Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Como a Ford encostou na traseira da GM no segundo trimestre

Montadoras apresentaram resultados financeiros nesta semana e receitas com vendas foram quase que equivalentes no período

Por Daniela Barbosa, de Exame.com Atualizado em 9 nov 2016, 12h35 - Publicado em 25 jul 2013, 17h21
geral

As duas maiores montadoras dos Estados Unidos, a General Motors e a Ford, anunciaram seus resultados financeiros do segundo trimestre nesta semana, e os números apresentados por elas animaram investidores e analistas, principalmente os da Ford, que registrou lucro 15% maior, atingindo 1,2 bilhão de dólares, e vendas quase 20% mais altas na comparação com o mesmo período de 2012. A receita da companhia totalizou 38,1 bilhões de dólares, montante que a aproximou de sua principal rival no mercado americano, a GM, que por somou vendas de 39,1 bilhões de dólares, crescimento de 4% na mesma base de comparação e registrou lucro 24% menor no trimestre.

A Ford atribuiu ao bom desempenho uma série de fatores, entre eles, o sucesso de modelos estratégicos, como o utilitário Escape. O crescimento das vendas na Ásia e América do Sul também ajudou a montadora no período, principalmente porque os números conquistados nessas regiões compensaram as perdas recorrentes no mercado europeu. Com uma visão mais otimista para os próximos trimestres, a montadora afirmou que deve aumentar seu lucro neste ano – a previsão anterior era que os ganhos ficariam no mesmo patamar que os apresentados em 2012.

Estratégia

Desde que assumiu a presidência da Ford, em 2006, Alan Mulally implantou na companhia um projeto batizado de família completa de veículos e o plano está começando a trazer retorno financeiro. De acordo com o executivo, nos Estados Unidos, a montadora abastece o mercado com as SUVs, segmento preferido dos americanos, e em outros países preenche as lacunas com as demais categorias de automóveis. “Essa decisão está nos dando muitas oportunidades para crescer”, afirmou Mulally, em comunicado sobre os resultados do trimestre.

Continua após a publicidade

O próximo passo da montadora é depender cada vez menos do mercado americano, que ainda responde por boa parte dos ganhos da Ford no mundo – cerca de 80%. “O objetivo é que um terço das nossas vendas venha da América do Norte e o restante dividido em partes iguais entre as demais regiões onde mantém operação”, disse Mulally.

Resultados

Na Europa, mercado mais crítico para a companhia por causa da recessão enfrentada pela região, a Ford conseguiu diminuir as perdas no segundo trimestre, que somaram 348 milhões de dólares. Um ano anos, a montadora havia registrado prejuízo de 404 milhões de dólares na região.

Em contrapartida, na Ásia, a montadora conseguiu somar lucro de 177 milhões de dólares, ante prejuízo de 66 milhões de dólares acumulados no mesmo período de 2012. A China segue como país mais promissor da região asiática. Por lá, as vendas cresceram 47%, totalizando mais de 400.000 unidades comercializadas no primeiro semestre do ano.

Já na América do Sul, que inclui as operações brasileiras da montadora, o lucro da Ford cresceu de 5 milhões de dólares para 151 milhões de dólares no segundo trimestre do ano. No Brasil, nos seis primeiros meses do ano, as vendas da montadora ficaram estáveis na comparação com o mesmo período de 2012, totalizando 155.000 unidades.

Continua após a publicidade

Publicidade