco/Divulgação)

 (Ikco/Divulgação)

Mesmo com a Iran National nacionalizada e transformada na Iran Khodro, a Peugeot se aproxima da empresa para fornecer motores. Logo os motores do 504 estariam no Paykan.

No final da década de 80 os líderes da Ikco recorreram à Peugeot para ter um substituto para o Paykan. Foi assim que em 1991 o 405 começou a ser montado no Irã em duas versões: uma com o motor 1.8 original do modelo e outra com a mesma mecânica do Paykan, para convencer clientes mais conservadores.

Arisun, a picape do 405 que só existe do Irã

Arisun, a picape do 405 que só existe do Irã (Ikco/Divulgação)

A relação entre a Ikco e a Peugeot só seria rompida em 2012, quando a empresa francesa, pressionada pela General Motors (agora sua parceira) passou a respeitar embargo contra o Irã.

Na falta de componentes franceses, a fabricante iraniana precisou recorrer à China para continuar produzindo seus carros. Quando a relação foi restabelecida, a Ikco passou a produzir os Peugeot, 2008, 206 e 207 nas versões hatch e sedã, além de sua própria versão deles o Runna.

Hoje a Ikco ainda vende carros da Renault(Logan e de sua picape), Suzuki (Grand Vitara) e da Chinesa Haima.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s