Clássicos: Ford Crown Victoria, o grã-fino que virou policial

Conhecido como táxi e carro de polícia nos últimos anos, nasceu refinado na Detroit dos anos 50

O Crown Victoria 1955 trazia para-brisa envolvente O Crown Victoria 1955 trazia para-brisa envolvente

O Crown Victoria 1955 trazia para-brisa envolvente (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Vários clássicos justificam a fama de era de ouro da Detroit dos anos 50. Na Ford, depois do Thunderbird, nenhum outro modelo impressionou tanto o mercado como o Crown Victoria 1955.

Versão do Fairlane, esse sedã de duas portas encantou o público pelo estilo – e que estilo. Ficou célebre por suas colunas centrais, que eram unidas numa barra de inox, formando uma espécie de tiara.

A pintura saia-e-blusa era dividida por um friso lateral que lembrava as asas de uma gaivota. O para-brisa envolvente, como o introduzido por Chevrolet Corvette e Cadillac Eldorado de 1953, marcava uma nova geração dos Ford de passeio.

Coluna central forma a típica "tiara" de aço inoxidável sobre o teto Coluna central forma a típica “tiara” de aço inoxidável sobre o teto

Coluna central forma a típica “tiara” de aço inoxidável sobre o teto (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O teto sobre o banco dianteiro podia ser de um acrílico transparente chamado Plexiglas, um opcional que arrematava o mito, apelidado de Crown Vic.

Sob o capô, em geral, havia um V8 4.5 de 162 cv, que ganhava 20 cv com o carburador de corpo quádruplo e o escapamento duplo, opcionais – mas o modelo básico tinha um seis-cilindros 3.6 de 120 cv. O câmbio era de três marchas, manual ou automático.

Numa época de carros tão grandes, coloridos e cromados, a marca criou com o Crown Vic uma imagem de sofisticação que não era associada aos Ford.

Interior acompanha o tom bicolor da pintura Interior acompanha o tom bicolor da pintura

Interior acompanha o tom bicolor da pintura (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O exemplar 1955 das fotos é mantido há 32 anos por Julio e Nelson Ott, ex-funcionários da Ford, pai e filho. Como num Porsche, a partida fica à esquerda.

Apesar da maciez dos bancos inteiriços, um terceiro passageiro no centro fica mal acomodado devido ao ressalto do túnel da transmissão. Um apoio de braço retrátil divide o banco de trás.

A direção hidráulica é enorme, fina e fiel ao transmitir irregularidades do piso. Na coluna está a alavanca do câmbio automático, de trocas suaves. O alto torque do V8 está quase todo disponível em baixo giro e a suspensão é típica dos americanos da época, bem macia.

Pintura saia-e-blusa e barbatanas traseiras: itens obrigatórios nos clássicos dos anos 50 Pintura saia-e-blusa e barbatanas traseiras: itens obrigatórios nos clássicos dos anos 50

Pintura saia-e-blusa e barbatanas traseiras: itens obrigatórios nos clássicos dos anos 50 (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Para a linha 1956, o seis-cilindros ganhou 137 cv e o V8 passou a ser o mesmo do Thunderbird, de 202 cv. Painel estofado, travas duplas de portas e volante em forma de cálice aprimoraram a segurança. Mesmo assim, as vendas caíram e aos dois anos ele saiu de catálogo.

Mas o nome era tão forte que retornaria em 1980, como versão top da família LTD e, em 1992, como modelo próprio. Nessa fase, o design cativante tinha dado lugar à robustez mecânica e ao farto espaço interno, o que foi cultivando através dos anos sua fama de ideal para táxis ou carros de polícia (veja ao lado).

Em setembro de 2011, enfim, a Ford encerrou sua produção, dando cabo da linhagem do Crown Vic, que nasceu nobre e no decorrer das décadas acabou se aproximando cada vez mais do povo.

Carro de tira

 (divulgação/Ford)

Grande, robusto e com um chassi de longarinas (fácil de reparar após leves colisões), o Crown Vic dos anos 80 e 90 logo caiu nas graças das forças policiais dos EUA. A Ford até lançou a versão Police Interceptor (foto), de 1998 a 2002, com partes reforçadas só para aguentar o serviço.


Ficha técnica – Ford Fairlane Crown Victoria 1955

Motor: V8 de 4,5 litros, 6 em linha de 3,6 litros
Potência: 162 cv a 4400 rpm, 120 cv a 4000 rpm
Câmbio: manual ouautomático de 3 marchas
Carroceria: sedã de 2 portas
Dimensões: comprimento, 504 cm; largura, 193 cm; altura, 150 cm; entre-eixos, 293 cm; peso, 1.660 kg
Desempenho: 0 a 96 km/h, 10 s; vel. máx., 152 km/h

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s