Clique e assine por apenas 5,90/mês

Buick GNX: quando a McLaren fez um cupê de tiozão superar uma Ferrari F40

Motor V6 turbo superava superesportivos com motores seis em linha, V8 e V12 do mundo inteiro, e marcou despedida da geração com estilo

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 1 ago 2019, 19h58 - Publicado em 1 ago 2019, 19h29
Você acreditaria se alguém dissesse que esse carro é mais rápido que uma Ferrari F40? Divulgação/Buick

Entre as marcas da General Motors, a Buick era a que entregava mais requinte que a Chevrolet, mas sem cobrar tão caro quanto a Cadillac.

Seus compradores eram mais maduros e estavam mais interessados no espaço interno e no acabamento. Pelo menos na teoria. Mas Lloyd Reuss tomou para si o desafio de mudar a imagem da Buick assim que assumiu sua direção.

E o primeiro carro escolhido para essa guinada foi o Buick Regal, que passaria por uma série de mudanças antes de se transformar no Buick Grand National, lançado em 1982.

O Regal Grand National tinha visual à Darth Vader Divulgação/Buick

O nome da versão vinha das pistas: “Grand National” fez parte do nome oficial da Nascar entre 1971 e 1986. E aquele era um ótimo momento para a Buick, que havia vencido a temporada 1981 e voltaria a levar o premio em 1982.

Mas a grande maioria dos Regal GN só tinha o visual de poucos amigos, com pouquíssimos detalhes cromados (como a grade) e suspensão rebaixada.

A maioria dos 215 exemplares vendidos naquele ano usava o motor V6 4.1 aspirado de apenas 127 cv e 28 mkgf de torque.

O motor 4.1 não era dos mais empolgantes Divulgação/Buick

Apenas 35 proprietários tiveram a sorte de levar para casa um Grand National baseado no Buick Regal Sport Coupé, dono de um V6 3.8 turbo de 177 cv e 37,7 mkgf. Este motor consagraria a versão.

O Grand National só voltou às lojas em 1984 com o V6 3.8 Turbo em versão de 200 cv – graças à ignição computadorizada – como padrão, assim como a carroceria preta.

A essa altura, o Grand National já dava calor no Corvette no quarto de milha e superava o trio formado por Camaro, Ford Mustang e Pontiac Firebird.

Potência e pequenas mudanças visuais diferenciam os anos do Grand National Divulgação/Buick

A potência subiria para 235 cv em 1986 e 245 cv em 1987. Pelo menos era o que a GM declarava, pois o que se conta é que ela na verdade chegava perto dos 290 cv. O motivo? O V8 Small Block 5.7 do Corvette C4 não passava de 253 cv.

Continua após a publicidade

Esse desconforto interno levou a General Motors a determinar que, a partir de 1988, o Buick Regal seria baseado em uma nova plataforma com tração dianteira. Seria o fim das pretensões esportivas do modelo.

Por sorte, a Buick não deixou isso acontecer sem antes de dar sua cartada final.

Envenenado pela McLaren

Dos 20.740 Buick Grand National fabricados em 1987, 547 foram enviados para a ASC/McLaren, fundada em 1969 como filial da McLaren Performance Technologies nos Estados Unidos. Lá, o V6 Turbo receberia atenção especial.

O Buick Regal GNX teve seu motor preparado pela McLaren Divulgação/Buick

Não era exatamente aquela McLaren que conquistou os títulos de 1984, 85 (pilotos e construtores) e 86 (apenas de pilotos), e vicê-campeã da F1 em 1987 utilizando um motor V6 Turbo da TAG Porsche. Mas o resultado foi bom.

O GNX foi o canto do cisne para os Regal esportivos de verdade Divulgação/Buick

Instalaram um novo intercooler, otimizaram a admissão, instalaram escape menos restritivo, fizeram modificações no cabeçote e no turbo (agora um Garrett T-3 com revestimento de cerâmica), e ainda reforçaram a transmissão automática de quatro marchas e o diferencial.

A suspensão ficou ainda mais firme com nova geometria, amortecedores com mais carga e barras estabilizadoras mais rígidas.

Até mesmo o turbocompressor foi modificado pela McLaren Divulgação/Buick

O resultado seria chamado de Buick GNX (Grand National Experimental). O cupê com cara de poucos amigos agora tinha 280 cv (declarados, vale lembrar) e 49,8 mkgf de torque. Foi de zero a 100 km/h em 4,7 s nos testes da Car And Driver.

Câmbio automático de quatro marchas era padrão, mas o do GNX foi reforçado Divulgação/Buick

Mas o que realmente decide a vida de um esportivo nos Estados Unidos, é o quarto de milha. A Buick declarava 12,7 s para cumprir os 402 m, o que fazia a 181,8 km/h.

Em outras palavras, o pacato Buick Regal foi transformado num esportivo 1 s mais rápido que o Corvette e 0,3 s mais rápido que a Ferrari F40. Também superava os BMW M635i e Porsche 930.

Não por acaso, todos os 547 GNX venderam como pão quente. Na época, o preço de tabela era de 29.990 dólares. Hoje os Buick GNX podem superar facilmente os 150.000 dólares.

Reprodução/Internet
Continua após a publicidade
Publicidade