Clássicos: Fiat Uno 1.5 R, o esportivo nacional mais acessível dos anos 80

Lançado como o Fiat mais rápido da época e criado para peitar Escort XR3 e Gol GTS, hot hatch provou ao mercado que tamanho não era documento

Ele foi o carro oficial do GP Brasil de F-1 de 1987

Ele foi o carro oficial do GP Brasil de F-1 de 1987 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Atualíssimo, o Fiat Uno chegou ao Brasil em agosto de 1984 e rapidamente ganhou o apelido de Botinha Ortopédica, em razão dos dois volumes bem definidos.

Logo estreou uma versão esportiva, a SX, discreta no visual e desempenho: a máxima de 155 km/h e os 15,3 s para ir de 0 a 100 km/h catalisaram o desenvolvimento do lendário Uno 1.5 R.

A brincadeira começou no departamento de competições da Fiat, vitoriosa com o 147 no Campeonato de Marcas e Pilotos de 1983 e não tão bem-sucedida com o sedã Oggi em 1984.

O Uno estreou nas pistas em 1985 e foi muito favorecido pelo novo regulamento da categoria, que limitou a cilindrada dos concorrentes VW Gol e Ford Escort a 1,3 litro.

Tampa traseira preta, quase 30 anos antes do Up! TSI

Tampa traseira preta, quase 30 anos antes do Up! TSI (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A versão 1.5 R foi a maior novidade de 1987 para encarar Ford Escort XR3 (1.6) e VW Gol GTS (1.8).

Bastou adotar o motor do sedã Prêmio e recorrer a soluções de praxe: comando de válvulas esportivo, taxa de compressão mais alta, coletor de admissão redimensionado e novo acerto de carburação o fizeram subir de 71 para 85 cv.

Foi o carro oficial do GP Brasil de F-1 daquele ano e era o mais rápido dos Fiat nacionais: 0 a 100 km/h em 12 segundos.

Reforçado, o câmbio de cinco marchas foi reescalonado para tornar as relações mais próximas entre si, colaborando para a excepcional agilidade do carrinho de apenas 872 kg. A máxima de 162,4 km/h era atingida na última marcha.

Com 74 kg a mais, o XR3 ficava bem para trás, mesmo tendo torque e potência equivalentes.

A superioridade técnica do 1.5 R marcava presença com o comando de válvulas no cabeçote: o resultado era uma melhor elasticidade do motor, com torque máximo em rotações mais baixas e pico de potência em alto giro.

Tampa traseira preta, quase 30 anos antes do Up! TSI

Tampa traseira preta, quase 30 anos antes do Up! TSI (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Mesmo não sendo páreo para o Gol GTS, o Uno 1.5 R dava o troco em trechos de serra, graças ao freio dianteiro a disco ventilado.

Mérito também da suspensão independente nas quatro rodas, com molas mais baixas, amortecedores de maior carga e barra estabilizadora mais rígida.

Mas o maior benefício era o preço: na cor vermelho Ferrari ou preto Etna, era 15% mais barato que os rivais, o mesmo que as versões básicas de Escort e Gol.

Entre os opcionais, vidros verdes, check control, vidros elétricos, banco traseiro bipartido, ar-condicionado, ar quente e pintura metálica (cinza Argento ou azul Itapema).

O discreto aerofólio melhorava ainda mais a aerodinâmica

O discreto aerofólio melhorava ainda mais a aerodinâmica (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Um Uno 1.5 R preto Etna foi integrado à nossa frota de Longa Duração e garantiu 50.000 km de diversão, mas o câmbio não resistiu ao entusiasmo de nossa equipe e quebrou.

Notória pela fragilidade e engates imprecisos, a transmissão foi o ponto mais crítico da Fiat durante as duas primeiras décadas de operação no Brasil.

O 15º Salão do Automóvel de São Paulo exibiu as novidades do 1.5 R para 1989. Rodas de liga, novas faixas laterais, retrovisores maiores e bancos dianteiros com apoio de cabeça vazado e novo estofamento.

A suspensão teve a geometria revista e ficou mais suave com amortecedores pressurizados, tornando-o mais civilizado.

Manômetro de pressão do óleo: obrigatório em um esportivo

Manômetro de pressão do óleo: obrigatório em um esportivo (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A crise do etanol em 1989 pouco afetou o 1.5 R: a versão a gasolina foi a que menos sofreu com a queda no desempenho dos esportivos e era até mais rápida nas retomadas.

Mas os rivais reagiram: o XR3 recebeu motor 1.8, enquanto Gol GTi e Kadett GS estreavam um 2.0.

O 1.5 R saiu de linha com a chegada do 1.6 R: o maior curso dos pistões elevou cilindrada, torque e potência. Ele ficou ainda melhor em 1993 com a injeção eletrônica. O avanço técnico pavimentou a estrada que trouxe o mítico Uno Turbo.

 (Acervo/Quatro Rodas)

Teste – Julho/1987

  • Aceleração: 0 a 100 km/h: 11,62 s   
  • Vel. Máx.: 162 km/h
  • Consumo: 7,52 km/l (urb.), 11 km/l (rod.)
  • Preço: Cz$ 427.721  
  • Atualizado: R$ 121.400 (IPC-A/IBGE)

Ficha técnica – Fiat Uno 1.5 R

  • Motor: transv., 4 cil. em linha, 1.498 cm3, 8V, comando simples no cabeçote, carburador de corpo duplo; 85 cv a 6.000 rpm, 12,9 mkgf a 3.500 rpm
  • Câmbio: manual, 5 marchas, tração diant.
  • Dimensões: compr., 364 cm; larg., 155 cm; alt., 140 cm; entre-eixos, 236 cm; peso, 872 kg
  • Pneus: 165/70 SR 13
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s