Carros para PcD demoram mais de três meses para serem entregues

Justificativa das marcas é que a demanda por vendas especiais aumentou muito. As vendas crescem mais de 30% ao ano

Carros para PcD podem demorar mais de 90 dias para serem entregues Carros para PcD podem demorar mais de 90 dias para serem entregues

Carros para PcD podem demorar mais de 90 dias para serem entregues (Reprodução/Internet)

Por causa da burocracia, o cliente PcD leva cerca de três meses para conseguir as isenções de ICMS e IPI.

Porém, a espera para ter o carro na garagem pode chegar a seis.

O funcionário público Fernando Avelar, 40 anos, teve que esperar 90 dias pelo seu Toyota Corolla GLi. Ele encomendou o modelo na concessionária Osaka em Belo Horizonte, Minas Gerais.

“Estava com a documentação em ordem e esperava que o carro demorasse cerca de 30 dias no máximo e devido à alta procura pelo modelo fiquei três meses na espera”, conta Avelar.

Questionada sobre a demora excessiva, a Toyota esclareceu que devido a capacidade produtiva instalada e a alta demanda pelo Corolla, a marca estabelece como prazo para PcD entre 90 e 180 dias.

A fabricante deve baixar esse período para 60 dias com o desconto extra que oferece na versão intermediária XEi.

A comercialização para PcD segue as mesmas regras da venda direta para Pessoa Jurídica. Portanto o carro é encomendado direto da fábrica e não sai dos estoques da concessionária.

No entanto, as vendas para pessoas com deficiência crescem mais de 30% ao ano.

As vendas subiram 31,5% para PCD em 2016 As vendas subiram 31,5% para PCD em 2016

As vendas subiram 31,5% para PCD em 2016 (Elias Silveira/Quatro Rodas)

“A revenda fica como uma intermediária na compra PcD, mas continua recebendo uma comissão pela venda”, afirma  Frida Lickel, diretora comercial da Citroën. A marca francesa vende 10% do seu volume anual para pessoas com condições especiais.

 “Esse mercado se tornou tão importante que formamos vendedores especializados. E o nosso objetivo é oferecer a melhor experiência possível”, diz Frida.

O cliente Fabio Brejão teve um bom atendimento na concessionária Citroën TGV em São Paulo, mas se decepcionou com o prazo de entrega.

“O vendedor me informou que em dez dias estaria com o carro em mãos e o processo durou um mês. Vendi o meu carro contando com o prazo inicial e fiquei pagando Uber por algumas semanas. A conta deu quase R$ 1.000”, conta Brejão.

A fabricante afirma que o tempo médio de entrega é de 15 a 20 dias. E que no caso especifico do proprietário Fabio não há registros de queixas nos canais oficiais de atendimento ao cliente.

O paulistano Junior Souza, 33 anos, também foi enganado pelo prazo inicial do vendedor ao encomendar um Creta Attitude 1.6 na Hyundai Caoa em São Paulo.

“Me passaram um período máximo de 45 dias e o carro levou 88 dias para chegar, quase três meses”, diz Junior.

A demora na entrega é justificada pela alta demanda A demora na entrega é justificada pela alta demanda

A demora na entrega é justificada pela alta demanda (Marco de Bari/Quatro Rodas)

A marca esclareceu que devido à elevada demanda pela versão Attitude 1.6 no ano passado, a Hyundai suspendeu, em setembro, as vendas do modelo temporariamente.

O objetivo foi atender com o volume disponível os clientes que haviam entrado com seus pedidos e se encontravam na fila de espera para recebimento do veículo, como foi o caso do Junior de Souza.

A partir de dezembro a Hyundai retomou a comercialização do carro somente sob encomenda, o que implica em um prazo médio de entrega de 90 dias.

Pelo visto, vendedores que prometem prazos que não podem ser cumpridos estão em todas as fabricantes.

Em Manaus, a cliente da Jeep, Jeniffer Pereira, 29 anos, amargou uma espera de quase dois meses por um Jeep Renegade.

“A promessa era de 15 dias e o prazo foi sendo estendido a cada ligação minha. Por diversas vezes fui ignorada pela vendedora da Jeep Manaus, me senti desrespeitada”, conta Jeniffer.

A Jeep afirma que vem aprimorando seus processos internos para atender o público PcD da melhor forma possível e o principal objetivo é a redução do tempo médio de entrega dos veículos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Guilherme Guersoni

    O processo, infelizmente, já está sendo burocratizado para dificultar um pouco mais. Restringindo as bancas médicas de avaliação e fazendo o cruzamento de dados entre DETRAN e Receita.

  2. Marcio Tamashiro

    Lembrando que a Hyundai suspendeu as vendas do creta em 2017, para depois, colocar novamente uma versão mais “pelada”. O que provavelmente fará o mesmo em 2018, provavelmente em Junho ou Julho.

  3. Silvio Lavras

    Tem algo estranho nessa matéria. Na foto com o cadeirante existe crédito ao Marco de Bari um dos melhores fotógrafos que essa revista já teve, porém o mesmo infelizmente já faleceu há uns anos.
    Demora pra PCD tem haver realmente com a demanda , mas com as liberações eletrônicas esse prazo caiu bastante. O Ipi demorava 4 meses e hoje sai em 72 hs. O ICMS varia de estado e de posto fiscal, em alguns aqui de São Paulo sai com 10 dias.
    Daí chegamos na montadora : Jeep de 30 a 60 dias, Hyunday 180 dias. Que cada um faça a sua escolha.abs

  4. Estou tentando comprar um Creta pcd na região do interior de sao Paulo, porém nas concessionárias de todas as regiões vizinhas não estão pegando pedido do mesmo! Resumindo: voltaram a paralisar a venda do Creta pcd, mas isso nao foi veiculado na internet! Sem prazos e nenhuma informação, isso se trata de um descaso com quem procura comprar!

  5. Tiago Weller

    A Renault também está com as vendas bloqueadas para PCD. A capacidade informada por colaboradores é de 500 unidades\mês para Duster, e atualmente existe uma fila de 5000 veículos em espera de produção. Sandero Stepway e Captur também estão com vendas bloqueadas.

  6. Meu pai está tentando comprar um Huyndai Creta PCD desde março/2018. Até agora a revenda nem conseguiu colocar o pedido na fábrica. Eles dizem que a fábrica não está aceitando. Não temos a mínima previsão para entrega do carro.

  7. Gilson Santiago

    Se as vendas são tão significativas assim, porque não têm os carros em estoque?