Clique e assine por apenas 8,90/mês

Chery interrompe produção no Brasil por 5 meses

Estoque alto de modelos e adequação da linha de montagem para chegada de SUV são alguns dos motivos para a parada da fábrica em Jacareí (SP)

Por Diego Dias - Atualizado em 9 nov 2016, 14h59 - Publicado em 22 jun 2016, 15h32
Fábrica da Chery no Brasil

Inaugurada há menos de dois anos, em agosto de 2014, a fábrica da Chery em Jacareí (SP) interromperá sua produção a partir de julho, por um período de cinco meses. Os motivos para a marca chinesa interromper sua produção são os estoques altos do New QQ e Celer, além da adequação da linha de montagem para a chegada de um novo SUV, provavelmente o Tiggo 5 – como anunciado pela montadora no final do ano passado, que investiu R$ 400 milhões para produzir o utilitário no Brasil.

LEIA MAIS:

>> JAC é excluída do Inovar-Auto e perde benefícios fiscais

>> Quem são os concorrentes do Mobi na faixa mais acessível do mercado?

Continua após a publicidade

>> JAC T5: O jovem aprendiz chinês

>> Chery confirma Tiggo 5 fabricado no Brasil em 2016 

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos, cerca de 140 trabalhadores da fábrica do interior de São Paulo serão colocados em licença remunerada pela empresa (layoff), o que representa cerca de 90% dos funcionários da área de produção. Os demais executarão trabalhos de manutenção e adequação da linha que provavelmente irá produzir o novo Tiggo 5.

Na última segunda-feira (20) os metalúrgicos da Chery aprovaram uma proposta feita pela empresa para a garantia de direitos e estabilidade de emprego. No esquema de layoff, parte do salário dos trabalhadores é custeado pelo Governo, enquanto o restante é complementado pela fabricante. De acordo com o sindicato, nessa semana o acordo trabalhista deve ser assinado e enviado ao Ministério do Trabalho.

Continua após a publicidade

Com o mercado de venda de carros em crise, a fábrica da marca em Jacareí opera com baixa demanda, pois são produzidos apenas 15 a 25 carros por dia, incluindo o New QQ e o Celer nas versões hatch e sedã. Isso representa somente 10% de sua capacidade de operação. Se o cenário mudar, os trabalhadores podem ser chamados de volta para os seus postos de trabalho antes do fim do prazo de paralisação. A Chery confirmou a negociação em nota, mas irá divulgar os detalhes do acordo depois que a proposta for aprovada entre as partes.

Publicidade