Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Como o ponto H influencia o seu prazer… de dirigir um carro

Ponto está associado às sensações que motorista tem ao volante, e pode oferecer tanto um comportamento mais voltado ao conforto quanto esportivo

Por Paulo Campo Grande
Atualizado em 2 dez 2019, 08h00 - Publicado em 2 dez 2019, 07h00
O ponto H determina diversas características de um projeto (Divulgação/Ford)

Muito se fala sobre o ponto H. Em alguns casos ele é elevado; em outros, rebaixado.

Nos anos 2000, houve um movimento de elevação que dura até hoje. Mas, atualmente, existe uma tendência, que ainda não se sabe se veio para ficar, de rebaixamento do ponto H.

Por definição, o ponto H é um ponto teórico criado pelo encontro do prolongamento das linhas do tronco e das pernas dos ocupantes do veículo.

No carro, ele estaria localizado próximo à articulação do assento com o encosto do banco. H vem de hip, quadril em inglês.

O ponto H se localiza no espaço ocupado pelo quadril do motorista (Divulgação/Mercedes-Benz)

Normalmente, o ponto H é mencionado toda vez que se faz referência ao posto do motorista, mas todas as demais posições do veículo também possuem seu respectivo ponto H.

O do motorista é o mais importante porque é o ponto de partida de todo projeto do carro. É a partir dele que designers e engenheiros estabelecem quase todas as características do veículo.

Continua após a publicidade
Minivans como a Dodge Caravan privilegiam o conforto (Divulgação/Dodge)

O ponto H serve de referência para se determinar coisas como campo de visão do motorista, espaço para movimentação de pernas e mãos, posicionamento de pedais, volante, instrumentos e retrovisores e também a instalação de dispositivos de segurança, como airbags, cintos e reforços estruturais da carroceria.

Outra medida associada ao ponto H é a altura do carro em relação ao solo.

Esportivos como o Audi R8 LMS priorizam a interação do motorista (Divulgação/Audi)

O ponto H influencia até na aerodinâmica, uma vez que ele impõe limites à altura da cabine e à inclinação do para-brisas. Para o motorista, é importante porque ele tem relação direta com as sensações ao volante.

Um ponto H elevado proporciona mais conforto desde à facilidade de acesso ao assento até o campo de visão mais amplo, passando pela posição de dirigir mais cômoda.

Posição de pedais, volante e instrumento são orientadas pelo ponto H (Divulgação/Mercedes-Benz)

Já um ponto H rebaixado garante maior prazer ao dirigir por favorecer a interação do motorista com o veículo.

Continua após a publicidade

Ao optar por um destes perfis, automaticamente abre-se mão dos benefícios do outro. E, como você já deve ter notado, os pontos positivos de um são os negativos do outro.

Mas um não é necessariamente melhor ou pior que o outro. Eles apenas são diferentes porque existem para atender necessidades diferentes.

O ponto H influencia até mesmo o projeto aerodinâmico (Divulgação/Mercedes-Benz)

O projeto de um carro que privilegia o conforto, seja porque é um modelo de luxo ou porque foi feito para uso prolongado e em condições de uso severo (como estradas sem pavimento por exemplo), tenderá a ter ponto H elevado.

Ao contrário, um veículo esportivo, tenderá a ter o ponto H rebaixado. Um Fórmula 1, chega a raspar o assoalho no asfalto, dependendo do momento.

Nos anos 2000, influenciadas pelo sucesso das minivans, que possuíam ponto H em posição elevada, houve uma corrida na indústria para elevar o ponto H de modelos convencionais, como cupês e sedãs.

Continua após a publicidade
recall
SUVs devem oferecer conforto em viagens longa em qualquer tipo de terreno (Divulgação/Land Rover)

O argumento era o conforto e a segurança (em razão do aumento da visibilidade e da sensação de controle da situação que a posição elevada proporcionava aos motoristas).

Depois vieram os SUVs alardeando atributos de robustez, força e disposição para enfrentar todo tipo de terreno.

Atualmente, porém, alguns lançamentos estão chegando ao mercado apresentando pontos H em posição mais baixa que o de seus antecessores.

Lexus UX traz ponto H rebaixado para proporcionar mais prazer ao dirigir (Divulgação/Lexus)

Entre esses modelos podemos citar os novos Chevrolet Onix, nas versões hatch e sedã, e o Audi Q3. Mas há também modelos inéditos, que não tiveram antecessores, que também seguem essa tendência mais nítida entre os SUVs.

Como exemplo temos BMW X2, Volvo XC40 e Lexus UX.

Continua após a publicidade

Ou as fábricas perceberam que os motoristas desejavam maior interação com seus carros ou resolveram valorizar o prazer ao dirigir que é uma razão de compra do carro que andou desprestigiada nos últimos tempos.

Na nova geração, Onix também ganhou um ponto H mais baixo (Fernando Pires e Fabio Gonzalez/Quatro Rodas)

É costume dizer que o ponto H pertence ao veículo mas, de fato, ele se localiza nas pessoas que viajam a bordo do veículo. Quem tem quadril são as pessoas.

Hoje em dia, com o recurso do ajuste da altura do assento, o ponto H pode variar. Mas isso é possível dentro de limites.

E as fábricas sempre adotam um ponto como referência levando em conta o perfil da população, porque um projeto deve atender a pessoas com diferentes características físicas (peso, altura, largura de ombros, quadril), inclusive para fins da homologação legal do veículo.

Para isso existem manequins que reproduzem as medidas humanas. Antigamente, os designers usavam gabaritos físicos para ajustar essas medidas ao projeto. Mas hoje os softwares de projeto virtual possuem todos os recursos necessários a essa tarefa.

Continua após a publicidade

Da próxima vez que assumir o volante repare onde se posiciona seu quadril. O ponto H está onde a extensão de suas pernas encontra com o prolongamento de sua coluna vertebral.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.