Carro manual é mais seguro que carro autônomo, defende psiquiatra

Em artigo no NY Times, psiquiatra americano Vatsal Thakkar defende que quanto mais assistências um carro tem, menos atento o motorista é

Câmbios manuais estimulam o trabalho do cérebro

Câmbios manuais estimulam o trabalho do cérebro (Renault/Divulgação)

Câmeras de ré, sensores, centrais multimídias mais sofisticadas, pilotos automáticos, frenagem automática etc.

Estes são alguns dos avanços que, ao longo dos anos, vêm sendo considerados sinônimos de conforto e segurança. Porém, alguns especialistas já começam a contestar a eficácia dessas tecnologias em prol de um trânsito mais seguro.

Em um artigo postado no jornal americano The New York Times, o psiquiatra e escritor Vatsal Thakkar defendeu que a garantia de segurança não caminha junto à comodidade que os carros mais novos providenciam. 

No texto, Thakkar usa sua própria experiência com para mostrar como as tecnologias podem, ao invés de aumentar a segurança, reduzir a atenção dos motoristas ao volante e, assim, potencializar acidentes.

“Estava manobrando o carro de minha esposa e reparei que não olhava para a câmera de ré nem para os retrovisores: eu apenas prestava atenção aos sensores sonoros de proximidade. Eu me tornei tão dependente dessa tecnologia que parei de prestar atenção, um problema com conseqüências potencialmente perigosas”, argumenta.

Ainda no texto, Thakkar traz alguns dados que demonstram como o excesso de confiança nas assistências eletrônicas vem causando o efeito contrário do desejado: a ocorrência acidentes, e com consequências graves, causados pelo aumento da falta de atenção dos condutores.

“Estudo feito pela Administração Nacional de Segurança no Trânsito Rodoviário [dos EUA] mostra que um em cada cinco motoristas [americanos] é como eu: tornaram-se tão dependentes das ajudas de segurança que sofreram uma colisão ou acidente enquanto dirigiam veículos que não tinham as mesmas assistências”, afirma. 

Para psiquiatra, carro autônomo deixa motorista menos atento e potencializa acidentes

Para psiquiatra, carro autônomo deixa motorista menos atento e potencializa acidentes (Divulgação/Citroën)

Nem os carros 100% autônomos escapam da crítica. O psiquiatra lembrou do famoso atropelamento fatal provocado pelo Volvo XC90 autônomo da Uber, há pouco mais de um ano. Isto porque a motorista assistia a um seriado no celular no momento da falha dos sensores, e assim não esboçou nenhuma ação para evitar o acidente.

“Numa condução normal, nosso cérebro fica em estado quase constante de vigilância. Mas se deixarmos alguém ou algo dirigir em nosso lugar, nossa vigilância cai vertiginosamente”, argumenta Thakkar, que também aponta para a redução de atividade do nosso cérebro de acordo com a circunstância.

“Embora um supercomputador sempre ultrapasse o cérebro humano em termos de velocidade pura, nosso cérebro consegue ser complexo em sua capacidade de repriorizar as entradas de dados de múltiplas fontes. Se uma entrada se torna menos relevante, nossos sistemas cognitivos mudam sua atenção para outra mais relevante”, explica.

Assim, segundo Thakkar, a solução para melhorar a atenção dos motoristas e a segurança no trânsito é simples: ao invés de carros autônomos, veículos que exijam maior interação do motorista, incluindo a volta do câmbio manual – artigo cada vez mais raro em modelos nos Estados Unidos e que já começa a ser engolido pelos sistemas automáticos no Brasil.

O psiquiatra defende que, na caixa manual, a alavanca de câmbio e pedal de embreagem estimulam o uso de todos os quatro membros, dificultando o uso do celular ou a alimentação durante a condução.

“Quando comprei o meu primeira BMW de cinco marchas, meu pai me alertou sobre segurança, achando que dirigir este tipo de câmbio seria mais perturbador e menos seguro. Ele estava errado”, comenta.

Como exemplo, o psiquiatra aponta um estudo feito com adolescentes que sofrem de déficit de atenção e hiperatividade ao volante.

O resultado foi muito mais satisfatório no uso de carros manuais, resultando em uma condução mais segura e mais atenta do que as automáticas. “Isso sugere que a cura para nossos desvios de atenção podem ser menos tecnológica, não mais”, finaliza. 

Para ler o artigo na íntegra (em inglês), clique aqui.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s