Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Bolsonaro assina MP e postos de bandeira poderão vender gasolina genérica

Postos também poderão comprar etanol diretamente das usinas, sem intermédio de uma distribuidora

Por João Vitor Ferreira Atualizado em 11 ago 2021, 19h58 - Publicado em 11 ago 2021, 16h47
Brasilienses enfrentam até 4km de filas para abastecer em posto de combustíveis que vende gasolina a R$ 2,98 como parte do Dia da Liberdade de Impostos (DLI).
Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Presidente Jair Bolsonaro assina hoje a Medida Provisória que permite a venda de combustível de outras distribuidoras em postos com bandeira. A MP antecipa a consulta popular da ANP (Associação Nacional do Petróleo), órgão regulador que propôs a mudança.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

O texto ainda permite que os postos comprem etanol diretamente das usinas ou importadores, sem a necessidade de uma distribuidora, o que caracteriza a venda direta. O governo defende que essas medidas contribuirão para a diminuição do preço dos combustíveis, devido ao aumento da concorrência.

As principais distribuidoras do país já se manifestaram contra as decisões. Vale lembrar que 55% dos 43 mil postos de combustível do Brasil atuam sob contrato de três bandeiras: Shell (Raízen), BR Distribuidora (Petrobrás) e Ipiranga (Ultrapar). As empresas, assim como os sindicatos ligados aos postos, alegam que a MP favorecerá a venda de combustíveis de má qualidade e a sonegação de impostos.

Continua após a publicidade

A partir de agora, postos com bandeira, que antes comercializavam somente combustível da sua rede, poderão vender o produto de outras marcas por preços diferentes, desde que esteja sinalizado ao consumidor. Dessa forma, é como se o posto estivesse vendendo uma “gasolina genérica”, que assim como os medicamentos, não possui marca, mas deve atender às mesmas normas do produto “de marca”.

Na proposta feita pela ANP a previsão era que cada posto poderia ter até duas bombas livres para vender combustível de outras marcas. Porém, na assinatura da MP não há detalhes em relação a isso. Segundo o governo, essa medida pretende reduzir em até R$ 0,50 o preço do litro da gasolina.

Brasília - Posto de combustíveis do DF vende gasolina com preço quase 40% menor no Dia da Liberdade de Impostos
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Sobre a venda direta do etanol, Bolsonaro afirmou, ainda em 2020 quando abraçou a ideia, que o preço do litro teria uma redução de R$ 0,20 (conta questionada pelo mercado de combustíveis). Nesse caso, os impostos sobre o combustível passarão a ser recolhidos pelas usinas e não mais pelas distribuidoras.

Pela norma antiga, a fiscalização dos postos ficava à cargo da ANP e da própria distribuidora, que verificavam se o produto vendido não era adulterado ou de outra marca. Entretanto, a nova lei não diz se haverá aumento ou maior rigorosidade na fiscalização das bombas.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Edição de julho
A edição 747 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Quatro Rodas/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

Publicidade