Argentina e Brasil fecham acordo de livre comércio de automóveis para 2029

A mudança principal acontece em dez anos, mas até lá os países já vão poder trabalhar com o aumento da cota de exportação e importação entre si

O acordo facilitará a exportação e importação de carros para a Argentina

O acordo facilitará a exportação e importação de carros para a Argentina (Arquivo/Quatro Rodas)

Um acordo de livre comércio de automóveis entre Brasil e Argentina será anunciado, nesta sexta-feira (6), no Rio de Janeiro, pelo ministro da Economia Paulo Guedes e pelo ministro argentino da Produção, Dante Sica.

O último acerto entre os países, conhecido como flex, foi assinado em 2016 e acaba em junho de 2020. Nele, existe uma regra de 50% na relação de exportação e importação, ou seja, caso o Brasil exporte US$ 1 milhão para Argentina, não poderá importar mais que US$ 1,5 milhão do país vizinho e vice-versa.

O novo acordo prevê um aumento nessa relação passando de 50% para 300%. Ou seja, as exportações de um dos países pode exceder até três vezes o total de sua importação. Exemplo: se o Brasil exportar US$ 1 milhão da Argentina poderá importar US$ 3 milhões.

Mas as limitações têm tempo determinado. Em janeiro de 2029, tudo deve mudar e o livre comércio passa a valer sem que haja limite para importação e exportação entre os dois países.

Atualmente, cerca de 50% das exportações de automóveis brasileiros vão para a Argentina. Enquanto isso, o Brasil recebe 80% dos veículos argentinos.

Mercosul-União Europeia

O acordo tem mais um objetivo: alinhar as regras de comércio dos países para o acordo Mercosul-União Europeia. Em caso de acerto entre sulamericanos e europeus, os impostos sobre automóveis vindos da Europa seriam reduzidos de 35% para 17,5%.

Porém, inicialmente o Mercosul poderá importar um limite de 50 mil veículos anuais. Desses, 32 mil vêm para o Brasil.

Mas acordo entre os blocos prevê que depois de dez anos os impostos sobre os veículos passaram a diminuir gradativamente até que chegue a zero no 16º ano, tornando o comércio livre e sem cotas de unidades.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s