Câmeras veem o que você faz dentro do carro e podem te multar

Segundo resolução do Contran, agentes de trânsito podem autuar com base nas imagens. Alguns estados já contam com essa fiscalização

Uma das principais avenidas de Natal (RN) já possui esse tipo de fiscalização

Uma das principais avenidas de Natal (RN) já possui esse tipo de fiscalização (Reprodução/Internet)

Agentes de trânsito podem ver o que você faz dentro do seu carro. E eles não estão interessados no seu dedo cutucando o nariz.

Câmeras instaladas nas cidades enviam imagens para um centro de monitoramento, onde funcionários do sistema viário analisam imagens e pode, se houver alguma infração, fazer uma autuação à distância.

O que parece ser uma invasão de privacidade tem o intuito de fiscalizar infrações de trânsito, como motoristas usando o celular ou condutores sem cinto de segurança. Crianças no banco da frente, por exemplo, também podem render multas a quem estiver ao volante.

A resolução 532 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) autoriza a fiscalização por meio de sistema de videomonitoramento. Essas câmeras são capazes de aproximar a imagem (zoom) em até 20 vezes e portanto podem observar ações irregulares dentro dos veículos.

Pelos centros de monitoramento o agente pode aplicar multas com base na observação das imagens

Pelos centros de monitoramento o agente pode aplicar multas com base na observação das imagens (Prefeitura de Fortaleza/Divulgação)

Agentes de trânsito da Polícia Rodoviária Federal ou da Polícia Militar ficam em centros de monitoramento localizados nas rodovias ou cidades escolhendo os veículos que merecem ser fotografados. Um exemplo da ação pode ser vista no vídeo abaixo, que circulou na internet:

Segundo apuração de QUATRO RODAS, esse tipo de fiscalização já está presente em alguns estados. No Ceará, em Fortaleza e rodovias, em Minas Gerais, no Paraná, no Rio Grande do Norte, em Natal, e Goiás.

Invasão de privacidade

O Ministério Público Federal solicitou a suspensão das multas por videomonitoramento e a retirada das câmeras usadas para esse tipo de fiscalização. A justificativa é que os equipamentos invadem a privacidade dos condutores, uma vez que permitem aos agentes observar o que ocorre dentro dos veículos.

Isso, de acordo com a argumentação, “fere os direitos fundamentais da intimidade e da privacidade” como consta no Código Civil.

Essa não é a única discussão pública acerca dos limites dos órgãos fiscalizadores. A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), em São Paulo, passará a notificar motoristas por excesso de velocidade por velocidade média entre dois pontos. E a questão levantou debates.

Flagra do sistema de monitoramento na rodovia BR-277

Flagra do sistema de monitoramento na rodovia BR-277 (Policia Rodoviária Federal/Divulgação)

Em nota, a Polícia Rodoviária Federal esclarece que nenhuma liminar suspendendo a fiscalização foi aceita. E até o momento houve duas ações judiciais isoladas e negadas do Ministério Público do Ceará e de Minas Gerais.

“Informamos que o condutor do veículo, ao trafegar pelas vias abertas à circulação, deverá observar todas as regras de circulação e conduta dispostas no código, tendo domínio de seu carro, dirigindo-o com atenção e cuidados indispensáveis à segurança do trânsito.” diz a nota.

“Desta forma, não há que se falar em invasão de privacidade ou da intimidade do condutor pela utilização de câmeras de alta definição na fiscalização por meio de sistema de videomonitoramento, uma vez que toda conduta e comportamento do condutor deverá observar as normas preceituadas pelo CTB.”

Fiscalização por drones

PRF planeja utilizar drones para ajudar na fiscalização

PRF planeja utilizar drones para ajudar na fiscalização (Reprodução/Internet)

Também circularam nas redes sociais imagens de um drone da Polícia Rodoviária Federal, que estaria multando nas rodovias.

Consultada, a PRF informou que planeja usar os drones como plataforma de observação a fim de apoiar às atividades de fiscalização.

A utilização de drones ainda está em sua etapa piloto, unicamente no estado do Mato Grosso do Sul e não há previsão da adoção de uso desse tipo de equipamento para fins de fiscalização.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Miguel Alves Jr.

    Até onde eu sei e está na lei, pelo menos quando li e era válido, o poder de Polícia tem que ser exercido de forma ostensiva, ou seja mostrar presença ser sentido e não ficar escondido atrás de um poste dando multas e outros artifícios somente para prejudicar e punir o cidadão, alguém já viu algum dos brinquedinhos aí ajudando o cidadão pegando ladrão fazendo reconhecimento e mantendo meliantes na cadeia ou outros usos táticos, preventivos, ou seja serviço de “inteligência” meu grifo. Nos fazem perder direitos adquiridos com uma canetada e não têm a capacidade de reduzir salários de marajás por conta desse mesmo direito adquirido que não pode ser ferido. Que piada. De extremo mal gosto. Cômico não fosse trágico. Miguel

  2. Vai multar moto também por direção perigosa por passar entre dois automóveis que estão respeitando o limite de distância entre si de 1m conforme o CBT ? É por infringir esta lei, negligenciada pelo poder público, que acontece muitos acidentes de motos, arranhões de carros e quebra de retrovisores dos carros, e muito mais coisas erradas que os agentes de trânsito deixam os motoqueiros fazerem de errado sem nenhuma punição. Além de quando acontece o acidente, e mesmo o motoqueiro todo errado, os motoqueiros se juntam pra encher o motorista do carro de porrada. E aee Poder Publico ?

  3. infelizmente estão censurando as opniões dos cidadãos de bem contra a ineficiência do estado. Ainda bem que temos o YouTube e Redes Sociais pra ficarmos a par das verdades em tempo real

  4. Martins Pessôa Regis Júnior

    Essas alegações de “invasão de privacidade” são simplesmente a comprovação de que a impunidade impera no Brasil. Esse sistema de multagem é válida, pois vai pegar os péssimos motoristas “com a mão na massa”. Não quer ser multado? Respeite a legislação de trânsito. Essa lei deveria valer aqui no Rio de Janeiro, para multar quem trafega nos acostamentos, avança os sinais de trânsito, insistem em falar ou mandar mensagens no celular, os pedestres que insistem em atravessar as ruas fora das passarelas e faixas de pedestres etc.

  5. Julio Rodrigues Neto

    O Martins, aqui dos comentários, vai ser multado, por falar besteira.

  6. claudio rogerio

    Porque não usam essas câmeras e recursos para fiscalizar os Policias rodoviários que extorquem diariamente “os cafézinhos” dos motoristas ou para detectar os buracos e curvas mau projetadas que tiram a vida de centenas de motoristas ou lhes causam milhares em estragos sem reparação nenhuma? Ou evitar roubos, estupros e sequestros? Talvez porque não gere rendimentos. Hipocrisia moralista