Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Crise de semicondutores só acaba em 2024, diz chefão da VW

Além da falta de chips, montadoras também estão tendo que lidar com a escassez de chicotes elétricos devido a guerra na Ucrânia

Por João Vitor Ferreira 11 abr 2022, 20h24

Fábricas paralisando a produção ou trabalhando em turnos reduzidos serão notícia por, pelo menos, mais dois anos. De acordo com o Grupo Volkswagen, a escassez de chips semicondutores continuará sendo um problema até 2024.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Arno Antlitz, chefe financeiro da VW, acredita que, embora o abastecimento de semicondutores melhore no decorrer deste ano e no próximo, o problema já se tornou estrutural e precisará de mais tempo do que o esperado para ser resolvido.

“Vemos uma falta de oferta estrutural em 2022, que provavelmente diminuirá um pouco no terceiro ou quarto trimestre. A situação deve melhorar em 2023, mas o problema estrutural ainda não terá sido totalmente resolvido”, disse Antlitz para o Automotive News Europe.

Mesmo com o fim da pandemia e o retorno das atividades normais das indústrias, Antlitz explica que as fabricantes de chips não darão conta de atender à crescente demanda, ainda que aumentem a produção.

Continua após a publicidade

Essa previsão também é compartilhada por outra montadora alemã. Em entrevista ao jornal suíço Neue Zuercher Zeitung, o CEO da BMW, Oliver Zipse, disse que a escassez de semicondutores ainda está no auge e que a marca se prepara para um 2023 de baixa oferta dos componentes.

Linha de produção BMW
Assim como a Volks, a BMW faz as mesmas previsões sobre os chips semicondutores e também tem dificuldades para conseguir chicotes elétricos Divulgação/BMW

E se a previsão não era boa, a situação só tende a piorar. Além da escassez de chips semicondutores, as montadoras europeias também estão sofrendo com a falta de chicotes elétricos, componente que em sua maior parte é fabricado na Ucrânia.

A guerra com a Rússia vêm afetando a exportação dos chicotes. Segundo Antlitz, as fábricas da VW já estão sendo obrigadas a suspender turnos, já que seu fornecedor ucraniano está operando em turno único de trabalho. Recentemente, a BMW também foi obrigada a suspender a produção por alguns dias devido à escassez do componente.

Compartilhe essa matéria via:

Com a oferta limitada, a Volks está sendo forçada a procurar novos fornecedores alternativos temporários. “Montamos uma equipe de crise e, em alguns casos, também transferimos volumes para outras instalações de produção dos mesmos fornecedores. No entanto, os locais alternativos não devem substituir os locais de produção na Ucrânia a longo prazo.”, disse Antlitz.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo da QUATRO RODAS! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

App QUATRO RODAS para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês